[CRÍTICA] Game of Thrones – T06E05 – “The Door”

Game of Thrones oferece a primeira surpresa genuína para leitores e não-leitores. Na sua sexta temporada, Game of Thrones oferece algo sem precedentes em sua consideravelmente longa existência: revelou...

Game of Thrones oferece a primeira surpresa
genuína para leitores e não-leitores.

Na sua sexta temporada, Game of Thrones oferece algo sem precedentes em sua consideravelmente longa existência: revelou informações completamente desconhecidas para até mesmo seus leitores mais obcecados por teorias e especulações. Um momento precioso onde todos os telespectadores puderam ser igualmente surpreendidos pela trama.

Hora de analisar obsessivamente…

No Castelo Negro…

Sansa se encontra com Petyr Baelish próximo ao Castelo Negro. Ele trouxe os Cavaleiros do Vale para ajudar na retomada de Winterfell. A jovem Stark recusa sua ajuda e ainda questiona se o Mindinho sabia da capacidade para crueldade de Ramsay Bolton. A troca de farpas é ligeira e serve para trazer à tona uma informação crucial: Brynden Tully, o Peixe Negro, tio de Catelyn Stark e um guerreiro bem disposto a dar dor de cabeça para inimigos dos verdadeiros protetores do Norte.

Ela revela para Jon Snow sobre a sobrevivência de seu tio-avô, mas não revela a fonte da informação. Ela pode não ter a experiência em guerra, mas com certeza aprendeu muito sobre manobras políticas necessárias. É interessante ver como o figurino da personagem mudou ao longo das temporadas. Observamos agora que ela aderiu a vestimentas semelhantes à seus pais, parecido com a armadura de couro que Snow usa, que remete à armadura que Ned Stark usou durante a batalha na Torre da Alegria.

Em Meereen…

Tyrion e Varys recepcionam Kinvara, uma alta sacerdotisa e uma das líderes da religião de R’hllor, o Senhor da Luz. As negociações do anão de Lannister foram bem sucedidas para pacificar os conflitos internos da cidade, mas é importante que estes atos sejam vinculados à Daenerys. Para isso, pedem ajuda a esta nova Mulher Vermelha que seus asseclas espalhem pelo continente os feitos da Mãe dos Dragões.

Game of Thrones aborda a religião do Senhor da Luz com mais ceticismo do que nos livros, com menos feitos mágicos e proféticos realizados. Nos livros, o alto sacerdote de Volantis, um homem chamado Benerro, apoia a ideia que Dany é a verdadeira Azor Ahai. Suas visões no fogo apontam que ela corre perigo e envia Moqorro, um enigmático padre de R’hllor cujas profecias vislumbram eventos que envolvem Tyrion e Daenerys. Ao longo de sua jornada, ele demonstra imensos poderes, semelhantes aos de Toros de Myr quando ele ressuscita Beric Dondarrion e posteriormente, Catelyn Stark.

Kinvara, até o momento, não aparece nas Crônicas de Gelo e Fogo e provavelmente seu papel substitui Benerro e Moqorro. Vale notar também que, apesar dela também acreditar que Daenerys carrega em seu cerne a profecia, sua disposição a apoia-la aparenta ser mais política do que religiosa.

Enquanto isso, a jovem Targaryen descobre que Jorah Mormont sofre de escamagris e o ordena a encontrar uma cura antes de retornar ao seu lado para a conquista de Westeros. Dito isso, marcha com seu gigantesco Kahlasar rumo a Mereen.

Nas Ilhas de Ferro…

Começa a Assembleia de Homens Livres para decidir quem será o novo Rei das Ilhas de Ferro. Theon apoia sua irmã Yara e até consegue convencer os preconceituosos piratas de que uma mulher reinando não seria o fim do mundo.

Até aparecer Euron Greyjoy, tio dos dois. Ele confessa que é responsável pela morte de Balon e que velejou o mundo todo. Sua missão agora é construir uma gigantesca frota naval, levar todo mundo para Essos, casar com Daenerys e voltar para Westeros com as forças unidas.

Como já é de se esperar, um personagem tão excêntrico quanto Euron foi consideravelmente podado para sua adaptação em Game of Thrones. Nenhuma menção é feita ao Silêncio, seu navio tripulado inteiramente por mudos ou sua coleção de artefatos mágicos saqueados das ruínas de Valiria. É uma pena, pois o fato dele possuir um gigantesco chifre que controla dragões criou algumas teorias sobre o futuro da guerra bastante interessantes.

Também, ao contrário dos livros, seu irmão Victarion não existe. Portanto, Euron irá diretamente ao encontro de sua futura “esposa”. Theon e Yara fogem das Ilhas de Ferro, outro evento ausente da cronologia conhecida. Será que eles também rumam para Winterfell?

Em Braavos…

Após seu extenso treinamento, Arya recebe uma missão: eliminar uma atriz de um teatro local. Ela se dirige ao espetáculo para descobrir a melhor forma de assassinar seu alvo e testemunha uma peça satirizando os eventos que levaram à morte de seu pai. Ao contrário dos eventos reais, Ned Stark é apresentado como um caipira provinciano ganancioso que quer usurpar o trono do verdadeiro herdeiro: Joffrey. Cersei Lannister e seu filho são mostrados como pessoas boas enquanto os Starks são interesseiros que conspiram com Tyrion Lannister. Um desafio intencional para confirmar se Arya Stark realmente está preparada para deixar de lado sua identidade.

No Norte…

E aqui temos o trecho do episódio mais revelador e com algumas informações que nenhuma teoria já elaborada abordou. Bran novamente contempla eventos passados com o Corvo de Sangue. Em tempos longínquos, o local onde eles estão no gélido norte era uma planície verdejante. Aqui, ele testemunha um estranho ritual onde as Crianças de Floresta transformam um homem no Rei da Noite, o primeiro dos White Walkers. Leaf revela que, originalmente, estas criaturas foram criadas como armas em sua guerra contra os Homens.

Os Primeiros Homens, após chegarem em Westeros, atingiram uma relativamente calma aliança com as Crianças da Floresta. Eles habitavam as cidades enquanto as crianças residiam nas florestas. Quando os Ândalos invadiram o continente, movidos pelo fanatismo imposto pela Religião dos Sete, o confronto entre eles resultou no extermínio das Crianças e uma redução considerável na crença dos Deuses Antigos, a crença simbolizada pelos rostos nos Represeiros.

Esta revelação inusitada muda muito o teor da ameaça que as forças invernais representam para o resto de Westeros, já sabíamos que os invernos que duram gerações provavelmente eram sustentados pela magia, mas não sabíamos que este terror é essencialmente uma arma que fugiu de controle. O que isso representa para as diferentes figuras proféticas especuladas? Stannis Baratheon, Jon Snow, Daenerys Targaryen, Rhaegar Targaryen etc? Existe mesmo um destino místico que colocará um herói frente a esta ameaça? Mesmo esta não sendo uma força “divina”? Pelo menos reforça a visão de George RR Martin para seu mundo onde não existe mal e bem absoluto e até mesmo o temeroso Rei da Noite já foi uma vítima.

Bran Stark, incomodado com a vagarosidade do progresso de seu treinamento, visita outra visão na calada da noite. Ele volta para o mesmo local de sua visão anterior, porém, agora inteiramente tomado pelo inverno. Ao redor da árvore os White Walkers reúnem seu gigantesco exército de mortos vivos. O Rei da Noite enxerga Bran e consegue toca-lo, deixando sua gélida marca em seu braço. Infelizmente, isto é o suficiente para eliminar a magia protetora do local e os mortos começam a invadir. Enquanto as Crianças da Floresta e Meera Reed lutam contra a invasão, O Corvo novamente arrasta Bran para uma visão.

Desta vez, estão de volta em Winterfell no fatídico dia que Ned Stark seria enviado para o Vale de Arryn e ser tutelado por Jon Arryn junto com Robert Baratheon. Simultaneamente, as habilidades de warg de Bran são usadas para controlar Hodor e fugir da caverna. Na saída, Meera desesperadamente começa a gritar para o gigante segurar a porta (“hold the door”, em inglês) e seus gritos invadem a visão do passado. Os gritos constantes e a mistura dos poderes de Brandon Stark fazem a mensagem voltar no tempo, invadindo a consciência do pobre Willis que começa a gritar HOLD THE DOOR, HOLD THE DOOR, HOLD THE DOOR até que exausto conclui com… Holdor. E assim, o simplório serviçal dos Starks carregou ao longo das décadas na ponta de sua língua sua missão final, que salvaria seu senhor, mas traria seu final trágico.

Entre o Rei da Noite e Holdor, agora sabemos que as visões verdes conseguem interferir em eventos passados e manipular situações. Um precedente perigoso pois agora nosso precioso universo medieval corre o risco de sofrer um ataque a la J.J. Abrams com todos os problemas sendo resolvidos pela famigerada viagem no tempo. Pelo menos, temos um entendimento melhor de como Bran, com suas limitações físicas, voltará ao enredo central da trama.

Será que sobrevive a travessia pelo gélido norte sem seu precioso lobo e somente com Meera para ajuda-low? Talvez eles recebam ajuda de um certo indivíduo misterioso com Mãos Frias.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Sem categoria

Ver também