[CRÍTICA] Os 33 – A impressionante história dos mineradores chilenos soterrados

Quem aqui não se emocionou com o resgate dos 33 mineradores no Chile que atire a primeira pedra. Aliás, melhor não! A FOX Film lança um dos filmes biográficos mais...

Quem aqui não se emocionou com o resgate dos 33 mineradores no Chile
que atire a primeira pedra. Aliás, melhor não!

os-33-FOX-critica-de-cinema-01A FOX Film lança um dos filmes biográficos mais honestos do ano. Os 33 retrata a trajetória dos mineradores que foram soterrados no Chile em agosto de 2010. O acontecimento, que veio à tona na mídia internacional, emocionou até aqueles de coração mais gélido, e quem chora com propaganda de margarina da TV, simplesmente se rendeu ás lágrimas ao assistir cada minerador saindo de um buraco na terra. Após 69 longos dias sem verem a luz do sol à 700 metros abaixo do nível do mar, os heróis chilenos comprovaram para o mundo a capacidade de sobrevivência do ser humano. 

A história começa em 10 de agosto de 2010, acompanhamos uma breve passagem na vida pessoal de alguns mineradores antes de irem para o trabalho. Mario Sepulveda (Antonio Banderas) é um pai de família dedicado e carinhoso, Dario Segovia (Juan Pablo Raba), um alcoólatra que se afastou de sua irmã Maria (Juliette Binoche). Yonni Barrios (Oscar Nuñez) que praticamente mora com sua esposa e amante e Carlos Mamani (Tenoch Huerta), o único boliviano do grupo. Naquele dia, os mineradores foram trabalhar no local mais profundo da mina e acabam por ficarem soterrados. A causa não é certa. Uns dizem que fora imprudência da empresa que monitorava a montanha, outros, um acidente natural. O ponto do longa não é provar a suspeita e sim de relatar como que eles sobreviveram enquanto os responsáveis em terra perdiam horas de sono com o passar o tempo e falta de recursos. 

A direção da mexicana Patricia Riggen é primorosa, não só do ponto de vista de criar uma ambientação fidedigna, como a de extrair o melhor do seu elenco. O roteiro zela em conduzir a audiência pelos diversos perfis psicológicos envolvidos diretamente na trama. Do presidente do Chile Sebastián Piñera, interpretado por Bob Gunton, aos familiares dos mineiros, resultando em um filme humano e surpreendente. O lado técnico e geológico, que foi imprescindível no resgate, é explorado de forma didática sem delongas. Outro ponto positivo para os roteiristas. 

Rodrigo Santoro é o grande destaque. Finalmente vemos a capacidade de sua atuação em um personagem onde o ator está 100% confortável ao interpretar, contribuindo – e muito – com os momentos de emoção intensos. Santoro sustenta seu papel de protagonista como o Ministro de Energia, Laurence Golbore, e dá um show ao lado de Binoche, cuja personagem é a chave para o desenrolar da história e decisões de Golbore sobre a vida dos 33 mineradores. Outro ponto são os criativos elementos de composição de cena usados para compor cenas com um tom mais artístico e poético, deixando de lado os clichês e descobertas esperadas em tramas onde há grupos isolados lutando para se manter vivo.  

Os 33 recria um fato histórico que chocou a imprensa internacional e como o jornalismo globalizado pode se unir em prol de “poucos”. O filme ainda conta com uma fotografia belíssima, uma trilha sonora marcante e, mesmo sabendo o final, leva à audiência à lágrimas com uma bela mensagem de esperança, sobrevivência e a perseverança do espírito humano. O longa estreia dia 29 de Outubro nos cinemas e merece toda a sua atenção. 

Küsses, 

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também