O Irlandês, dirigido por Martin Scorsese, é a aposta da Netflix para o Oscar. Será que o filme funciona? Confira aqui nossa crítica de O Irlandês.

CRÍTICA | O Irlandês (Netflix)

O Irlandês, dirigido por Martin Scorsese, é a aposta da Netflix para o Oscar. Será que o filme funciona? Confira aqui nossa crítica de O Irlandês....

O Irlandês traz Scorsese de volta ao familiar

Entramos em um mundo complexo quando o assunto é cinema. É difícil não alimentar teorias da conspiração que por trás da Netflix existe uma complexa inteligência artificial que monitora com precisão o todo do entretenimento humano e produz exatamente aquilo que o público deseja. Afinal, o novo projeto de alta visibilidade da plataforma de streaming nada mais é que um drama épico sobre o mundo do crime com a direção de Martin Scorsese trazendo para o elenco principal Robert De Niro e Al Pacino. Não só isso, mas também ressuscitando da aposentadoria Joe Pesci.

O Irlandês

Frank Sheeran (De Niro) é um veterano da segunda guerra mundial, caminhoneiro, durão e de poucas palavras. Mesmo assim, é um cara confiável e sempre faz o que pedem. Não é a toa que aos poucos vai crescendo dentro da máfia nova iorquina. Ele é mentorado por Russell Bufalino (Pesci), um chefão conectado com diversas operações criminosas.

Sheeran é tão confiável que acaba se tornando braço direito de Jimmy Hoffa (Pacino), o líder do maior sindicato dos EUA e uma das figuras políticas mais poderosas do país. Hoffa é uma figura intrigante histórica, seu desaparecimento nunca foi solucionado e até hoje o caso está em aberto. Frank Sheeran confessou ter sido o assassino de Hoffa, mas a análise forense se mostrou inconclusiva.

Ao longo da trama vemos o quão poderosa era a máfia nos EUA, influenciando desde a eleição de John F. Kennedy, entregando as armas que seriam usadas pela CIA na invasão da Baía dos Porcos, o assassinato do presidente dos EUA entre outros eventos dos anos 60 e 70. Todos estes eventos, Sheeran supostamente testemunhou, mas soube manter a cabeça baixa e de boca calada.

De resto, quem já assistiu Os Bons Companheiros (1990) ou Cassino (1995) sabe o desfecho geral da trama. Inclusive, Cassino meio que mostra a mesma época considerando que os cassinos de Las Vegas foram financiados pelo sindicado dos caminhoneiros liderado por Hoffa.

Vale a pena?

É um filme belíssimo, talvez não tão marcante visualmente quanto Silêncio (2016) ou tão bem dirigido quanto Bons Companheiros. Os efeitos visuais para rejuvenescer De Niro deixam ele mais com cara de John Wayne do que Travis Bickle e, em alguns momentos, ele nitidamente parece um efeito especial e não uma pessoa.

O ritmo é minucioso e obsessivo, é importante para o diretor que a audiência entenda o quão complexo é o ecossistema criminoso ao redor de Frank. Além de mostrar inúmeros figurões do submundo mafioso, muitos interpretados por grandes atores, mostra-se como cada um morreu.

Ao mesmo tempo, é difícil negar o interesse corporativo. É claro que para a Netflix financiar um filme do diretor mais aclamado do cinema norte-americano, para ele produzir um drama de máfia – o gênero que ele teve mais sucesso; com seus atores mais icônicos, seria um projeto bem pensado, mas no caso de Scorsese parece um retrocesso cômodo. Seu última longa metragem, Silêncio, é uma meditação desconfortável sobre fé e religião em um ambiente quase alienígena e opressor, é um filme difícil, complexo e desafiador. Ele se interessa por documentários de músicos que o fascinam, biografias de figuras intrigantes, seria mesmo O Irlandês um projeto que há esta altura do campeonato chamaria sua atenção? Ou seria comodismo?

Mesmo assim, o comodismo de alguém como Martin Scorsese é consideravelmente melhor que o esforço genuíno de um diretor inferior.

O Irlandês estreia em alguns cinemas seletos dia 14 de Novembro e estará disponível na Netflix dia 28 de novembro.

Até a próxima!

Comente via Facebook!
Nota:
8.8
Nota:
O ruim
  • A atuação de Joe Pesci está um pouco enferrujada, ele estava aposentado afinal.
  • Al Pacino está no modo Perfume de Mulher, então dose sua expectativa de acordo.
  • Direção
    9
  • Roteiro
    8
  • Enredo
    9
  • Elenco
    9
Categorias
CriticasFilmes

Ver também