CRÍTICA | Arrowverso – Semana 6 no Brasil

No Arrowverso, um novo vilão questiona o passado de Oliver e Supergirl treina um novo aliado A sexta semana do Arrowerso teve menos episódios. Quer saber o que rolou...

No Arrowverso, um novo vilão questiona o passado de Oliver e Supergirl treina um novo aliado

A sexta semana do Arrowerso teve menos episódios. Quer saber o que rolou na semana anterior? Clique aqui!

arrowverso-header-supergirl-temporada-2

Supergirl – T02E05 – “Crossfire”

Finalmente chegou a hora de Mon-El fazer sua estreia no Arrowverso. Após passar um tempo em cativeiro no DEO, o daxamita vai entrar para o mundo dos humanos sob a orientação de Supergirl. Entre os desafios da semana estão: colocar Mon-El como o novo estagiário “humano” na CatCo e enfrenta uma gangue de assaltantes que usam armas alienígenas em seus assaltos.

Os assaltantes fazem parte de mais um projeto da Cadmus e sua agenda anti-alienígena. O argumento é simples: humanos nunca estarão seguros enquanto extraterrestres se infiltrarem na sociedade trazendo armas perigosas. Usar criaturas de fora da Terra como uma analogia para as diferentes polêmicas de imigração que acontecem pelo mundo, é um ângulo interessante, mas perde um pouco o fôlego quando a percepção de ameaça é rapidamente atribuída a um grupo com interesses claros em manter o planeta protegido.

Do outro lado, Mon-El é divertidíssimo. A segunda temporada de Supergirl coloca a protagonista em confronto com questões complexas que desafiam sua visão otimista do mundo e testam sua ingenuidade. Mon-El não é maligno ou até mesmo agressivo, mas ele não tem o menor interesse em seguir à risca o estilo de vida que Kara desenvolveu para fazer parte do planeta. Não é porque ela trabalhou na CatCo e usa suas habilidades como heroína que isso vai dar certo para o novo personagem.

Como já é de se esperar, o episódio não se aprofunda o suficiente para firmar qualquer argumento sobre as metáforas que explora, mas não perde o divertimento. Ver Kara brincar de Uma Babá Quase Perfeita em um baile de gala (que inevitavelmente vai ser invadido por bandidos, afinal ainda é o Arrowverso) garante boas risadas e é bom fugir da receita com um Mon-El que parece mais interessado em se divertir do que rapidamente entrar para o crescente grupo de heróis e vigilantes do Arrowverso.

arrowverso-header-arrow-temporada-5

Arrow – T05E06 – “So It Begins”

Em Arrow, Prometheus faz sua estreia como antagonista principal da série. Ele usa shurikens para cometer assassinatos associados à antiga lista que Oliver usou na primeira temporada. Diferente dos episódios anteriores que deram atenção ao conflito de diferenças entre o Cão Selvagem e o Arqueiro Verde, a trama da vez traz Artemis para o destaque.

Os heróis do novo Team Arrow descobrem que Oliver esteve por trás dos três vigilantes de Star City. O sanguinário Capuz, o Arqueiro e o Arqueiro Verde (ainda é um pouco estranho, mas de fato, poucos personagens sabem disso). Artemis argumenta que seu novo mentor é um pouco hipócrita. Como ele pode ser tão crítico de outros vigilantes matarem quando ele essencialmente foi um “serial killer” no começo de sua missão?

Criar um novo antagonista que tem vínculos com o passado de Oliver é uma boa aposta. Assim como Slade, Prometheus escancara o passado questionável do maior protetor de Star City e cria conflitos com o novo time que podem ser difíceis de remediar. Arrow funciona melhor assim, com desafios que causam impacto emocional, e não com vilões que prometem destruir o mundo e drama forçado.

Os flashbacks com Oliver na máfia russa ainda não se amarraram na trama do presente, mas está entre os melhores. Sempre foi um artifício que pesava na série introduzindo uma trama secundária que raramente agregava, mas usar para traçar um paralelo entre o Oliver mais heroico dos dias de hoje e seu passado sanguinário funciona muito bem. E ei, colocar Dolph Lundgren para interpretar Konstantin Kovar ficou irado.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Críticas

Ver também