[CRÍTICA] DC´s Legends of Tomorrow – T01E03 – Blood Ties

DC’s Legends of Tomorrow entrega um episódio sem sal, porém com potencial Apesar de The Flash ter aperfeiçoado a fórmula drama de série teen + mitologia de quadrinhos, DC’s...

DC’s Legends of Tomorrow entrega um episódio sem sal, porém com potencial

Apesar de The Flash ter aperfeiçoado a fórmula drama de série teen + mitologia de quadrinhos, DC’s Legends of Tomorrow ainda sofre um pouco para encontrar o eixo dramático que torna suas séries irmãs tão cativantes. Talvez pelo grande volume de personagens e a velocidade que o número limitado de episódios precisa ter para contar uma história tão complexa, a série perde o elemento humano, fator necessário para tornar a trama atraente para a audiência que não está familiarizada com histórias em quadrinhos.

O time de Rip Hunter se recupera do combate desastroso contra Vandal Savage. Kendra tem estilhaços da adaga mágica gradualmente invadindo seu corpo e o cadáver de Carter foi tomado pelo vilão. Enquanto Rip e Sara tentam se infiltrar em uma sociedade secreta responsável pela proteção dos bens de Savage ao longo das eras, Stein e Ray usam a tecnologia de encolhimento do Eléktron para destruir os estilhaços dentro da Mulher-Gavião antes que estes se provem fatais.

O relacionamento entre Rip Hunter e Vandal Savage é um ponto complicado para Legends of Tomorrow. Sabemos que Hunter está em uma missão de vingança para impedir que Savage destrua sua família, mas não acompanhamos a vida familiar de Rip por tempo suficiente para simpatizar com sua causa, parece besteira, mas falta o componente visual para tornar seu drama mais visceral, não é a toa que constantemente somos lembrados da morte dos pais de Bruce Wayne em qualquer adaptação do personagem. Casper Crump, no papel de Savage, é outro problema, sua atuação é adequada ao roteiro e a forma como o personagem foi concebido como vilão, mas a ideia de um egípcio imortal que passou milênios totalmente dedicado à dominação mundial, sem o mínimo de humanização, fica com cara de vilão de desenho animado dos anos 80.

O potencial do episódio surge dos pequenos momentos, Stein ajudando Ray a recuperar sua confiança e superar seu complexo de inferioridade, um aspecto que marcou o personagem desde seu surgimento no Arrowverso, e apesar do diálogo clichê, Martin Stein entrega-o com uma sinceridade cativante, talvez com mais momentos assim, DC’s Legends of Tomorrow alcance o nível de The Flash. Leonard Snart e Sara Lance continuam como os personagens com maior potencial. Snart foge da Waverider e tenta roubar a esmeralda que levaria seu pai para a prisão antes dele, em uma tentativa de criar um futuro melhor para ele e sua irmã. Wentworth Miller emociona em seu discurso para sua versão mais jovem implorando-o para que ele não deixe ninguém machuca-lo, um bandido que flerta com a redenção é sempre interessante. E Caity Lotz tem uma presença física que sustenta muito bem sua fúria assassina, herança de sua ressurreição no Poço de Lazáro.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Críticas

Ver também