Categorias: CríticasSéries

CRÍTICA | Feliz! - Temporada 01

Veja aqui nossa crítica de Happy! - Temporada 1. Happy! na Netflix é uma das melhores séries já feitas, e provavelmente é a melhor série do ano. Veja aqui na Freakpop porque Feliz! - Temporada 1 na Netflix merece toda a sua atenção. Crítica sem spoilers da primeira temporada de Happy!

Happy! (ou Feliz!) é simplesmente sensacional

Pergunta rápida. O que acontece quando você pega um gibi escrito pelo rei dos problemas mentais não resolvidos, Grant Morrison e  adapta para a televisão sob a cuidadosa (leia-se, absolutamente frenética) visão de Brian Taylor, o diretor por trás de Adrenalina e Adrenalina 2: Alta Voltagem? Happy! É isso que acontece.

Happy! – Temporada 1 / Feliz! – Temporada 1

Nick Sax (Christopher Meloni) é um ex-policial que abandonou a organização e sua esposa para viver como assassino de aluguel. Alcoólatra, drogado e completamente ultra-violento, ele passa seus dias cumprindo tarefas para diferentes facções criminosas de Nova York.

Uma bela noite, ele assassina quatro capos da máfia, mas antes, cai em seu colo uma misteriosa senha. Esta senha é perigosíssima e dará ao chefe do crime, Blue (Ritchie Coster) controle absoluto do submundo criminoso da cidade. Isto torna Nick o alvo de praticamente todos os criminosos que querem ajudar ou impedir que isso aconteça.

Para complicar ainda mais, o cara começa a ver um pequeno cavalinho alado azul chamado Happy! (ou Feliz! – dublado por Patton Oswalt) que implora por sua ajuda para resgatar uma garotinha que foi raptada. Aos poucos Nick começa a acreditar e ambos formam a melhor dupla policial de todos os tempos. Para salvar a pequena Hailey (Bryce Lorenzo) vão enfrentar facções criminosas, rainhas de reality show, macumba italiana, mafiosos ressuscitados por demônios, um papai noel serial killer e a orgia furry mais assustadora de todos os tempos.

É a melhor série do ano

Não tem nada parecido com Happy! em termos de séries na atualidade. Talvez Preacher se aproxima, mas esta sofre de um ritmo arrastado que não consegue competir com a mistura de psicopatia e mescalina que Feliz! traz. Leitores de quadrinhos já estão acostumados com o nível de bizarrice de uma história em quadrinhos de Grant Morrison, o que impressiona aqui é a disposição que os criadores da série tiveram em trazer estes elementos mais esquisitos para as telas. A premissa e a trama com certeza vão deixar muita gente incomodada, mas deixou um certo crítico que cresceu lendo Vertigo e Heavy Metal com um sorriso de orelha a orelha.

Um cavalinho simpático

O contraste entre a imundice da realidade de Sax e a personalidade açucarada de Happy! são o elemento central da trama. Como toda boa trama policial, o impacto emocional vem do contraste entre os parceiros. Ao longo da trama, Happy! vai aprender a ser menos ingênuo e Nick vai aprender a ser menos escroto. Naturalmente com resultados hilários e totalmente imprevisíveis.

Meloni está impecável no papel de Sax. Uma criatura patética, nojenta e completamente demente que retém, talvez, uma microscópica fagulha de decência que ele mantém enterrado com quantidades copiosas de álcool e drogas. Seus únicos talentos são violência e destruição. Imagine o Marv de Sin City. Agora imagine o Marv de Sin City acompanhado de um mascote de princesa Disney que adora cantar músicas a la Teletubbies.

Ação, ação e ação

Sabe aquelas séries que prometem bastante ação, mas geralmente terminam com um falatório inacabável? Não é o caso de Feliz!. Todos os episódios contam com tiro, porrada e bomba. Uma cena mais visceral que a última. E cada gota de suco de humanos graciosamente pintam os cenários. É a carnificina mais divertida que já fizeram.

A direção de Taylor, que assina grande parte dos episódios de Happy! – Temporada 1, traz aquela linguagem energética de seus filmes e não deixa a história descansar ou ficar chata. Ele faz bom uso de ângulos inusitados (alternando entre o ponto de vista de Happy! e de Sax) e de ambientes coloridos para dar aquele ar de ilustração de gibi em todas as cenas.

O Veredito

Sujo, hilário, deliciosamente profano e completamente imprevisível. São raras as séries que conseguem reunir as mesmas qualidade de Happy! O elenco está afiadíssimo, a direção é como nada já feito na televisão e a premissa… bom, quem já conhece um pouco de Morrison, sabe o que esperar.

Happy! – Temporada 1 está disponível na Netflix na íntegra.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Posts Recentes

Novas Espécies – A Expedição do Século estreia no cinema

Documentário acompanha a viagem de um grupo de cientistas a um ponto isolado da Amazônia brasileira. As câmeras estão por…

2 meses atrás

CCXP 2019 | SONIC invade o estande da Paramount

SONIC invade a CCXP 2019 com estande interativo Após a polêmica envolvendo o primeiro trailer da primeira adaptação para o…

2 meses atrás

Amazon Prime Video estreia nova série Alem da Imaginação

A nova Além da Imaginação na Amazon “Paulo Gustavo era um jornalista especializado em escrever sobre séries de TV. Ele…

2 meses atrás

EMMY Internacional 2019 - Porta dos Fundos brilha!

Porta dos fundos Leva o EMMY Internacional Por mais que a torcida fosse grande, Marjorie Estiano, indicada na categoria de…

2 meses atrás

CRÍTICA | Frozen 2 é melhor do que o primeiro?

A animação mais rentável (e congelante) da Disney ganhou uma continuação e nós já conferimos ela! Em Frozen 2, três…

2 meses atrás

CRÍTICA | Uma Segunda Chance para Amar – Carisma natalino com toda a força

Trocando os dragões por renas, Emilia Clarke estreia comédia romântica no maior espírito natalino. Fugindo do drama e da sobriedade…

2 meses atrás