[CRÍTICA] Boa noite, Mamãe: uma tentativa de terror e tensão

Terror austríaco tenta, tenta com vontade, mas repete fórmula já usada e se resume a… Tédio Boa noite, Mamãe é um terror austríaco que saiu nos cinemas ano passado,...

Terror austríaco tenta, tenta com vontade,
mas repete fórmula já usada e se resume a… Tédio

boa-noite-mamãe-03Boa noite, Mamãe é um terror austríaco que saiu nos cinemas ano passado, mas chega agora ao Brasil. E prometia, pelo trailer. Irmãos gêmeos que estranham a mãe, uma apresentadora de televisão que passou por uma cirurgia plástica e muda o comportamento com as crianças, fazendo-as acreditar que a mamãe não é a mamãe…

Em uma casa isolada, a mãe dorme para se recuperar da operação e os meninos brincam pelos arredores. E o espectador quase dorme de tédio, junto com a pretensa impostora. A tentativa de terror psicológico cai no clichê do suspense, com uma fórmula já usada pelo terror tailandês – e refilmado por Hollywood – tornando o filme uma completa imersão paranoica e sem graça. Sem dúvidas, o clima proposto pelo trailer foi bem mais impactante.

Antes do segundo ato é possível compreender todo o mistério, o que dá vontade de pular algumas partes para um final doloroso, tanto para a mamãe quanto para quem assiste. A sensação final é de alívio pelo fim da tortura de mais de uma hora e meia de filme. Entre a pergunta: onde está nossa mãe, Super Bonder e planos estranhos para dominar o mundo, Boa noite, Mamãe não consegue alcançar o status terror. A menos que alguns títulos tailandeses nunca chegaram à Áustria – e nem na sua casa – pode surpreender bastante.

A linda fotografia tenta segurar a qualidade da produção de Veronika e Severin Fiala, que assinam a direção. Os takes longos, a quase total ausência de trilha sonora ou sonoplastia, a ênfase nos garotos e a interpretação tensa de Lukas e Elias Schwarz, ora ingênuos, ora assustadores e Susanne Wuest como a mamãe do título, não tem o que falar: eles mandam bem. O problema maior é o ritmo lento e que demora a entregar, de propósito, algum dado relevante. Mesmo com algumas premiações, Boa noite, Mamãe, não é exatamente o perfil de terror que nós, brasileiros, estamos acostumados a encontrar. O suspense carrega um ritmo quase francês, o que cansa mais por adivinharmos tão cedo se a mãe é a mãe mesmo, além de outras coisinhas já vistas antes.

Obs: Se você já viu O Mistério das Duas Irmãs (2009) ou o original A Tale of Two Sisters (2003), vai manjar de cara todo o enredo.

Comente via Facebook!
Categorias
Criticas

Ver também