Henry Cavill e Tom Cruise em Missão: Impossível - Efeito Fallout

CRÍTICA | Missão: Impossível – Efeito Fallout

Esta crítica se auto-destruirá em cinco segundos

Missão: Impossível – Efeito Fallout é o melhor filme de ação de 2018

Entre Mad Max: Estrada da Fúria, John Wick e praticamente qualquer coisa com Iko Uwais ou Scott Adkins no elenco, vivemos uma grande renascença de filmes de ação. Diretores como David Leitch, Chad Stahelski, Gareth Evans e John Hyams injetaram uma boa dose de energia e criatividade em um gênero que estava com grandes dificuldades de se reinventar. E agora, com Missão: ImpossívelEfeito Fallout, Christopher McQuarrie entra para o rol de grandes especialistas em capotar carros, explodir coisas entre socos e chutes. E ainda com um fantástico elenco.

Missão: Impossível – Efeito Fallout

Ethan (Tom Cruise), Benji (Simon Pegg) e Luther (Ving Rhames) fracassam em uma missão de tirar do mercado negro três núcleos de plutônio, novamente o papel da IMF no mundo é colocado em questão. Agora, correndo contra o tempo e sob a vigia do brutal agente da CIA, Walker (Henry Cavill), o time precisará reaver o material radioativo antes que este caia nas mãos do Sindicato, o grupo de agentes rebeldes de Missão: Impossível – Nação Secreta.

Sua missão, caso decida aceitá-la:

Missão: Impossível é uma das franquias mais consistentes quando o assunto é divertimento. As tramas, que não costumam variar muito, sempre colocam Hunt e seu time de agentes em alguma missão para recuperar um item perigoso de bandidos que ameaçam a segurança mundial. Geralmente, cada missão envolve uma mistura de filme de ação, espionagem e roubo onde nossos heróis precisam usar tecnologias fantásticas e suas próprias espertezas para salvar o mundo, e quase sempre com Ethan sendo caçado pela sua própria agência e correndo contra o tempo.

O que sempre chama atenção são as reviravoltas de trama muito bem colocadas, as boas sacadas de roteiro e as cenas de ação de tirar o fôlego. E garantimos: Efeito Fallout supera todos os seus antecessores, tornando de longe esta a entrada mais divertida e intensa da série. Além disso, pela primeira vez na história da franquia, o filme abandona a aversão das continuidades e de fato celebra a história completa, com pequenos elementos de trama e ação que voltam até o filme inicial de 1996. Inclusive, trazendo uma personagem que é filha de Max, uma das antagonistas do longa original de Brian De Palma, interpretada por Vanessa Redgrave.

Ação, ação e ação!

Cruise segue firme e forte em sua tentativa de causar infarto em massa na empresa que banca seu seguro de vida. Como já é tradição, o ator dispensa dublês e faz todas as cenas de ação sozinho. E como já é de se esperar, Missão: Impossível – Efeito Fallout traz algumas das cenas mais intensas da carreira do ator. Ele aprendeu a pular de paraquedas e a pilotar helicópteros, e é nítida a diferença no realismo quando claramente você vê que, não só realmente é Tom Cruise em cena, mas que ele é absolutamente louco.

Para contrastar com Hunt, que prefere usar a cabeça para resolver o problema, o longa traz Cavill como um agente que prefere resolver tudo na base da porrada. Funciona muito bem. O Superman é uma montanha a lado do baixinho Cruise, criando um conflito bem Davi e Golias.

Rebecca Ferguson como Ilsa Faust continua tão intrigante quanto no filme anterior. Operando sua própria agenda e criando uma aliança frágil com Hunt que pode, a qualquer momento, virar traição. Como falamos anteriormente, a trama de Efeito Fallout culmina em trazer tudo da jornada do protagonista até este apocalítico confronto com o Sindicato.

Vale a pena?

Absolutamente! Missão: Impossível – Efeito Fallout é divertidíssimo, cheio de reviravoltas, conta com algumas das cenas de ação mais bem dirigidas e elaboradas do ano e, tudo isso, com um roteiro completamente imprevisível. Recomendamos a experiência em IMAX, e garantimos que não desmaiar com a sequência final do longa é um desafio.

Missão: Impossível 6 estreia dia 26 de julho nos cinemas.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Nota
10
Nota
O bom
  • Henry Cavill atuando? Pois é, em 2018 tudo é possível.
  • A única coisa que Cruise não fez nesse filme foi criar uma organização criminosa real para ele salvar o mundo, porque o resto...
  • Direção
    10
  • Roteiro
    10
  • Enredo
    10
  • Elenco
    10
Categorias
CriticasFilmes
Para ver no cinema:

Ver também