CRÍTICA | Jurassic World

Chris Pratt de bermuda e bigodão? Tá tendo!

Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

Senhoras e Senhores, sejam bem vindos ao fantástico parque do
Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros!

Bem-vindos à Semana Jurássica! Vamos cobrir todos os filmes da série Jurassic Park antes do lançamento de Jurassic World: O Reino Ameaçado! O filme da vez é o mega-sucesso Jurassic World –  O Mundo dos Dinossauros.

O Mundo dos Dinossauros

Depois de 22 anos, Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros volta à inspirar uma nova geração de fãs com o longa Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros. O filme, que se passa nos dias de hoje, conta a história de um novo investidor que resolveu reabrir e dar continuidade à pesquisa genética iniciada por John Hammond (Richard Attenborough). Logo de cara não fica bem esclarecida a motivação de Simon Masrani (Irrfan Khan) de reinaugurar o complexo, até porque o resultado é tão impressionante que a audiência se emociona com a variabilidade e novidades do Parque.

Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

© Universal Pictures

Como a “big boss” da ilha temos Claire Dearing (Bryce Dallas Howard) que gerencia todas as áreas do local, incluindo os laboratórios de estudo, as jaulas do dinossauros que ainda não são atrações e seus funcionários, que estão afim de arrumar altas confusões. A começar por Vic Hoskins (Vincent D’Onofrio) que tem um interesse peculiar nos velociraptors que apresentam uma inteligência destacada ao respeitarem seu domador Owen Grady (Chris Pratt). Mas a paz dos 21 mil turistas do Parque termina quando um dinossauro híbrido consegue escapar do seu confinamento e vira alvo dos administradores do local e da HIDRA, err… digo, da InGen Security, que tem a pretensão de usar a nova genética dos dinossauros mais evoluídos como armas letais em campo. Owen e Claire descobrem o seu plano e começam a corrida contra o tempo para proteger o parque, os visitantes e os sobrinhos de Claire, que estavam lá de férias e acabam se perdendo em uma atração após um ataque das… hum, “atrações”.

Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

© Universal Pictures

Semelhanças com o roteiro original? Sim e não! Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros, relembra de forma honrosa características do longa de Steven Spielberg e oferece inovações tecnológicas e uma evolução genética para a criação de novos dinossauros, que caem para segundo plano quando a problemática no fim é: controlar um dinossauro furioso e mega inteligente. O roteiro fraco e inconsistente é salvo por momentos de tensão, horror e medo. A resposta dos seguranças do parque é altamente agressiva e pouco se foca na tentativa de exilar os espécimes e preservar o árduo trabalho dos cientistas, principalmente do chefe do laboratório, Henry Wu (B.D Wong) que tem seu personagem desconstruído para que o reboot da saga ganhe uma nova continuação.

Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

© Universal Pictures

Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros entrega, no fim, uma grande e marcante batalha entre os dinossauros que leva o telespectador a esquecer as falhas de enredo, os erros de continuísmo, diálogos vagos e personagens secundários que não são relevantes para a trama. A magia é focada na recriação de um novo complexo e na impressionante criatividade dos roteiristas que, com certeza, cresceram brincando com dinossauros de R$ 1,99.

O elenco é bem mediano. Chris Pratt não está em sua melhor atuação e Bryce Dallas Howard se esforça na versão cientista de Furiosa (Charlize Theron em Mad Max: Estrada da Fúria). A valorização do papel da mulher como líder é visível, mas ninguém salva meia dúzia de humanos em cima do salto enquanto um dinossauro híbrido maior que um T-Rex quer te comer. Menos Hollywood, bem menos.

Os verdadeiros protagonistas foram extintos há milhões de anos! O mosassauro faz qualquer nerd de 30 anos chorar e as clássicas cenas com os apatossauros e tricerátops são homenageadas com maestria pelo diretor Colin Trevorrow. Os voadores pteranodontes e dimorfodontes carregam as cenas de tensão do longa. O vilão, Indominus Rex (híbrido) engole e devora alguns humanos em momentos de muita fome e raiva, enquanto Chris Pratt e seu time de Velociraptors se preparam para a caçada final. Sacou? Quanto mais dinossauros, melhor! É exatamente isso que Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros entrega!

Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

© Universal Pictures

O longa estreia dia 11 de Junho nos cinemas e merece sua ida no cinema.

Küsses,

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

5.8
O bom
  • O personagem da Bryce Dallas tem o melhor arco. Vai de boazinha pra badass
  • As lutas dos Dinossauros são ótimas
  • As crianças irritam menos do que no primeiro filme
O ruim
  • Poderia ter mais efeito prático
  • Muitos vilões pra pouca trama
  • Direção
    8
  • Roteiro
    7
  • Elenco
    8
  • Produção / Fotografia
    7,5
Categorias
CriticasFilmes

Ver também