Um presente para os fãs da série, confira nossa crítica de Downton Abbey: O Filme, a continuação da premiada série britânica de Jullian Fellowes.

CRÍTICA | Downton Abbey: O Filme, você é o convidado para esta história cativante

Um presente para os fãs da série, confira nossa crítica de Downton Abbey: O Filme, a continuação da premiada série britânica de Jullian Fellowes....

Downton Abbey: O Filme é um presente para os fãs da série e um excelente convite para novos fãs

Muito se fala de adaptar uma série para um filme no cinema da maneira que atraia tanto fãs do programa de TV como um novo público para apreciar a ideia original. Nem sempre isso acontece especialmente com séries que foram feitas para ficar na telinha por conta de sua própria produção. Existem, é claro, exemplos como Jornada nas Estrelas e Sex and The City, que utilizaram os próprios atores originais, mas que não conseguiram atrair nada além dos devotados fãs.

Essa talvez tenha sido a preocupação de Julian Fellowes, criador da premiada série. Fazer um filme que apresentasse seus personagens e uma boa história sem que o público tivesse que conhecer a série antes de ir ao cinema. E ele conseguiu. Curiosamente, o filme é dirigido pelo especialista em séries, Michael Engler, que dirigiu vários episódios de Sex and the City para a HBO.

Downton Abbey

O filme mostra o cotidiano da família Crawley, descendentes da nobreza britânica há séculos, e que irá receber a visita do Rei George e a Rainha Mary, avós da atual Rainha Elizabeth, da corte britânica. E para isso, terão que fazer preparativos muito especiais em Downton Abbey, mansão onde vivem os Crawley, para esse grande evento.

A experiência com o cinema e com a nobreza da Inglaterra do começo do século 20 são dois pontos favoráveis para Fellowes, que conseguiu escrever o roteiro do filme de Downton Abbey, sem criar uma ligação direta com o seriado, o que prejudicaria a visibilidade da produção no cinema. Fellowes ganhou o Oscar de Melhor Roteiro, com o filme de Robert Altman, Assassinato em Gosford Park, que foi a base da criação da série. Ou seja, mostrar as relações entre a Nobreza e seus serviçais, de uma forma mais romântica do que a tradicional realidade.

Se a história como um todo é inteligível do ponto de vista dramático, por que não precisa assistir a série para entender o que se passa na tela, Julian Fellowes brinda os fãs da série com uma ligeira retomada do tema que abriu Downton Abbey, a série: quem irá herdar o castelo e todas as propriedades dos Crawley, segundo a lei britânica? Para quem não sabe, o primeiro herdeiro morreu no naufrágio do Titanic, notícia que abre o primeiro episódio da série.

Fellowes cria um clima dentro da visita da Corte Britânica através da assistente da Rainha, interpretada por Imelda Staunton, de Harry Potter, com sua prima, Violet Crawley, a divertida matriarca da família brilhantemente interpretada por Maggie Smith, a professora McGonagall, também de Harry Potter.

Assim como na série, Dame Maggie Smith tem os melhores diálogos proporcionados pelo talento de Fellowes, amigo pessoal da atriz, que também já ganhou o Oscar por seu trabalho em Primavera para uma Solteirona (1969) e California Suite (1978). O roteirista e produtor também aproveitar para acertar uma situação que ficou não ficou inteiramente resolvida, envolvendo o mordomo Thomas Barrow (Robert James-Collier) e sua sexualidade. Resolve de uma maneira brilhante assim como a revelação sobre Violet.

Novamente, o filme Downton Abbey pode ser visto sem ter assistido a série, conhecido seus personagens, ou até mesmo sua trilha sonora, composta por John Lunn, que harmoniza cada cena com cada personagem. Fellowes cria momentos memoráveis enaltecendo a postura de cada um dos personagens, mesmo quando parecem sair um pouco do seu escopo original.

Não importa fazer uma relação de quem é quem na telona. Eles estiveram na série, mas o que importa é que eles tem algo diferente para mostrar para os novos visitantes de Downton Abbey. Especialmente aqueles que estão entrando pela primeira vez no lar dos Crawleys e descobrindo o quão humano, divertidos e românticos são os moradores dessa pequena abadia no interior da Inglaterra. Um lugar fantástico para se conhecer e quem sabe, passar alguns momentos memoráveis no escurinho do cinema.

Downton Abbey: O Filme estreia nos cinemas brasileiros dia 24 de Outubro de 2019.

Comente via Facebook!
Nota
10
Nota
O bom
  • Visitar a abadia de Downton, fotografada com primor e delicadeza que o filme merece, é um personagem à parte de toda a história
O ruim
  • Não vai ter um segundo filme.
  • Direção
    10
  • Roteiro
    10
  • Elenco
    10
  • Enredo
    10
Categorias
CriticasFilmes

Ver também