POSE - temporada 1 - FOX - Brasil

CRÍTICA | POSE chega na FOX com a primeira temporada na íntegra

Hora de desfilar!

POSE, de Ryan Murphy, chega na FOX na íntegra e vale a sua atenção

Strike a POSE! É num clima de glamour que POSE chega na FOX. A primeira temporada, criada por Ryan Murphy, Brad Falchuk e Steven Canals proporciona uma intensa imersão na cena da cultura dos balls (bailes), comandando pela comunidade LGBTQ+ da década de 80. Ambientada em Nova York, POSE conta a história da acensão deste movimento social liderado por figuras que lidavam com preconceito, aceitação e a AIDS.

O que são os bailes?

Eram eventos onde a comunidade LGBTQ+ se reunia para “caminhar” e competir por troféus e prêmios. Cada baile tinha um tema e as “Casas” – grupos da comunidade – competiam entre si. Nos bailes, eles emulavam outros gêneros e classes sociais. Em algumas apresentações eles também dançavam. Mas fazer parte de uma casa e participar dos bailes era algo verdadeiramente desejado pela comunidade, já que ali não existia preconceito. De drags a trans, todos eram bem vindos, mas sempre com a rivalidade entre casas presente para aquecer os bailes.

De volta a 1986

Damon (Ryan Jamaal Swain) é um jovem de 17 anos que foi expulso de casa por fazer balé e ter revistas gays escondidas em casa. Filho de uma típica família americana religiosa, ele é renegado e vai para a rua com a roupa do corpo. Ao chegar em Nova York, Damon é resgatado por Blanca (Mj Rodriguez), uma transexual que acaba de se desligar da “Casa Abundance” para abrir a sua própria. Estas casas têm o propósito de acolher, orientar e educar jovens da comunidade LGBTQ+ que precisam de um apoio para se estabelecerem na sociedade. Juntos, e agora com uma nova família, Blanca batalha para ter novos membros em sua casa, chamada “Casa Evangelista” – em homenagem a modelo e ícone da época – e inicia um grande reboliço na cena luxuosa dos bailes em acensão. E sim, todos os filhos destas casas são preparados pela mãe para competir nos bailes.

Drama e cores

O primeiro episódio abre com os membros da casa Abundance roubando peças e vestuários antigos da realeza expostas em um Museu. Todos vão presos, mas ao menos o desfile no baile foi extremamente glamouroso. Eles se livram das grades, mas Blanca não está satisfeita com a forma como Elektra Abundance (Dominique Jackson) comanda o recinto.

Ao descobrir que é soro-positiva, ela se desliga e inicia sua jornada em um apartamento. A divisão e abertura de uma nova casa é considerado uma afronta à Elektra, que é a “rainha da porra toda” e Diva absoluta. Mas Blanca acredita que valores como edução, estudos e o acolhimento correto podem impulsionar seus filhos a serem aceitos na sociedade ainda muito preconceituosa na época. Seu primeiro desafio é levar Damon, o jovem resgatado, para uma escola de balé prestigiada e o desenrolar dessa primeira missão é emocionante.

Blanca sente que precisa fazer mais pela comunidade LGBTQ+ e este investimento dela também a faz se aceitar, ter coragem e fazer o certo enquanto o HIV não a leva para uma outra etapa de sua vida.

Outros personagens

Em paralelo conhecemos Angel (Indya Moore), uma trans prostituta que também sai da casa Abundance. Ela conhece Stan (Evan Peters), um jovem executivo, de uma das empresas de Donald Trump, que é casado e tem três filhos. O rapaz, porém, tem uma sexualidade incerta e, ao lado de Angel, começa a se redescobrir. Não sabemos ainda como esta trama irá continuar, mas certamente o tema trará um pouco mais sobre esta questão de “sair do armário”.

Lil Papi

O coordenador dos bailes é interpretado por Angel Bismark Curiel. Por ser um dos poucos a ter um emprego “digno”, como vendedor de perfumes da Macy’s, ele organiza os temas dos bailes e é estilista de moda agênera nas horas vagas. Sua verdadeira paixão. Ele apadrinha Blanca, de forma discreta, nesta nova empreitada e garante que a entrada da Casa Evangelista no mundo dos bailes seja um sucesso. Veremos muitos embates com a Abundance, todos remediados pela presença desta figura patrona e amiga.

Vale a pena?

SIM. POSE é uma série intrigante e bem “típica Ryan Murphy”. Cheia de dramas, subtramas, cores e exageros, a produção se propõe a levar a audiência numa experiência imersiva de um movimento LGBTQ+ muito importante iniciado naquela época. POSE vai além dos bailes glamourosos e coloca seus personagens em dilemas factíveis e que ainda são vividos por jovens e adultos nos dias de hoje.

Muito mais do que você assumir sua homossexualidade, vivemos na era da aceitação trans, do respeito ao próximo independente de sua orientação sexual e da liberdade de escolha de ser quem você é. E, obviamente, ser visto como uma pessoa “comum” da sociedade.

A batalha da comunidade LGBTQ+ ainda vive uma fase de conquistas e certamente POSE surge em 2018, como um grito de vitória, principalmente por ser a primeira produção hollywoodiana com um elenco quase todo LGBTQ+. São os próprios humanos desta causa contando uma importante fase de sua história.

Além disso, a FOX trará POSE com legendas inclusivas, trocando os pronomes “a” ou “e” por X, fazendo que com que audiência se conecte e sinta agraciada com uma singela demonstração de respeito aos indivíduos de ambos os sexos.

POSE no Brasil

A série estreia na sexta, 28 de setembro, com todos os episódios de uma só vez no FOX App, para assinantes dos pacotes FOX+ e FOX Premium. E na TV, um novo episódio exibido por semana, também a partir de 28 de setembro, sempre às 22h, no FOX Premium 1.

Boa maratona!

Küsses,

Comente via Facebook!

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

8.8
O bom
  • Blanca é uma personagem tão completa! E a atriz é SUPER talentosa!
  • Adoramos a direção frenética e cheia de movimentos, bem Ryan Murphy!
  • Os bailes são realmente luxuosos.
  • No primeiro episódio tem uma homenagem ao filme Flashdance de 1983
O ruim
  • Alguns diálogos bem repetitivos, mas nada que atrapalhe.
  • O ambiente do "baile" é apresentado, mas pra entender BEM o que é o movimento, precisa saber antes.
  • Direção
    9
  • Elenco
    10
  • Produção/ Fotografia
    8
  • Roteiro (primeiro episódio)
    8
Categorias
CríticasSéries

Ver também