Crítica de Luke Cage Temporada 2

CRÍTICA | Luke Cage – Temporada 2

O herói à prova de balas está de volta!

Segunda temporada de Luke Cage reenergiza a Marvel cansada da Netflix

Uma coisa é fato, as séries da Marvel na Netflix, apesar do orçamento e do vínculo com a mais bem sucedida franquia de filmes da história do cinema, tiveram resultados que variam bastante em qualidade. Mesmo assim, Luke Cage funcionou como um dos melhores projetos do lote.


Anteriormente, em Luke Cage

A primeira temporada trouxe uma premissa que equilibrava uma trama complexa envolvendo policiais e criminosos com boas doses de comentários sociais e políticos sobre cultura negra contemporânea. Tudo isso com uma excelente infusão de cultura do Harlem com artistas, músicos e anedotas do famoso bairro de Manhattan para ilustrar o mundo de Luke Cage. Apesar de alguns bandidos derrotados, Cage terminou preso até os eventos de Os Defensores.

Luke Cage – Temporada 2

Cage (Mike Colter) está em alta. Por onde passa no Harlem tira selfies com os fãs, tem merchandising com seu nome e até mesmo a Nike está interessada em patrocinar o Herói de Aluguel. Misty Knight (Simone Missick) volta à polícia após perder seu braço e tenta se adaptar novamente. Ela continua a investigar o império criminoso de Mariah Dillard (Alfre Woodard) que continua disfarçada por trás de uma muralha de legitimidade e boa vontade política.

Surge Bushmaster (Mustafa Shakir), um rudeboy jamaicano que usa rituais de Obeah para ganhar superpoderes. Ele usa suas novas habilidades para humilhar publicamente Cage e violentamente destruir o império de Mariah. Shades (Theo Rossi) começa a questionar se as decisões de Mariah vão garantir a integridade da operação.

O que sucede é uma trama com alianças entre policiais e criminosos, uma jornada pessoal bem interessante para o herói e até mesmo uma bem-vinda reinvenção do Punho de Ferro (Finn Jones) para deixa-lo um pouco mais tolerável antes da *argh* segunda temporada de sua série.

O Herói de Aluguel

Apesar de toda a riqueza cultural e o grande elenco de personagens marcantes, o ponto mais fraco da série sempre foi o próprio Luke Cage. A primeira temporada parecia que os criadores envolvidos tinham dificuldades em decidir o que fazer com o protagonista da série. Fora um discurso emotivo ou outro, pouco era deixado de fato para Cage fazer além de ficar parado levando tiros ou batendo em bandidos.

A segunda temporada resolve isso bastante. Luke está no olho do furacão e, além de ser constantemente questionado sobre o papel de um vigilante indestrutível no meio do delicado ecossistema do Harlem, ele precisa confrontar traumas do seu passado e suas próprias emoções. E deixar de lado uma autoconfiança perigosa e aprender um pouco de humildade. Especialmente quando ele sucessivamente apanha de um vilão mais rápido e mais forte.


Mesmo assim

Quem carrega a segunda temporada são os personagens coadjuvantes. Misty Knight continua a personagem mais carismática da série e a que mais avança a narrativa. Dillard e Bushmaster são excelentes adições ao rol de vilões icônicos das séries da Netflix como Rei do Crime e Kilgrave. Como falamos anteriormente, até mesmo Danny Rand e Coleen Wing (Jessica Henwick) que trazem o ranço da pior série da Marvel na Netflix, tiveram oportunidades para melhorar um pouco a percepção.

Trilha Sonora

Assim como a primeira temporada, a trilha sonora está excelente. Uma parte tão integral da trama quanto os personagens. Vale prestar atenção e dar uma pesquisada sobre algumas figuras que aparecem em cada episódio. Já que diversos novos personagens são jamaicanos, espere algumas novas adições com rocksteady e reggae na trilha.

E no fim

A segunda temporada é um passo na direção certa. Com uma trama mais envolvente, personagens mais bem desenvolvidos e algumas cenas de ação genuinamente bem construídas, a segunda temporada de Luke Cage é uma entrada bem-vinda ao nem sempre bem-sucedido projeto Netflix na Marvel. E é claro, um projeto que continua a investida em diversidade que tem trazido alguns dos melhores resultados para a Casa das Ideias.

A segunda temporada de Luke Cage já está disponível na Netflix.

Até a próxima!


Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Nota
8.6
Nota
O bom
  • Mariah e Rei do Crime deveriam se unir em alguma temporada, seria incrível.
  • Misty Knight e Coleen Wing deveriam ter sua própria série.
O ruim
  • Apesar de ser mais uma personagem, a introdução de Nightshade não agrega muito.
  • Direção
    8
  • Roteiro
    9
  • Elenco
    8.5
  • Enredo
    9
Categorias
CríticasSéries

Ver também