Confira nossa crítica do episódio final de Game of Thrones. O megasucesso da HBO chega ao fim, com um episódio morno e sem grandes surpresas. Com spoilers.

CRÍTICA | Game of Thrones - T08E06 - "The Iron Throne" - quem venceu?

Confira nossa crítica do episódio final de Game of Thrones. O megasucesso da HBO chega ao fim, com um episódio morno e sem grandes surpresas. Com spoilers....

Game of Thrones chega ao fim

Quem diria que após oito anos teríamos sobrevivido ao inverno, à Guerra dos Tronos, à Guerra Dos Cinco Reis, à Guerra contra o Rei da Noite, entre outros diversos eventos. Acompanhamos Daenerys de tímida garota e moeda de troca de seu irmão ambicioso para liberadora de escravos e mãe de dragões, para tirana insana. Vimos personagens morrerem no Casamento Vermelho, no Casamento Roxo, na Batalha da Água Negra. E tudo isso acabou, pois Game of Thrones chegou em seu episódio final.

Episódio final de Game of Thrones

Imediatamente após a destruição de Porto Real, Tyrion, Jon e Arya entram com cautela na cidade. Tyrion segue sozinho para a Fortaleza Vermelha, Jon e seus soldados testemunham Verme Cinzento executando prisioneiros de guerra na rua. Arya se aproxima de onde Daenerys está para observar.

Tyrion encontra os corpos de seus irmãos nos escombros e confronta Daenerys. Ele desiste de ser Mão da Rainha e pela sua traição ao libertar Jaime, é aprisionado para aguardar execução. Jon Snow conversa com Tyrion em seu aprisionamento e o Anão mais uma vez implora para que Snow faça a coisa certa.

A profecia da Casa dos Imortais

Muito tempo atrás em Qarth, Daenerys visitou a Casa dos Imortais. Este secto de bruxos haviam sequestrado seus dragões. Lá dentro, ela tem diversas visões. Entre elas, a de caminhar pela sala do Trono de Ferro coberta de neve. De fato, a profecia se cumpriu, mas não era neve, e sim as cinzas da destruição de Porto Real que ela causou.

Jon vai atrás dela e a confronta sobre a morte de milhares de inocentes. Vendo que sua amada está tomada pela loucura, declara seu amor e a esfaqueia com sua adaga. Drogon aparece e vê o corpo de sua mãe estendido no chão. O dragão entoa um lamento, derrete o trono de ferro com suas chamas e leva embora o corpo de Daenerys.

Algum tempo depois

Passado algum tempo, os Lordes mais poderosos de Westeros se reúnem para determinar quem será o próximo rei. Sam Tarly propõe um sistema onde todos votem no novo líder, mas é rapidamente rejeitado. Edmure Tully, irmão de Catelyn Stark, se oferece como rei, mas Sansa corta seu discurso e o manda sentar novamente.

Entra Tyrion, que ainda corre risco de ser executado por Verme Cinzento, que propõe que o novo Rei seja Bran, o Quebrado. Seu argumento é que nada é melhor que uma boa história. E são poucas as histórias melhores que a do garoto que não podia mais andar, então decidiu aprender a voar. Que foi ao norte para se tornar o Corvo de Três Olhos. Bran é a memória viva de Westeros e o melhor candidato ao trono. E o fato dele não poder ter filhos é ainda melhor, afinal filhos de reis costumam ser cruéis.

Bran não demonstra surpresa e apenas reafirma que só estava esperando as peças se encaixarem.

O destino dos Starks

Sansa mantém o Norte como um reino separado e se torna Rainha do Norte. Arya decide explorar o mundo ao oeste de Westeros num navio. Jon Snow é poupado de uma execução, mas é obrigado a regressar ao Norte para fazer parte da Patrulha da Noite.

Tyrion paga sua “pena” se tornando o novo Mão do Rei. Bronn vira Lorde de Jardim de Cima e Mestre da Moeda. Davos se torna Mestre dos Navios e começa a trabalhar para restabelecer as frotas marítimas e portos do reino. Samwell vira Grande Meistre e ajuda a escrever um livro chamado “As Crônicas de Gelo e Fogo” que relatam as últimas décadas de confronto em Westeros. Tyrion fica incomodado que no livro inteiro, ele não é mencionado.

Brienne de Tarth se torna a nova Lorde Comandante da Guarda Real e complementa a página de Jaime com seus atos em batalha. Podrick também se torna um membro da Guarda.

O final

O episódio final de Game of Thrones conclui com Sansa sendo coroada Rainha do Norte, Arya embarcando em sua aventura e Jon chegando na Muralha e liderando uma expedição de selvagens rumo ao norte desconhecido, cercado das únicas pessoas que ele teve um bom relacionamento.

Assim como no primeiro episódio, Ned Stark encontrou um lobo canus dirus morto com um chifre de veado no pescoço, representando um agouro de eventos que estavam por vir. O nome dos lobos de cada um de seus filhos representou seu destino final. A loba de Sansa era Lady, e assim ela se tornou senhora de Winterfell e rainha do Norte. De Bran era Summer, e assim como o calor que afasta o inverno, ele se tornou uma nova voz para liderar o reino. Nymeria foi uma rainha navegante e grande exploradora, e assim foi o nome da loba de Arya Stark. E no fim, assim como Ghost, Jon vai ao norte, onde sua história será esquecida aos poucos, como um fantasma. Ninguém entre no reino lembrará por muito tempo a história do Targaryen legítimo, que reuniu as forças para derrotar o Rei da Noite, que matou uma rainha e que salvou os selvagens do gélido norte de um destino fatal.

O fim de Game of Thrones

Apesar do desfecho, o episódio foi frio. O roteiro mais preocupado em encaixar cada personagem na trama do que trazer um final emocionante. Como muitos momentos nesta temporada, personagens trocam de personalidade sem dar tempo para a trama respirar. Drogon demonstrar uma inteligência acima de média, destruindo o Trono de Ferro e levando sua mãe para as ruínas de Valíria. De fato o dragão possuía emoções complexas, mas um momento tão curto e no final teve o impacto necessário?

Da mesma forma que o Corvo de Três Olhos foi muito pouco trabalhado na narrativa da série e não pareceu ter tanta importância além de revelar pedaços de mitologia do passado de Westeros, o roteiro teve preparo suficiente para colocar Bran em uma posição de tamanha importância no desfecho da série?

De qualquer forma, ficam apenas indagações sobre uma temporada cujo maior problema foi uma quantidade muito pequena de episódios para tanto a ser contado. Não seria completamente justo afirmar que a temporada final de Game of Thrones foi tão ruim quanto alguns círculos de fãs afirmam, mas é importante destacar que sim, tiveram muitos problemas.

A falta do suporte dos livros já havia deixado a narrativa sem subjetividade há algum tempo. Personagens se comportavam de forma artificial e faltavam pequenos momentos de interação para conectar entre as grandes cenas de revelação. Muitos protagonistas deixaram de ter agência própria e apenas se comportavam de forma a adiantar a trama.

Foi um fracasso? De forma alguma. Se existe algo que a temporada final de Game of Thrones possa ensinar futuros projetos, como os spinoffs em desenvolvimento na HBO, é que, além do espetáculo visual e da complexidade política, o que movimenta e fascina este universo são os personagens bem elaborados, sua profundidade emocional e a riqueza de suas personalidades, algo que não deve ser deixado de lado.

Até a próxima!

P.S.: É estranho, após tantos anos cobrindo Game of Thrones neste site ter que conciliar que essa série chegou ao fim. Quem sabe não voltamos a nos falar quando os spinoffs irem ao ar? Por enquanto, vou tentar encontrar alguma outra coisa que dê para cobrir com estes textos longos e macarrônicos aqui na Freakpop.

Comente via Facebook!
Nota
7.3
Nota
O bom
  • Apesar de algumas reviravoltas estranhas, o final de cada personagem fez sentido.
  • Direção
    7
  • Roteiro
    6
  • Enredo
    8
  • Elenco
    8
Categorias
CríticasSéries

Ver também