[CRÍTICA – CCXP 2015] Arrow – T04E01 – Green Arrow

No estande da Warner Bros. na Comic Con Experience 2015, tivemos a oportunidade de assistir o primeiro episódio da nova temporada de Arrow, ainda sem previsão de lançamento oficial no...

No estande da Warner Bros. na Comic Con Experience 2015, tivemos a oportunidade de assistir o primeiro episódio da nova temporada de Arrow, ainda sem previsão de lançamento oficial no Brasil.

Em Arrow, finalmente ganhamos um “Verde” em “Arqueiro Verde”

Depois de The Flash, Legends of Tomorrow e Supergirl é fascinante analisar como a primeira temporada de Arrow começou. Uma clara tentativa de incorporar a trilogia do Cavaleiro das Trevas de Christopher Nolan para a televisão. O mundo de Oliver Queen em Starling City fazia o máximo para se afastar dos elementos mais fantasiosos e absurdos dos quadrinhos, até mesmo fugindo do nome original da cidade do herói. Após uma série irmã cheia de meta-humanos, viagem no tempo e até mesmo uma série “prima” que introduziu alienígenas, claramente havia chegado a hora de ignorar as tentativas de comentários sociais gritantes e os relacionamentos de novela que surgiram com o nascimento de Arrow.

A quarta temporada começa como uma espécie de reboot. Uma tentativa de reintroduzir Oliver em um mundo mais fantástico e que reflete melhor sua identidade super-heroica nos quadrinhos. Aposentado da vida de bater em bandidos que falharam sua cidade, ele agora vive com Felicity em Ivy Town (a cidade do Eléktron nas HQs) e passa seu tempo trocando receitas com as vizinhas e cuidando da casa. Felicity continua trabalhando como CEO da PalmerTech e secretamente ajuda o Time Arrow em sua luta contra o crime na recém rebatizada Star City, que está completamente abandonada depois de sucessivos ataques de super vilões. A equipe tenta o seu melhor mesmo com a ausência de seu líder. Thea assume a nova identidade de Speedy (Ricardita…) e Diggle ganha uma nova fantasia, que remete ao Predador (Gangbuster) da DC Comics, após os eventos da temporada anterior, ele ainda não confia em Oliver plenamente.

O super herói que abandonou sua vida de vigilante e retorna quando redescobre sua motivação já foi usado diversas vezes, o episódio brinca um pouco com o clichê ao revelar que quem realmente sente falta  da vida dupla é Felicity. Thea e Laurel vão atrás de Oliver para pedir sua ajuda sobre um novo vilão em Star City que aparenta ser imbatível. Aqui, não só Felicity revela que tem secretamente ajudado o time, mas que também está louca para voltar para a ação. Oliver promete ajudar neste, e somente neste caso. É claro que não vai terminar assim né? Star City não precisa de um vigilante ensandecido e brutal para resolver seus problemas, e sim, um símbolo de esperança. Deixando de lado o sombrio Arqueiro, Oliver assume a identidade de Arqueiro Verde e somado ao seu olhar mais positivo sobre a vida, cria um alter ego mais semelhante à sua contraparte nos quadrinhos.

O vilão da  vez é Damien Darhk, interpretado por Neal McDonough, que já de cara mostra que tem cacife para competir com o Malcolm Merlyn de John Barrowman e Slade Wilson de Manu Bennet. Um personagem que pula o lance meta-humano para ir direto para magia, Darhk é mais divertido do que o Ras al Ghul apagado de Matt Nable e McDonough o interpreta de forma extremamente excêntrica, tornando o uma ameaça imprevisível.

Infelizmente, ainda não há previsão para o lançamento oficial de Arrow no Brasil.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
CríticasSéries

Ver também