[CRÍTICA] – American Horror Story Hotel – Ep. 03 – Mommy

Em American Horror Story Hotel, os corredores revelam novos mistérios O terceiro episódio de American Horror Story Hotel foi morno. Focado em revelar detalhes das relações de Donavan e...

Em American Horror Story Hotel,
os corredores revelam novos mistérios

O terceiro episódio de American Horror Story Hotel foi morno. Focado em revelar detalhes das relações de Donavan e Iris, os reais interesses da Condessa em Will Drake e no fato de Scarlett ter visto Holden no Hotel, em Mommy faltou equilibrio.

Sabemos que é importante estabelecer as tramas dentro de uma série que tem apenas 10 episódios e, seguindo a mesma receita das quatro temporadas anteriores, o terceiro episódio serviu para o falatório e primeiros indícios de mudanças nas histórias. Começamos o episódio conhecendo melhor a esposa do policial John, uma pediatra de sucesso que tenta superar a ausência de se filho mais velho. Em um momento desesperador ela visita seu marido no hotel e pede o divórcio. Na saída, ela é surpreendida por uma mulher ensanguentada e por uma criança que a chama de… “Mommy“.

Do outro lado dos infinitos corredores do Hotel Cortez, Tristan quer se livrar de Drake. Ele pede ajuda para March que conhece cada cantinho do prédio, mas ele é interrompido pela Condessa, que tem intenções matrimoniais com o estilista…que sente uma enorme atração por Tristan. Bem, isso não vai dar certo…

Já nas ruas, Donavan se droga para esquecer suas infinitas mágoas com sua mãe, mas uma figura atraente e misteriosa o fará mudar de ideia. É neste momento que Angela Bassett aparece na temporada. Sua personagem é Ramona Royale, uma ex-atriz famosa por seus filmes da década de 1970. Conhecida por seu black power, Royale tem aquele ar de femme fatale de filmes de blaxploitation ao estilo de Jackie Brown (1997) do diretor Quentin Tarantino. Um belo dia, ela está negociando seu novo papel com um produtor quando a Condessa aparece em sua vida. A atração carnal entre as duas é fatal e elas ficam juntas por décadas. Bassett e Gaga aparecem uma cena de sexo ousada nesse episódio e os conservadores de plantão poderão se incomodar, afinal, a veterana já está com 57 anos e Gaga com 29.

O episódio é bem detalhista, com longos diálogos e consegue explorar e expôr os relacionamentos das personagens conectadas ao Hotel Cortez. Um dos “erros”, talvez, do episódio foi de querer, mais vez, mostrar Lady Gaga transando com alguém/algo ao invés de focar no título do episódio que está diretamente ligado à Holden/Alex e Donavan/Iris. American Horror Story Hotel mistura elementos que já vimos nas temporadas anteriores: horror, fantasmas, criaturas freaks e mistério. Agora resta esperarmos para analisar se este roteiro terá fôlego de apresentar algo diferente e surpreendente, porque até o momento é apenas uma reciclagem do que já vimos anteriormente. Mommy foi um episódio importante para imaginarmos o que se passou na cabeça do criador da série, Ryan Murphy e um balde cheio de esperança pelo elemento “surpresa”. 

Küsses e até o próximo episódio.

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Críticas

Ver também