[CRÍTICA] Arrowverso – Semana 1 no Brasil

Agora que o Arrowverso tem quatro séries e diversas temporadas, vamos fazer diferente. Semanalmente apresentaremos um resumão de todas as séries do Arrowverso em um único texto. Afinal,...
[alert type=green ]Agora que o Arrowverso tem quatro séries e diversas temporadas, vamos fazer diferente. Semanalmente apresentaremos um resumão de todas as séries do Arrowverso em um único texto. Afinal, a Freakpop está aqui para deixar sua vida mais conveniente na hora de ler sobre bilionários que passaram cinco anos no inferno e homens vivos mais rápidos. [/alert]

O Arrowverso estreia no canal da Warner com a
5° temporada de Arrow e a 3° de The Flash

Vamos ver o que anda rolando no Arrowverso com Oliver Queen prefeito e Barry Allen destruidor oficial de linhas do tempo?

arrowverso-header-arrow-temporada-5

 Antes, o que rolou na quarta temporada:

Um antigo rival de Ra’s al Ghul, Damian Dahrk, é o vilão da vez. Ele é imortal e usa magia. Seu looooooongo plano envolve usar o arsenal nuclear dos EUA para bombardear o planeta criando um gigantesco ritual de sacrifício que o transformará em um Deus. O plano se desenvolve em ritmo de lesma, o que dá a Oliver a oportunidade de concorrer para prefeito de Star City contra Ruvé Adams, esposa de Dahrk e candidata a prefeita que diz que não há meta, mas que quando chegar na meta, vai dobrar a meta. Vixen e Constantine fazem participações especiais, já que a temporada explora magia. Alguns episódios são dedicados ao Legends of Tomorrow. Malcolm Merlyn é o novo Ra’s e passa boa parte do tempo ajudando, atrapalhando ou simplesmente aparecendo de cantos escuros porque ele é um ninja™ da Liga dos Assassinos©. Sara morre e é ressuscitada pelo poço de Lázaro, Thea precisa lidar com seus acessos de fúria por ter usado o poço de Lázaro e Laurel precisa lidar com o fato dela ter morrido após destruírem o poço de Lázaro. Ou não… Porque ela está morta. O irmão de Diggle, Andy aparece. Ele é do mal, depois finge ser do bem, mas no fundo era do mal, mas na verdade era do bem, mas no final era do mal. Thea e Diggle se aposentam do time. E agora…

Arrow – T05E01 – “Legacy”

De todas as séries do Arrowverso, Arrow é a que menos tem espaço para criatividade. Nenhuma temporada após a batalha contra Slade Wilson na segunda funcionou muito bem. Ninjas em excesso, histórias do Batman e magia. Tudo isso contribuiu para criar tramas enfadonhas com um lenga-lenga amoroso e tão repetitivo quanto os inúmeros discursos motivacionais do Team Arrow.

A nova temporada aparentemente decidiu fazer um 180° e voltar para as origens mais cruas e urbanas da série. Oliver agora é prefeito da cidade e está sozinho em sua luta contra o crime, apenas com suporte de Felicity. A dinâmica de ambos voltou a ser apenas de parceiros e o roteiro nem faz menção de seu quase casamento. Funciona bem, ainda mais com praticamente todo o elenco de suporte se configurando ao redor da vida civil de Oliver como prefeito, deixando o Arqueiro Verde para trabalhar sozinho a noite (no ritmo que estava, praticamente todo mundo já sabia que Oliver era o Arqueiro).

Apesar da solidão, o roteiro começa a impulsionar Oliver para formar um novo Team Arrow, com a aparição de um vigilante amador chamado Cão Raivoso e Curtis sendo agredido por criminosos e decidindo se juntar à luta contra o crime. Em geral, a trama começou mais amarrada, com um novo vilão, Tobias Church (Chad L. Coleman do The Walking Dead) e mais um arqueiro do mal (Berlanti e companhia adoram suas versões malignas dos protagonistas).

Quanto aos flashbacks? Infelizmente ainda existem. Desta vez, Oliver está na Rússia e vamos descobrir como ele se tornou um capitão da Bratva. Anatoli, que foi um dos prisioneiros do navio Amazo na segunda temporada, está de volta.

arrowverso-header-the-flash-temporada-3

Antes, o que rolou na segunda temporada:

Barry correu. Correu tanto que voltou no tempo. Correu tanto que foi para uma Terra Paralela. Correu tanto que venceu seu arqui-inimigo correndo. Correu tanto que acabou adaptando o Flashpoint para televisão.

The Flash – T03E01 – “Flashpoint”

A minissérie “Flashpoint” ou “Ponto de Ignição” foi um crossover que ocasionou em um reboot completo do Universo DC, criando assim os Novos 52. Uma nova linha editorial com 52 títulos que não foi muito bem recebida pela crítica e pelos fãs (com salvas exceções). Muitos elementos do Arrowverso foram inspirados por ideias que surgiram neste período e é interessante ver como The Flash retroalimentaria a série em seu próprio mundo.

No final da última temporada, com o pai morto pelas mãos de Zoom, Barry decide voltar no tempo para o fatídico dia que sua mãe morre e impede que o Flash Reverso cometa o homicídio. Criando assim, uma realidade paralela.

Nos quadrinhos, o mundo paralelo de Flashpoint mostra um Thomas Wayne alcoólatra e amargurado que assume o manto de Batman após a morte de seu filho Bruce no beco do crime. A Europa está completamente devastada devido à uma guerra entre as Amazonas de Themyscira lideradas por Diana e a Atlântida liderada pelo Aquaman. Superman é capturado quando chega no planeta e mantido em cativeiro por toda a sua vida.

Na série, Barry ainda mora com os pais, que estão vivos e casados. Perdeu contato com Iris na infância e, apesar de ainda trabalhar com Joe, não se conversam. Nesta realidade, Wally West é o Kid Flash e trava uma luta contra um velocista maligno conhecido como O Rival (Edward Clarris  – o Flash Reverso original de 1949 nos quadrinhos). O STAR Labs não existe, no lugar temos a Ramon Enterprises e Cisco é um bilionário cínico.

Barry mantém Eobard Thawne em cativeiro e, aos poucos, começa a se aproximar de seus antigos aliados. Na nova linha do tempo, Barry começa a perder a memória de sua antiga vida, criando sérias desvantagens quando ele decide ajudar Kid Flash a derrotar O Rival. A luta termina mal e Wally acaba morto. Allen não só está perdendo suas memórias como seu acesso à Força de Velocidade. Desesperado, pede para Thawne restaurar a linha do tempo.

A última temporada explorou bem versões alternativas do Arrowverso com a Terra-2. O universo de Flashpoint não oferece nenhum vislumbre particularmente interessante de seus personagens. Problemas genéricos dos West, nada de interessante com os Allen e de cara já jogar mais um velocista maligno é um pouco cansativo. Com toda a pompa que fizeram ao revelar o nome do primeiro episódio alguns meses atrás, imaginávamos que haveria um certo número de episódios para explorar esta realidade alternativa.

Nope. O Flash-Reverso imediatamente restaura o Arrowverso… Com algumas pequenas alterações que serão reveladas em breve.

RESUMO

Arrow começou com promessa. The Flash derrapou na largada e mudou de ideia sem fazer muita coisa.

Semana que vem estreia Supergirl e DC’s Legends of Tomorrow!

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Críticas

Ver também