Crônicas de Natal - Kurt Russell

CRÍTICA | Crônicas de Natal - A primeira superprodução natalina da Netflix

Que filme de Natal mais simpático!

Crônicas de Natal traz aquele espírito Sessão da Tarde para a cada vez maior lista de filmes de Natal da Netflix

Leitores frequentes sabem que aqui na Freakpop, nós (99% a Tatá Snow) adoramos (temos um vício debilitante em) filmes de Natal, especialmente os da Netflix que após o sucesso cult de O Príncipe do Natal, começou a entupir o catálogo com filmes cujo orçamento variam de “episódio do Chaves” até “episódio do Chaves com viagem para Acapulco”. De repente, eis que surge um longa com uma equipe de peso por trás, um elenco reconhecível e uma produção de qualidade, Crônicas de Natal.

Crônicas de Natal

Respondendo a pergunta, “e se o Papai Noel fosse sexy?”, Crônicas de Natal conta a história de dois irmãos Kate (Darby Camp) e Teddy (Judah Lewis) que estão passando por dificuldades. Seu pai bombeiro faleceu e este é o primeiro Natal que a família passa sem ele. Reassistindo fitas de natais passados, Kate vê um braço misterioso em uma  das filmagens e suspeita que seja o do Papai Noel.

Ela e seu irmão bolam um plano para capturar filmagens do bom velhinho em ação para provar sua existência. O plano dá certo, mas acidentalmente acabam derrubando o trenó mágico e espalhando as renas pela cidade de Chicago. O Papai Noel (Kurt Russell) recruta ambos para ajuda-lo a salvar o Natal. Segundo ele, todos os anos onde ele falhou em manter o espírito de natal em alta foram desastrosos na humanidade – culminando em eras como a Idade das Trevas e as Guerras Mundiais.

“Daddy Noel”

Esse Papai Noel é diferente. Detesta que todo mundo imagina que ele seja barrigudo, não gosta de fazer “ho ho ho”, adora cantar rock e pular na chaminé fazendo manobras radicais. Ele conhece todo mundo no planeta por nome e sabe exatamente o que cada um quer ganhar de Natal. A premissa seria um desastre completo se não fosse por Russell, que tem um talento surreal para trazer uma energia e um carisma contagiante para personagens absurdos e exagerados.

De resto, o filme tica com precisão cirúrgica todos os itens que criam um Sessão da Tarde perfeito, é de se esperar, já que Chris Columbus (Esqueceram de Mim, Harry Potter e a Pedra Filosofal) está na produção. Crianças lidando com luto, gangues de bandidos que não existem no mundo real, uma cena cômica que se passa numa cela de cadeia, criaturas fofinhas e outros elementos já consolidados para quem passou incontáveis tardes consumindo esse tipo de entretenimento inofensivo.

Mas vale a pena

Boa parte dos filmes de Natal da Netflix são mais voltados para o público adulto, já que quase todos são romances farofa. Pelo menos Crônicas de Natal é uma aventura para a criançada. O visual é bonito e bem feito, os elfos de natal, os ajudantes de Noel, são super fofinhos e parecem uma mistura de gnomos com gatos. É um filme bastante despretensioso, mas consideravelmente melhor produzido do que as demais opções na plataforma.

Se existe um porém, é o ritmo do longa. Como ninguém acredita que este seja o Papai Noel real existem muitos momentos onde o filme tenta puxar momentos a la “De Ilusão Também se Vive (1947)”, com Noel constantemente provando para as mesmas pessoas através de sua magia que ele é real, e os personagens duvidando. Mesmo assim, pela proposta, são perdoáveis.

O filme tem toda uma pegada retrô que faz o projeto parecer um anacronismo bizarro, como o fato de Kate, em plenos dias de hoje e sendo uma criança, anda por aí filmando tudo com uma câmera de vídeo que usa fita –  num mundo, onde literalmente todo mundo anda com uma câmera de alta resolução no bolso. É como se o longa não aceitasse que este tipo de inocência funcionaria nos dias de hoje e tenta desesperadamente enfiar 1993 em 2018.

Não se fazem mais filmes nesse estilo. Assim, Crônicas de Natal tem seu mérito e é um ótimo filme para apresentar para a garotada uma época mais inocente e menos cínica de filmes infantis.

O longa já está disponível na Netflix.

Até a próxima!


Outros filmes de Natal na Netflix:

Comente via Facebook!
Nota
7.1
Nota
O bom
  • Kurt Russell é sempre um show de assistir.
  • Os elfos vão ser sucesso com a garotada.
O ruim
  • Que raios de criança de 11 anos que sabe mexer com câmera de fita em 2018?
  • Direção
    7
  • Roteiro
    7.5
  • Elenco
    8
  • Enredo
    6
Categorias
CriticasFilmes

Ver também