[CRÍTICA] O Agente da U.N.C.L.E. – A Guerra Fria voltou a esquentar

O Agente da U.N.C.L.E. homenageia filmes de espionagem Entre a volta de 007 com Daniel Craig no papel de Bond, James Bond e o divertidíssimo Kingsman – O Serviço...

O Agente da U.N.C.L.E. homenageia filmes de espionagem

Entre a volta de 007 com Daniel Craig no papel de Bond, James Bond e o divertidíssimo Kingsman – O Serviço Secreto, parece que o gênero de thrillers de espionagem que abrem mão do realismo, a la Identidade Bourne, por tramas divertidas repletas de reviravoltas, ação e belas localizações está de volta. Para cimentar esta ressurgência, temos O Agente da U.N.C.L.E. de Guy Ritchie como uma bela surpresa.

O Agente da U.N.C.L.E. - Napoleon Solo

Inspirado na série da década de 60, O Agente da U.N.C.L.E. conta a história de dois agentes inimigos, em lados opostos da cortina de ferro durante a Guerra Fria, que precisam unir forças para derrotar uma organização terrorista capaz de produzir armamentos nucleares. Do lado dos americanos, temos Napoleon Solo (Henry Cavill), seu típico espião suave, canastrão, sempre com seus ternos de alfaiataria, boas bebidas e rodeado de mulheres. Da União Soviética, vem Illya Kuryakin (Armie Hammer), um agente soviético com capacidades físicas quase sobre humanas e uma devoção quase cega à causa socialista da mãe russa, que apesar da personalidade fria como aço, tem um lado sensível e heroico. Juntos, precisarão impedir que os italianos Alexander e Victoria Vinciguerra criem uma arma nuclear que desestabilizará as potências globais.

O Agente da U.N.C.L.E. - Victoria Vinciguerra

A trama e a direção de Ritchie levam os agentes por diversos cenários já conhecidos por fãs do gênero: uma corrida contra o tempo pelas ruas de Berlin Oriental, uma festa em Roma repleta de carros de Fórmula 1, uma ilha / base secreta dos vilões. O intuito do longa não é inovar, mas sim, celebrar os clichês dos filmes de espiões que são únicos ao estilo. A composição das cenas é impecável e a atuação de Henry Cavill é o grande destaque do longa, ambos fatores são suficientes para superar momentos onde o filme perde o fôlego por falta de substância.

O Agente da U.N.C.L.E. - Napoleon Solo (Henry Cavill) e Illya Kuryakin (Armie Hammer)

As cenas de ação são muito bem coreografadas e toda a composição do filme é uma grande carta de amor aos anos 60 e a série que inspirou o longa. A competição entre os espiões, que gradualmente vão de inimigos para aliados relutantes para amigos. é um muito divertida e todos os personagens trazem algo de valor para a trama. Só existe um pequeno desequilíbrio entre os protagonistas, onde o Solo de Cavill tem muito mais amplitude e desenvolvimento enquanto o Kuryakin de Hammer sofre por uma personalidade que não deixa muita consistência para o ator trabalhar. A personagem de Victoria Vinciguerra (Elizabeth Debicki) é uma vilã fascinante, mas sofre por pouco tempo de presença nas telas e boa parte de suas motivações são dadas via explicações e pouca exibição. Juntos aos agentes, temos Gaby (Alicia Vikander), uma mecânica de Berlin que tem envolvimentos com a organização terrorista e deverá auxilia-los na infiltração. Naturalmente, por se tratar de um filme de espionagem, existem grandes segredos envolvendo a personagem, mas o filme dá pouco para Vikander fazer.

O Agente da U.N.C.L.E. - Napoleon Solo, Illya Kuryakin e Gaby

Apesar da história leve, O Agente da U.N.C.L.E. é extremamente divertido, bem dirigido e com visuais impecáveis. Se Kingsman era uma homenagem recheada de uma sensibilidade infantil contagiante de um Gin Martini com Vermuth recém-aberto em uma briga de bar, U.N.C.L.E. é um Krug Clos d’Ambonnay servido na Riviera Francesa.

O Agente da U.N.C.L.E. estreia dia 3 de setembro no Brasil.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Criticas

Ver também