[CRÍTICA] Horas de Desespero – Você jogaria sua filha do alto de um prédio?

Owen Wilson protagoniza seu primeiro filme de ação: Horas de Desespero O que você faria se tivesse que salvar sua família em um país estranho, cujo idioma você não...

Owen Wilson protagoniza seu primeiro filme de ação:
Horas de Desespero

horas-de-desespero-critica-filme-2O que você faria se tivesse que salvar sua família em um país estranho, cujo idioma você não domina? (tic, tac, tic, tic, tac…..) Ligava para o Liam Neeson, ÓBVIO! Piadas a parte, o novo longa do americano Owen Wilson tem uma premissa até então não explorada pelo ator que só sabe fazer um tipo de interpretação: ser ele mesmo. Tendo em mente sua reputação nas telonas, o que poderíamos esperar de um filme de ação com ele? Algumas Horas de Desespero no cinema. O longa é quase intragável. 

Em um país não nomeado e localizado no Leste Asiático, Dwyer (Wilson) se muda com sua família para trabalhar em uma empresa de engenharia de água. DO NADA, um Golpe de Estado é iniciado e este grupo da oposição mata qualquer humano pela frente, sem piedade e sem coerência. De forma pincelada, os americanos são os primeiros alvos, mas logo o roteiro se perde. A partir daí, meu amigo, é tiro, porrada e facada. São quase duas horas de cenas de ação – único mérito do filme, pois o ritmo é realmente bom – de um enredo sem estrutura, com uma história confusa e uma família fictícia que é impossível se importar. 

A frenética corrida para escapar dos terroristas mais parece um episódio de The Walking Dead do que um filme de ação. Sem explicar o básico da trama, Horas de Desespero é um filme vago em uma tentativa falha de tentar retratar uma crítica sociopolítica. O longa tenta se posicionar como uma proposta séria, mas erra ao não dar “nome aos bois” e resulta em um filme preconceituoso e sensacionalista. Fora que os elementos humano e de luta pela sobrevivência são forçado e levam à audiência o horror por meio de cenas como: Owel Wilson jogando uma criança do alto de um telhado. Um verdadeiro soco no estômago de mal gosto entre dezenas de cenas de ação gratuitas que forçam o espectador a sentir agonia. 

Para ajudar, Pierce Brosnan interpreta Hammond, um aventureiro que, obviamente, tem um segredo e tenta ajudar a família a escapar do país ao lado de um nativo que é contra o Golpe de Estado. WTF? Pois é. Horas de Desespero erra feio em seu tom dramático e é assertivo para ser classificado como um dos piores filmes do ano. 

O longa é dirigido por John Erick Dowdle (Quarentena) e estreia dia 8 de Outubro no Brasil.

Küsses, 

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também