[CRÍTICA] Exorcistas do Vaticano – Metade “A Profecia”, metade “O Exorcista” e zero originalidade

Exorcistas do Vaticano é sobre… Exorcistas que trabalham no Vaticano É difícil pensar em um gênero de terror menos inovador que os filmes de exorcismo. Desde sua entrada no...

Exorcistas do Vaticano é sobre… Exorcistas que trabalham no Vaticano

É difícil pensar em um gênero de terror menos inovador que os filmes de exorcismo. Desde sua entrada no rol de filmes icônicos como O Exorcista de 1973, vieram uma enxurrada de longas que se resumem a: garota branca é possuída pelo demônio, padres aparecem, leem a bíblia e aí garota branca não está mais possuída pelo demônio. Exorcistas do Vaticano até flerta com a ideia de trazer algumas ideias novas, mas ainda assim entrega um filme entediante e pouco memorável.

exorcismos-no-vaticano-03

Como sempre, a história começa com Angela (ANGELa! Entendeu? Porque simbolismo e tals!), interpretada por Olivia Dudley, que é sua típica vítima, moça pura, casta e cristã que vira o alvo de possessão do capiroto. Seu pai (Dougray Scott), que aparenta ser um piloto de avião… ou um executivo… tipo, uma cena ele usa uniforme de companhia aérea depois fala que está atrasado para uma teleconferência -nunca fica muito claro – e o namorado de Angela passam pelos momentos obrigatórios de levar ela para hospitais e manicômios até eventualmente precisar chamar… os Exorcistas do Vaticano™ para salvar o dia.

A grande “reviravolta” aqui é que Angela na verdade é o corpo que abrigará e trará à Terra o Anticristo, então um exorcismo convencional não funciona, já que não se trata de uma possessão, mas uma vida que veio a terra como uma versão blasfema da vinda de Cristo. Esta mistura de O Exorcista com A Profecia poderia ser uma abordagem interessante, mas o ritmo pacato e as tentativas de sustos já esperadas pesam demais o potencial da trama.

exorcismos-no-vaticano-05

Até mesmo o diretor Mark Neveldine, conhecido por seu estilo frenético de filmagem com câmeras digitais na série Adrenalina, com Jason Statham, parece sonolento. O ritmo cansado do filme somado à péssima qualidade de produção, dão ao filme um ar de projeto de faculdade. O roteiro preguiçoso, cheio de inconsistências não ajudam muito (vide a vida profissional bizarra do pai da moça). Em paralelo, ao desenvolver da possessão de Angela, os padres no Vaticano (Djimon Hounsou e Peter Andersson) assistem diversas gravações do caso antes de entrarem em ação, com algumas exibições que não fariam sentido dado o tempo em que as coisas acontecem.

exorcismos-no-vaticano-04

A Profecia e O Exorcista se tornaram clássicos do gênero por abordarem a temática com uma direção primorosa e usando elementos do cristianismo para construir sua própria mitologia para dar mais riqueza a estes mundos. Exorcistas do Vaticano prefere comer pelas bordas dos clichês já estabilizados pelo gênero e entregar um filmezinho bem xinfrim.

É melhor Michael Peña e Djimon Hounsou continuarem ali no Projac da Marvel, Olivia Dudley continuar contribuindo para o genial 5 Second Films e Dougray Scott continuar se lamentando que perdeu a chance de ser o Wolverine para o Hugh Jackman.

Exorcistas do Vaticano estreia dia 20 de Agosto no cinema, se você estiver a procura de um longa de terror mais interessante, confira A Forca que já está em cartaz no Brasil.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Criticas

Ver também