Os Exterminadores do Além contra a Loira do Banheiro

CRÍTICA | Exterminadores do Além Contra a Loira do Banheiro

Danilo Gentili, Léo Lins e Murilo Couto são os Exterminadores

Exterminadores do Além Contra a Loira do Banheiro faz homenagem ao cinema trash e de terror

Quem nunca se divertiu com um bom filme trash? Uma premissa bizarra, atuações exageradas, boas doses de sangue falso e alguma ameaça sobrenatural absurda. Foi assim que grandes diretores como Sam Raimi e Peter Jackson começaram a fazer filmes, e essas obras primas de gosto duvidoso já divertiram um monte de gente. Agora chegou a vez do Brasil entrar na farra com os Exterminadores do Além Contra a Loira do Banheiro.

A velha lenda

Quatro amigos de Osasco, Jack (Danilo Gentili), Fred (Léo Lins), Túlio (Murilo Couto) e Caroline (Dani Calabresa) têm um canal no YouTube onde eles exploram locais mal assombrados e encenam sustos para tentar ganhar fama e um eventual programa de televisão. Um dia, são convocados para um colégio onde supostamente alguns alunos conseguiram convocar a famosa Loira do Banheiro (Pietra Quintela). O que começa como uma chance de tirar uns trocados do Diretor Nogueira (Siquêra Jr.) e acalmar alguns pais nervosos, vira uma baderna quando descobrem que a loira não só é real, mas está sedenta por sangue.

Para ajudar os heróis atrapalhados, entra em cena a Professora Helena (Barbara Bruno) e Daniel (Matheus Ueta) – um aluno do colégio que adora deixar comentários escrotinhos nos vídeos dos Exterminadores.

Terror + Comédia

Pelo elenco já dá para ver que não é um filme que tem a menor pretensão de se levar a sério. Baseado numa ideia do próprio Gentili, o comediante novamente se junta ao diretor Fabrício Bittar para homenagear mais um capítulo da vida da molecada brasileira no colégio.

Assim como a colaboração anterior de ambos, Exterminadores do Além Contra a Loira do Banheiro tenta equilibrar pesadas sujas, anarquia escolar e homenagear um gênero cinematográfico querido pela equipe – e o resultado funciona. É um filme mais confiante que Pior Aluno, onde seus criadores já se mostram mais confortáveis em explorar temáticas e estilos que não são muito de praxe no cinema nacional.

E assim como outros experimentos recentes como Motorrad e O Doutrinador, é bacana ver uma geração nova de diretores e roteiristas introduzindo filmes de gênero no circuito. Tipo, a gente sabe que é muito importante fazer todos aqueles filmes sobre a ditadura e desigualdade no nordeste, também sabemos que o filme da Sônia Braga sobre o prédio em Recife é “super importante para os dias de hoje™”, mas as vezes achamos que nossos cineastas nacionais esquecem do “as vezes um charuto é só um charuto” e simplesmente fazem um filme para divertir sem alegorias ou comentários.

Mas…

Nem tudo é perfeito, não é mesmo? Os Exterminadores do Além sofre de alguns problemas de estrutura no roteiro. A trama se arrasta um pouco e o filme fica um pouco repetitivo. Os personagens sofrem um pouco de síndrome de Scooby-Doo e constantemente precisam se separar, algumas cenas parecem semelhantes demais com cenas anteriores e a premissa simples aguenta segurar tanto material.

Os constantes meta-comentários onde os personagens zoam seus próprios atores é divertido, mas um pouco exagerado. Antonio Tabet e Marcela Tavares interpretam dois professores cujas cenas se resumem em cortar a ação do filme para comentar sobre clichês de filmes de terror e a incompetência dos protagonistas. Entre Matheus Ueta e uma personagem Professora Helena, você acharia que a referência a Carrossel, já estava implícita, mas naturalmente, o diálogo precisa fazer menção a isso.

Mesmo assim, dos males o menor. Ainda tem muito para divertir no filme, especialmente com participações especiais como a do Ratinho e Siquêra Jr.. É o tipo de longa perfeito para desligar a cabeça.

Exterminadores do Além contra a Loira do Banheiro estreia nos cinemas brasileiros dia 29 de novembro.

Até a próxima!


Confira as nossas entrevistas com o elenco:

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Nota
8.3
Nota
O bom
  • Bela mistura de terror com comédia.
  • Murilo Couto é um dos destaques do elenco.
O ruim
  • Roteiro um pouco arrastado.
  • Direção
    9
  • Roteiro
    7
  • Elenco
    9
  • Enredo
    8
Categorias
CriticasFilmes

Ver também