crítica de Insatiable - Temporada 01, crítica de Insaciável - Temporada 01

CRÍTICA | Insaciável - Temporada 1 - A série realmente é polêmica?

Insatiable, a nova série da Netflix, realmente é polêmica? Não, mas também não é boa. Recentemente, a Netflix lançou uma nova série chamada Insatiable (ou Insaciável). Desde a divulgação...

Insatiable, a nova série da Netflix, realmente é polêmica?

Não, mas também não é boa. Recentemente, a Netflix lançou uma nova série chamada Insatiable (ou Insaciável). Desde a divulgação de seu primeiro trailer, muitos foram os críticos que começaram a questionar a mensagem e o teor da série. Falava-se do teor gordofóbico da trama, dos preconceitos e como isto poderia causar “gatilhos” na audiência.

Julgar um livro pela capa é complicado, ainda mais quando se considera que existe considerável interesse em causar certas discussões porque jornalistas que se julgam politizados gostam de polemizar para ganhar ibope. Abordar a possibilidade de conteúdo traumatizante no lugar de pessoas que de fato são traumatizadas, não só rouba o poder de fala daqueles que podem se pronunciar por conta própria, mas também causa um certo “turismo social” meio ridículo, onde quem não tem investimento pessoal, na suposta polêmica do material, se vê indignado para ganhar votos de simpatia ou como o lacrador da controvérsia da semana.

Para mais informações, lembre-se da época onde todo mundo tentou se inserir na discussão de 13 Reasons Why com resultados que iam de desrespeitosos para desastrosos. Mas vamos falar de Insatiable.

Insaciável – Temporada 01

Patty (Debby Ryan) é uma garota obesa que sofre bullying no colegial. Após uma briga onde ela quebra a mandíbula e passa meses sem comer, retorna magra e com sede de vingança. Para esfregar na cara dos inimigos, se junta a Bob Armstrong (Dallas Roberts), um advogado e coach de concurso de belezas que pretende transforma-la em seu mais novo projeto vencedor. O problema é que, aos poucos, Bob descobre que Patty é mais perigosa do que parece.

A história inteira se passa numa cidade pequena da Georgia, onde a mistura de saudosistas pelo “sul antes da guerra”, conservadores religiosos, adolescentes entediados e os choques com um mundo gradualmente se tornando mais progressista servem de plano de fundo para uma trama que no final do dia, não sabe exatamente que história quer contar.

Ruim por ser indecisa

Verdade seja dita. A tal polêmica em Insatiable passa longe. Sim, existem alguns comentários maldosos sobre pessoas acima do peso e um certo quê de preconceito, mas tudo tem contexto. É uma cidade pequena, fútil, cheia de “caipiras” mais preocupados com a imagem projetada do que com qualquer tipo de personalidade própria, então, é crível que os comentários mais complicados fizessem sentido.

Por ser uma série classificação TV-MA, a mesma de séries como South Park e It’s Always Sunny in Philadelphia, espera-se que as piadas sejam mais agressivas, então se surpreender com o tal “gatilho” é o equivalente de ficar chocado quando Pam vira alvo de piadas em um episódio de Archer. O material inteiro foi preparado para brincar com isso.

Porém, isso não isenta a série de ser absolutamente irredimível. Ao longo de 12 episódios, o maior desafio é definir exatamente o que é Insatiable. É uma comédia de humor negro? É uma trama que usa subjetividade dos comentários para zombar a ignorância humana? É uma história humanizada por baixo da podridão? Um pouco de cada, e nada disso.

O problema, além da inconsistência da premissa, é a falta de caracterização dos personagens que constantemente mudam de personalidade de um episódio para o outro. Personagens secundários gradualmente se encaixam em uma nota só, e isto torna todas as interações com eles horrivelmente repetitivas. A vilã sempre trama, a amiga sempre sofre, o interesse amoroso sempre fala a mesma coisa.

A melhor amiga de Patty, Nonnie (Kimmy Shields), se vê como a submissa, presa por uma atração não correspondida pela amiga que aos poucos se libera disso, mas só serve para constantemente relembrar a audiência que a protagonista não é uma boa pessoa. Coralee Armstrong (Alyssa Milano), esposa de Bob, só existe para ilustrar a futilidade e infelicidade da vida de Bob.

No centro da trama, Bob e Patty são os personagens mais inconsistentes. Ora Patty é a vítima das circunstâncias, ora ela é a vilã da história. Bob alterna entre ser uma figura manipuladora e dominante, ou um ser incapaz de se aceitar como realmente é. Estas variações não criam conflito ou drama, só preguiça. Entendemos que todo personagem embarca em uma jornada de ponto A para ponto B, mas alguém poderia dar um mapa para esse dois?

No fim

No final, a primeira temporada de Insatiable não é agressiva o suficiente para ser polêmica, não é inteligente o suficiente para ser subversiva e não é pesada o suficiente para ser humor negro. No máximo funciona como um filho bastardo entre Miss Simpatia e Pushing Daisies que foi completamente negligenciado pelos pais ou uma tentativa muito fraca de brincar no mesmo parquinho dos melhores projetos de Christopher Guest.

Outras séries da Netflix que funcionam como versões mais fracas de outros projetos, ainda apresentam um certo potencial para próximas temporadas, não vemos isso em Insaciável.

Vale a pena? Muito provavelmente não, além da narrativa arrastada e inconsistente, cada episódio de Insatiable tem 41 minutos… é muito, mas muito cansativo.

Até a próxima!

PS.: Entendemos que a questão de elencar ambientes de segurança para pessoas que de fato passaram por eventos que resultaram em stress pós-traumático é uma questão de saúde pública e deve ser levada em total seriedade. O que não temos paciência são com comunicadores que escalam uma polêmica sem ao menos oferecer ao leitor o contexto adequado e fazem alarde apenas para ganhar uns malditos cliques a mais. 

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Nota
3.9
Nota
  • Direção
    4
  • Roteiro
    2
  • Elenco
    6
  • Enredo
    3.5
Categorias
CríticasSéries

Ver também