[CRÍTICA] Pássaro Branco na Nevasca – De volta ao erotismo dos anos 80

Atenção pais e mães, nada de levar seus filhos no cinema para ver a Shailene Woodley em Pássaro Branco na Nevasca! Vem aí um longa para lá de diferente: Pássaro Branco...

Atenção pais e mães, nada de levar seus filhos no cinema para ver a Shailene Woodley em Pássaro Branco na Nevasca!

Vem aí um longa para lá de diferente: Pássaro Branco na Nevasca se passa no comecinho da década de 80 e relata o sumiço da mãe de uma família socialmente perfeita. O casal, formado por Eve Connors (Eva Green) e Brock Connors (Christopher Meloni) vivem uma rotina típica da época: o marido sai para trabalhar enquanto a esposa mantém a casa em ordem e prepara o jantar. A filha do casal, Kat Connors (Shailene  Woodley ), além de narradora do longa, é a protagonista da trama que após o misterioso desaparecimento de sua mãe tenta reestruturar seu relacionamento com o pai, namorado e tomar as decisões certas para seguir sua vida.

© Why Not Productions - Desperate Pictures

© Why Not Productions – Desperate Pictures

Fadada a lidar com o luto de seu pai, Kat relembra na terapia que seu relacionamento com a mãe andava um tanto quanto estranha. Eve deixa de lado sua paixão pelo marido, a vaidade, os zelos pela família e a figura de boa mãe para virar uma mulher promiscua e agressiva. Kat, aos poucos, descobre que as mudanças de comportamento de sua mãe estão fortemente ligadas a sua vida sexual, e que toda a sua fase de descobertas eram um afronto à Eve por não ser mais desejada pelo marido.

© Why Not Productions - Desperate Pictures

© Why Not Productions – Desperate Pictures

Woodley entrega uma personagem bem concreta, centrada e rebelde na mesma medida. Após o desaparecimento de sua mãe, ela passa a ter sonhos estranhos que eventualmente serão conectados com o desenrolar da história e ainda se envolve com um homem bem mais velho. (tá safada essa menina, viu?)

critica-passaro-branco-na-nevasca-freakpop-03

© Why Not Productions – Desperate Pictures

Dirigido e roteirizado por Gregg Araki (Kaboom e Mistérios da Carne), Pássaro Branco na Nevasca oferece uma fotografia intrigante, takes belissimamente enquadrados e com muitas referências às cenas de filmes adultos das décadas de 70 e 80 (risadinhas garantidas ao telespectador mais antenado nesse assunto).

critica-passaro-branco-na-nevasca-freakpop-04

Piscineiro….a patroa…..hum…já entendemos!

critica-passaro-branco-na-nevasca-freakpop-07

Precisava usar uma bermuda tão baixa, broto?

As relações sexuais dos personagens exploram fetiches e homossexualidade de forma leve. A trama é bem amarrada, mas peca por tem um último ato rápido e que não respeita o mistério pré-estabelecido ao longo do filme. Fica tudo muito claro e a grande revelação sobre o sumiço de Eve é exposto sem delongas e logo o filme acaba. O ritmo acelerado no final quebra a narrativa, mas mesmo assim empolga e choca!

critica-passaro-branco-na-nevasca-freakpop-05

© Why Not Productions – Desperate Pictures

Preparem-se para ver muitos peitos, ouvir diálogos levemente cafonas, uma Eva Green louca e um Christopher Meloni apático. O elenco ainda conta com Shiloh Fernandez (A Garota da Capa Vermelha)  como Phil, o namorado de Kat, Gabourey Sidibe (Precious), Thomas Jane (O Justiceiro), Dale Dickey (True Blood) e Angela Bassett (American Horror Story).

O filme estreia dia 23 de abril no Brasil e não é recomendado para menores de 14 anos e nem para nenhum fã da saga Divergente.

Küsses,

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também