CRÍTICA | O Contador – Batman esquisitão vs Justiceiro fanfarrão

Ben Affleck encarna um Contador pra lá de perigoso Antes tarde do que nunca! Chegou a hora de falar de O Contador, um filme onde o jeitão apático de Ben Affleck simplesmente...

Ben Affleck encarna um Contador pra lá de perigoso

o-contador-ben-affleck-3Antes tarde do que nunca! Chegou a hora de falar de O Contador, um filme onde o jeitão apático de Ben Affleck simplesmente o permitiu interpretar o melhor papel de sua carreira: um contador autista com habilidade de sniper. Bem-vindos ao novo longa da Warner Bros. que certamente te fará rir e se divertir. Ufa! Algo bem raro entre os lançamentos de 2016, né?

Ele tem manias, angustias e dificuldade de interação. Ainda quando criança, seus pais procuraram inúmeros recursos para aprender a lidar e, de certa forma, controlar o comportamento agressivo e histérico de Christian Wolff (Affleck). Seu pai demonstra muita força de vontade para mantê-lo bem e não descansa até encontrar uma forma de fazê-lo ficar tranquilo, nem que para isso tenha que ensinar lutas e o uso de armas. Normal, né? Já seu irmão vira uma espécie de protetor, sempre zeloso e paciente com Christian. O jovem inteligentérrimo cresce e vira contador. Mas ele não é um contador qualquer, afinal, o treinamento militar ilegal instruído pelo seu pai tinha que servir para alguma coisa, né?

É num tom bem de quadrinhos que embarcamos no cotidiano de Christian que sabe, como ninguém, desviar dinheiro para as máfias mais procuradas pela Interpol, mas sempre sem deixar rastros dele mesmo. Até uma hora que ele falha. Surgem então Ray King (J.K. Simmons) e Marybeth Medina (Cynthia Addai-Robinson), ambos do Departamento de Tesouro dos Estados Unidos, como uma espécia de mestre e aprendiz, que farão de tudo para descobrir a identidade desse tal contador.

Enquanto isso, Christian é contratado por uma empresa para descobrir fraudes nos balanços. Lá, ele conhece a jovem Dana Cummings (Anna Kendrick) que é super adorável mesmo com sua personalidade “sem noção”. A moça consegue driblar a sociopatia de Christian e se torna uma amiga e aliada. Ao apurar as contas da empresa, um assassinato acontece e Christian passa a estar na mira da policia, além de ser caçado por Brax (Jon Bernthal), um ardiloso “caçador de recompensas” de humor peculiar.

O Contador é isso mesmo o que você entendeu: um cara com Síndrome de Asperger que lava dinheiro, tem cacoetes e sabe atirar como ninguém. Com cenas de ação bem elaboradas, Affleck cresce em cena conforme conhecemos mais profundamente sua dupla-personalidade, além de constantemente fazer a audiência lembrar dele em Batman vs Superman: A Origem da Justiça.

Com uma reviravolta elaborada, o longa, que estreou no dia 20 de outubro, surge como um ar fresco entre os lançamentos do ano ao lado do incrível Dois Caras Legais. Dirigido por Gavin O’Connor (Guerreiro – 2011), O Contador é um filme que não dá para aprofundar a crítica, já que toda sua trama é bem amarradinha e qualquer deslize nosso, vira spoiler. Então resumindo: se você procura um filme de ação, com uma história original e mirabolante, com personagens interessantes e com o toque certo de humor, este filme é para você. Ah, vale ressaltar que lá em cima comentamos que rola um tom de quadrinhos, então espere sim as cenas absurdas e jocosas.

Agora tchau, vão para o cinema logo, por favor.

Küsses,

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também