Arrow – Temporada 1 – Episódio 5 – Damaged

Este episódio começa imediatamente do interior, Oliver é acusado pela polícia de ser “O Capuz” e deverá enfrentar o julgamento. O herói concorda em participar do julgamento somente se...

Este episódio começa imediatamente do interior, Oliver é acusado pela polícia de ser “O Capuz” e deverá enfrentar o julgamento. O herói concorda em participar do julgamento somente se Laurel Lance for sua advogada de defesa. Enquanto aguarda, Oliver é obrigado a permanecer em presídio domiciliar e pede a ajuda de John Diggle para dar continuidade as missões do Arqueiro.

Este episódio, assim como o anterior, tenta humanizar melhor o personagem e demonstra em maiores detalhes alguns acontecimentos na ilha (que além de não ser desconhecida, tem mais gente morando lá do que 5 temporadas de Lost juntas). Apesar de ser uma série que preza pela ação, o episódio de hoje arriscou se aprofundar na temática do heroísmo, afinal, qual é o grau de esforço físico e psicológico necessário para moldar alguém em um vigilante? Entre as torturas e condicionamentos psicológicos que Oliver passou, ainda existe algo de humano nele? Seria sua missão, uma forma de lidar com um caso de stress pós-traumático? São temas interessantes a serem explorados e dariam a série um afastamento necessário da forma que Christopher Nolan narrou sua trilogia Batman.

Pontos Fortes:

  • Como escrito antes, a série pode ter (acidentalmente) tomado um rumo interessante.
  • Deathstroke (ou o Exterminador) aparece e aqui rezando para não tomar o mesmo rumo do pistoleiro.
  • Menos família ainda nesse episódio.

Pontos Fracos:

  • Stephen Amell ainda sofre um pouco para atender as necessidades de interpretação do papel.
  • A ilha deve ser mais ou menos do tamanho de Osasco e ter umas 7 cidades menores dentro, porque desde militares renegados chineses, super vilões, sindicatos do crime, galinhas e pescadores aparecem por lá.
  • E a história da Mafia Russa? Não vão explicar?

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categories
Críticas

RELATED BY