[CRÍTICA] Quarteto Fantástico – Que tal Quarteto Adequado?

Longe de ser fantástico, o novo Quarteto Fantástico não impressiona O Quarteto Fantástico, a primeira família do Universo Marvel tem uma longa e complicada história de adaptações para o...

Longe de ser fantástico, o novo Quarteto Fantástico não impressiona

O Quarteto Fantástico, a primeira família do Universo Marvel tem uma longa e complicada história de adaptações para o cinema. Desde 1994, a FOX tem readaptado os personagens em tentativas desesperadas de evitar que a propriedade voltasse para seu estúdio criador. Sua mais recente adaptação mantém a chama acesa desta longa tradição de entregar aos fãs versões insossas de Reed Richards e sua família.

quarteto-fantástico-04

O novo longa, dirigido por Josh Trank (Poder Sem Limites) tenta uma abordagem mais realista do Quarteto Fantástico com uma abordagem mais hard sci fi para a origem de seus poderes e com dinamismo entre as personagens. Desta vez, Reed (Miles Teller), um jovem e brilhante cientista, é recrutado pela Fundação Baxter para ajudar a criar um teletransportador interdimensional. Junto com Susan Storm (Kate Mara), seu irmão Johnny (Michael B. Jordan) e o excêntrico e arrogante Victor Von Doom (Toby Kebbell), eles conseguem concluir o tal projeto, mas quando os executivos gananciosos™ tentam tirar o projeto de suas mãos, Reed, seu melhor amigo Ben Grimm (Jamie Bell), Johnny e Victor correm para serem os primeiros a conhecerem a tal dimensão. Obrigatoriamente, algo dá errado, eles ganham poderes e começam seu longo rumo para se tornar o tão conhecido Quarteto Fantástico.

quarteto-fantástico-02

O longa dedica dois de seus três atos explorando a origem dos heróis e seus poderes sem grandes cenas ou visuais fortes, um verdadeiro pecado para um filme com um adjetivo tão gritante no título. Tanto o laboratório no edifício Baxter, a base militar onde eles aprendem a usar seus poderes e a dita “nova dimensão” estão entre os sets mais desinteressantes já filmados. Algo que já complica uma narrativa plana e sem grandes reviravoltas. Quarteto Fantástico parece um trailer de 100 minutos para um filme que nunca acontece.

A grande verdade é que Quarteto Fantástico é um filme chato! Apesar de ter um elenco sólido e bem engajado, os diálogos insossos, as incessantes cenas das personagens afundadas em pesquisas e construções de maquinário e a trilha sonora sonolenta, não ajudam a trazer à tela uma versão marcante destes super heróis.

quarteto-fantástico-03

O filme corre para trazer um terceiro ato mais cheio de ação, mas parece que um diretor fantasma assumiu a produção. O pouco que se mostra da promessa narrativa de manter estas personagens mais realistas é jogado pela janela em a frases clichês e de efeito quando eles finalmente unem forças para derrotar Victor Von Doom. A Marvel é frequentemente criticada por seus antagonistas unidimensionais e sem impacto, mas a FOX se superou trazendo à tela um supervilão entediante, com motivações genéricas e um ar de “mal porque o filme precisa de algo para ser derrotado”.

quarteto-fantástico-01

Infelizmente, ao deixar de lado toda a teatricalidade que o Doutor Destino tem nos quadrinhos, vemos que a equipe por trás de Quarteto Fantástico nunca teve uma visão clara de o que fazer com o vilão. Nas HQs, Von Doom é um monarca, tirano, filho de uma mãe cigana, super cientista que não tem medo de usar magia e tem uma rivalidade maniaca com Richards. Enquanto Reed constantemente derrota Destino com seu intelecto superior e seu humilde macacão azul, Doom fica cada vez mais artificial em seu claro complexo de inferioridade que tem contra o Senhor Fantástico. Um dinamismo que traria muita riqueza para a trama, mas que é deixado de lado em prol de uma versão maléfica de um boneco de testes de colisão com os poderes de Tetsuo do filme Akira.

quarteto-fantástico-05

Até as obrigatórias referências aos elementos famosos dos quadrinhos como o “Tá na hora do pau!” de Ben Grimm ou sua rivalidade com o Tocha Humana, que vive a importuná-lo com suas pegadinhas, são jogados de forma gratuita no longa e até deixam estes pequenos preciosismos do quarteto com um ar de maldade (a primeira e única piadinha do Tocha Humana com o Coisa é muito mais gratuita e maldosa do que o que estamos acostumados a ler).

Infelizmente, não será desta vez que os fãs terão uma adaptação emocionante do Quarteto Fantástico. Temos aqui uma versão no máximo morna. Alguns mais extremistas dirão que Quarteto Fantástico jamais daria um bom filme, para estes, eu relembro o que a Pixar conseguiu fazer com Os Incríveis.

O filme estreia dia 6 de Agosto nos cinemas brasileiros.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Criticas

Ver também