CRÍTICA | Punho de Ferro – Temporada 01 – Sério mesmo Netflix?

Punho de Ferro é a pior série da Marvel e Netflix As primeiras impressões passaram longe de qualquer percepção positiva, mas sempre existia a esperança que Punho de Ferro...
punho de ferro

Punho de Ferro é a pior série da Marvel e Netflix

As primeiras impressões passaram longe de qualquer percepção positiva, mas sempre existia a esperança que Punho de Ferro fosse dar uma melhorada nos episódios restantes. Infelizmente, não rolou.

Primeiramente, o que é Punho de Ferro?

Punho de Ferro é a última série / herói a ter sua série solo antes da mini-série Defensores que unirá Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e o rapaz desta série. O personagem Punho de Ferro (Finn Jones) é um herdeiro de uma corporação bilionária chamado Danny Rand. Quando criança, seu jatinho particular cai na cordilheira do Himalaia. Seus pais morrem na queda, mas ele sobrevive. Por sorte, é encontrado por monges de K’un-Lun, uma cidade celestial que existe fora de nossa realidade.

Em K’un-Lun, Danny treina Kung Fu até se tornar digno de participar de um torneio de artes marciais sagrado. O vencedor do torneio terá o direito de enfrentar Shao Lao, o Imortal – um imenso dragão que caso derrotado, concede ao guerreiro o poder do Punho de Ferro, uma técnica que permite que o lutador concentre o chi em qualquer parte do corpo, tornando o indestrutível.

15 anos após seu desaparecimento, Danny decide voltar para Manhattan e recuperar sua empresa. Ele se depara com uma Corporação Rand tomada por Joy (Jessica Stroup) e Ward (Tom Pelphrey), filhos de Harold Meachum (David Wenham), o falecido melhor amigo de seu pai. Rand precisa provar que ele é o verdadeiro herdeiro da empresa, eliminar a presença do Tentáculo, um clã ninja maligno que se infiltrou na empresa (e inimigos jurados do Punho de Ferro, por algum motivo), e se descobrir no mundo.

A série…

Para não dar muitas voltas, a série simplesmente é um saco. Nos quadrinhos, existe uma mitologia rica em torno das “armas vivas” (guerreiros, que como o Punho de Ferro, possuem habilidades especiais), o papel de K’un-Lun e artes marciais. A trama apresentada na Netflix não mostra nada disso, preferindo investir todo o visual em chatíssimas cenas de intrigas corporativas e um lenga-lenga envolvendo mercado imobiliário e manipulações que só funcionam porque Danny Rand mal atende as exigências para ser considerado um analfabeto funcional. Todos os elementos interessantes do herói nos quadrinhos nunca são mostrados e apenas comentados. Danny nunca mostra um singelo flash back, mas fala incessantemente sobre seu tempo em K’un-Lun.

Ao contrário de Jessica Jones e Luke Cage, Punho de Ferro é uma série que não tem como envolver comentários sociais. Era para ser uma série de ação, afinal, seu personagem principal é praticamente um personagem de anime. Infelizmente, Finn Jones já admitiu em entrevista que ele teve duas (2) semanas para treinar artes marciais e todas as cenas de ação eram elaboradas e ensaiadas no dia. E sim, é gritantemente aparente que até os episódios dirigidos por diretores que sabem fazer bons episódios de ação sofrem com a falta de organização.

A Filha do Dragão

Para não dizer que não existe alguma coisa que vale a pena na série, existe Jessica Henwick. Ela interpreta Coleen Wing, uma heroína da Marvel especializada em artes marciais que costuma lutar com uma katana. Ela tem um passado misterioso que é interessante, suas cenas de ação são consideravelmente melhores (obrigado, Kevin Tancharoen) e ela como personagem muito mais marcante que Finn Jones e sua interpretação preguiçosa.

É uma pena que a Marvel e Netflix não pensaram em desenvolver a série com ela no papel de protagonista. Seu relacionamento com o Tentáculo, suas motivações e sua presença física fazem a audiência esquecer que ela não é a personagem principal.

E o veredito final

A mini-série Defensores promete ser uma espécie de Vingadores para a ala adulta de heróis da Marvel na Netflix. Era de se esperar que alguns elementos deste projeto seriam revelados em Punho de Ferro. Não é o caso. Trata-se de uma trama enfadonha, mal dirigida, com um ritmo exaustivo e um protagonista mal desenvolvido e mal atuado. Assista apenas se você não é familiarizado com histórias em quadrinhos e não quer ficar perdido na estreia da próxima série.

Até a próxima!

P.S.: Conhece o Papo Gibi? É um projeto que a Freakpop desenvolveu em parceria com o Bar Gibi e o site BesTV. Já fizemos um episódio que fala sobre Punho de Ferro:

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categories
Críticas

RELATED BY