[CRÍTICA] Irmãs – Tina Fey e Amy Poehler em péssima forma

Irmãs é a nova comédia com Tina Fey e Amy Poehler, porém o resultado decepciona No papel, Irmãs tinha tudo para dar certo. Um filme com duas das comediantes...

Irmãs é a nova comédia com Tina Fey e Amy Poehler,
porém o resultado decepciona

irmãs-poster-tina-fey-amy-poehlerNo papel, Irmãs tinha tudo para dar certo. Um filme com duas das comediantes mais talentosas da atualidade no papel principal, com um roteiro de Paula Pell que já assinou alguns dos melhores episódios de 30 Rock e dirigido por Jason Moore, responsável pelo primeiro A Escolha Perfeita (2012). O elenco ainda é complementado por diversos veteranos do Saturday Night Live, 30 Rock e Parks and Recreation. O resultado final, infelizmente, é um filme fraco, com piadas que raramente funcionam e uma premissa batida.

Maura (Amy Poehler) e Kate (Tina Fey) são… irmãs. A primeira é responsável, atenciosa e constantemente preocupada com tudo, a segunda é a porra louca da família, vivendo uma vida disfuncional e constantemente decepcionando sua filha. Quando ambas descobrem que seus pais irão vender a casa da família, decidem fazer uma última festa como faziam nos tempos de colégio. Desta vez, como condição, Kate será a responsável para Maura finalmente poder se soltar e se divertir. Seus antigos amigos do colégio, hoje todos quarentões, demoram para entrar na farra, mas quando entendem que esta poderá ser uma última vez para fazer uma baladona sem nada a perder, se jogam de cabeça na farra. 

A premissa, enredo e piadas são as mesmas de todos os filmes de faculdade que envolvem uma grande festa. Traz poucas novidades, apesar do gigantesco talento cômico presente no filme. Inclusive, o roteiro não parece feito para aproveitar as capacidades de cada atriz. Tina Fey não é uma excelente atriz, mas funciona muito bem quando colocada junto a um roteiro inteligente que a permita fazer boas observações: Colocá-la como a personagem caótica simplesmente não funciona. Já Amy Poehler é extremamente versátil na hora de encarnar diferentes personagens, toda esta capacidade é desperdiçada no papel da irmã boazinha. Boa parte do elenco cômico fica jogado no fundo e aparece ocasionalmente para fazer algum comentário ou piada morna.

Com poucos momentos de risadas, sem originalidade e sem aproveitar a enorme quantidade de comediantes presentes, Irmãs não é um filme que funciona. Infelizmente, não é desta vez que teremos um longa digno do talento de suas protagonistas. É mais um filme que acredita que colocar personagens femininas no papel principal e encher o diálogo de palavrões pesados funciona como um substituto para piadas e humor bem construídos. Ambas atrizes têm um currículo invejável repletos de projetos inteligentes, não há justificativa para se sujeitarem a fazer algo tão genérico e sem inspiração.

Irmãs estreia dia 21 de janeiro no Brasil. 

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Criticas

Ver também