O Date Perfeito com Noah Centineo chegou na Netflix

CRÍTICA | Noah Centineo é um cara perdido em O Date Perfeito

Ownnnnnnnnnnnnnn que amorzinho de filme!

Assistimos a nova comédia romântica da Netflix: O Date Perfeito com Noah Centineo! Prepare-se para sorrir e babar…

AH, NETFLIX SUA LINDA! Depois dos sucessos Para Todos os Garotos que já Amei e Sierra Burgess é uma Loser, Noah Centineo retorna como o boy magia despojado em um longa pra lá de fofo. O Date Perfeito já está disponível na plataforma e vale cada minuto da sua atenção.

A premissa…

Nos dias de hoje, Brooks (Noah Centineo) está prestes a se formar e sonha em entrar numa faculdade particular cara pacas. Com a ajuda de Murph (Odiseas Georgiadis), eles criam um aplicativo que permite você contratar um namorado para diversas situações. O app é um sucesso e Brooks vive todas as noites um tipo de cara diferente: rapper, cowboy, nerd, folgado, entre outros. O que acaba o distanciando da “vida real”.

A confusão…

Em paralelo, ele passa a se sair – como amigos – com a riquinha e “feminista” empoderada Celia Lieberman (Laura Marano), que é responsável inclusive por esta ideia maluca de Brooks se vender por meio de um aplicativo. Juntos, eles tentam se ajudar com seus verdadeiros crushs. Brooks quer dar “uns pegas” em Shelby pace (Camila Mendes) e Celia em Franklin (Blaine Kern III). O final dessa história é bem previsível, mas O Date Perfeito vem com um desenvolvimento de história bem legal.

Enquanto Brooks levanta a grana, Celia o ajuda com as entrevistas para a faculdade, criam situações em festas para chamar a atenção de seus verdadeiros alvos amorosos e plantam algumas confusões já esperadas com a galera da escola. O mais legal por aqui é ver o quanto o filme foca em mostrar que os jovens não sabem mais quem eles são de verdade. E o roteiro critica quem vive de aparência, de regalias e de “personagens” para sobreviver no colegial.

Pior do que isso, o longa ainda consegue tocar em feridas como redes sociais, aplicativos de relacionamento, falta de personalidade e ausência de hobbys sem ser ficar no celular ou…ficar no celular.

Por mais que Brooks sonhe com a faculdade particular, que tem grande prestígio, ele precisa entrar por quê mesmo? Seus objetivos pessoais e sonhos são rasos, vazios e não o direcionam para o que ele pretende ser quando formado.

Inversão de papéis

Este é um ponto intrigante em O Date Perfeito: o roteiro inverte todos os papeis que estamos acostumados. Normalmente temos uma menina boba de classe média que sonha com a faculdade impossível para ser uma grande e renomada profissional e ela é apaixonada pelo cara impossível. Já a menina mais desejada da escola é a fútil que não sabe o que quer da vida. E o amigo gay é sempre da moça e nunca de um dos boy. O boy atleta desejado é um cara gatérrimo e perdido na vida e a protagonista acaba com o melhor amigo que é humilde, gato e tem ambição . Certo? Aqui é tudo do avesso!

Brooks é um jovem de classe média que sonha com o impossível. Sua paixão é uma ricaça determinada. Seu melhor amigo é gay e não compete com ele pelas garotas da escola. E a pessoa com quem ele vai ficar no final é totalmente diferente do padrão explorado nas comédias românticas.

Bem, só por isso, O Date Perfeito tem “cheirinho de carro novo”. Apesar da estrutura do longa ser a mesma de sempre, o desenrolar disso é muito legal e divertido. Noah Centineo segue com o seu charme e carisma únicos e o resto do elenco é bem legal.

Vale a pena?

Certamente mais um grande acerto da Netflix e mais um filme que levará os fãs à loucura. Não é o melhor entre as produções originais da plataforma, mas tem seu prestígio por essa boa inversão de papéis e mensagens sobre maturidade, futuro e ambição bem importantes para os dias de hoje. Afinal, nem tudo na vida você resolve por um aplicativo, a vida real requer maturidade e coragem e O Date Perfeito vem com a bandeira do “se conheça melhor” antes de resolver “ser” alguém. É bem legal!

Küsses ,

Comente via Facebook!
Nota:
6.8
Nota:
O bom
  • Noah Centineo e seu sorriso estão de volta!
  • O filme é fofo, mas não chega aos pés de um A Barraca do Beijo
O ruim
  • Falta um pouco de trilha sonora, mas nada demais.
  • Direção
    7
  • Elenco
    7
  • Roteiro
    7
  • Produção / Fotografia
    6
Categorias
CriticasFilmes

Ver também