[CRÍTICA] Nosso Fiel Traidor – uma trama política recheada de sangue e traição

Ewan McGregor em mais uma produção de cunho político. Nosso Fiel Traidor demonstra qualidade de roteiro e não economiza na crueldade Nosso Fiel Traidor. Título meio contraditório, não?...

Ewan McGregor em mais uma produção de cunho político. Nosso Fiel Traidor demonstra qualidade de roteiro e não economiza na crueldade

nosso-fiel-traidor-critica-1[dropcap size=small]Nosso Fiel Traidor[/dropcap]. Título meio contraditório, não? Mas no meio da bagunça mafiosa que é o enredo do novo filme de Ewan McGregor e Stellan Skarsgård (nosso querido Selvig) se estabelece, e os dois formam uma dupla improvável para garantir que Dima (Skarsgård) e sua família entrem em segurança em solo inglês.

Mas voltemos um pouco na história. Perry Makepeace (McGregor), é um professor acompanhando a esposa promotora Gail (Naomie Harris), em uma viagem a Marrocos. Lá, ele conhece Dima, um homem festeiro e rico – e potencialmente perigoso – e acaba caindo em uma armadilha: levar informações relevantes para a agência de segurança da Inglaterra. A armadilha é que Dima é tremendamente carismático, apesar de ser mafioso, mas, como diz: “um mafioso russo com honra”. O novo mandachuva da organização quer eliminar todos os envolvidos na lavagem de dinheiro e comandar a operação com mão de ferro. Óbvio que lá vem uma queima de arquivo, né?

Perry e Gail acabam se encrencando em uma trama internacional para salvar Dima e sua família, com a ajuda de Hector (Damian Lewis), um funcionário do governo que tem suas próprias motivações para ajudar. A qualidade do enredo é uma grata surpresa. A sinopse não foi favorável ao vender o filme, mas vale muito a pena assistir Nosso Fiel Traidor.

A fotografia é fantástica, o figurino muito bem montado, as tramas e inteligência por trás de todo o plano de Dima e de Hector, as reviravoltas e, a cereja do bolo, um bom final. McGregor e Skarsgård formam uma boa dupla e funcionam em tela. Não é segredo que Dima é um homem que faz o que precisa para manter a família segura e, se isso significa muita crueldade e sangue nas mãos e reviravoltas por alguns países da Europa e uma fuga estilo “A Noviça Rebelde”. Nosso Fiel Traidor é muito bom em destacar os tons de cinza na escala da bondade e da maldade e mostra em tela que, não é por ser mau que alguém não pode ser bom. As pessoas são muito mais complexas do que imaginamos e sim, um traidor pode ser fiel.

Dirigido por Susanna White (Nanny McPhee e as Lições Mágicas) Nosso Fiel Traidor ja está em exibição nos cinemas. Prepare-se para ficar na ponta da cadeira em diversos momentos e divirta-se!

Comente via Facebook!
Categorias
Criticas

Ver também