CRÍTICA | Sharp Objects - Episódio 8 - Milk - "Don't tell Mama!"

Que plot twist mais f**a!

Sharp Objects chegou ao fim e nós temos muito o que conversar sobre a frase final: “Don’t tell Mama” (Não conte para a mamãe)

O último episódio de Sharp Objects é marcado por tensão, revelações e vergonha. Intitulado como “Milk“, aqui acompanhamos Camille (Amy Adams) resolvendo peitar a mãe para por um fim nessa história antes que Amma (Eliza Scanlen) morra também. No final do episódio anterior, descobrimos que a matrona da família foi a responsável pela morte da filha mais nova por envenenamento. Portadora da Síndrome de Münchausen por Procuração, ela mantinha a filha doente para a mesma ser dependente dela. O problema é que o excesso de “remédio” a matou.

Com essa evidência em mãos, Camille informa seu editor, Frank (Miguel Sandoval), que irá resolver isso de uma vez por todos e retorna para casa. Chegando lá, a família está reunida para jantar e a jornalista toma o leite da mesa e também é envenenada. Nesta atitude, consciente ou não, Camille consegue tirar o foco de Adora da meia-irmã e passa a ser a filhinha querida da matriarca.

Em um momento de melhora, ela suplica que Amma procure Richard (Chris Messina) para contar o que está acontecendo, mas a jovem sob efeito do remédio não consegue sair da casa. Em um momento de desconfiança, Richard vai até a mansão atrás de Camille, mas Alan (Henry Czerny) fala que ela saiu com umas amigas. Mesmo vendo o carro de Camille no local, ele vai embora.

O terror que reina na casa dos Crellins! Enquanto Camille rasteja no chão, quase desfalecida, uma sirene azul e vermelha toma conta da iluminação do local e Frank chega no local como um verdadeiro herói a tempo de salvar sua funcionária e a irmã dela. O alicate usado para extrair os dentes das vítimas é encontrado e Adora vai presa.

Até aqui, tá tudo bem. Mas a trama continua

Richard quando chega na casa vê o corpo de Camille. Num momento de profunda vergonha, ele entende o comportamento que ela teve com ele. A jornalista e Amma são levadas para o hospital e o caso é encerrado.

Já em Saint Louis, as duas irmãs estão morando juntas e Amma tem a chance de reconstruir sua vida. Em um dia “normal”, Amma e a filha da vizinha estão sumidas há horas e Camille desconfia. Ela resolve mexer na maquete da mansão de sua casa, que Amma tem obsessão e passou toda a trama mexendo na mesma. Ao retirar o telhado da casa, ela percebe que o chão do quarto de Adora é todinho forrado por dentes. Amma entra no quarto neste momento e fala: “Don’t tell Mama!” (Não conte para a mamãe!) e o episódio acaba.

A verdadeira assassina de Sharp Objects é Amma

Esta revelação final é estarrecedora. A jovem ser a responsável pelas mortes das duas meninas da cidade é algo tão doentio quanto Adora manter as filhas dependentes dela. Sua motivação é simples: ela era ciumenta. Adora, como uma mulher poderosa na cidade e respeitada por todas, era o alvo de inveja e de poder nos momentos de problemas na cidade. Sempre presente na vida dos moradores e constantemente procurada pelo delegado da cidade, Amma não sabia lidar com essa presença de sua mãe.

Também temos um passado que rege na vida de Adora. Ela era constantemente ignorada por sua mãe, o que a transformou em uma mulher controladora e doente mental. Adora revela parte de seu passado para Camille enquanto cuida dela e a questão genética surge em tela como um ponto que transforma essas mulheres em pessoas psicóticas.

Camille, por se cortar a vida inteira, sempre cresceu sendo “dependente de Adora”, a deixando longe do tal remédio que a mãe dava para as filhas. Basicamente podemos pensar que ela não envenenava a filha pois a já considerava doente. Quando adulta ela foi embora para a cidade grande e Adora transferiu a necessidade de sua síndrome para Amma.

Existe um arco fascinante em Sharp Objects que é sobre relacionamento de mãe e filha. Óbvio que não temos uma mãe “normal” nesta trama, mas o efeito disso em uma família é algo estranhamente atraente. Ainda sem sabermos o final da trama, a relação de Adora com Camille já adulta,  sendo uma mulher serena depois de tudo o que ela passou e fez com o próprio corpo, trouxe para a história uma reflexão de que é possível ser forte mesmo quando há tantos elementos psicóticos comandando um lar. Camille cresceu em uma casa doente, teve uma juventude cercada de doença, perdeu sua irmã para a doença da mãe e ainda sim foi embora para tentar se restabelecer.

Camille é uma fortaleza e um suspiro de esperança. Um exemplo de que família não é algo para sempre e que muitas vezes você acabará sem ninguém de sangue nessa vida. Sharp Objects tem uma trama factível, revoltante e que causa reações nauseantes em quem assiste.

A série, baseada na obra literária de Gillian Flynn, soube dar uma “cara” para a história com muita tensão e um elenco excepcional. Amy Adams e Patricia Clarkson certamente entregaram uma das melhores atuações de suas carreiras e Sharp Objects é uma das mais incríveis produções da HBO.

Mas pode acabar por aí

Não precisamos de uma continuação, como Big Little Lies terá. A mini-série funciona neste formato e será referência no gênero de suspense e drama. Não precisamos ir além disso. A experiência de assistir Sharp Objects é certamente marcante e merece ser vista e revista para observar a forma como a trama é construída.

Todos os episódios de Sharp Objects já estão disponíveis na HBOGo. Assista! Vale muito a pena.

Küsses,

Leia todas as críticas por episódio abaixo:

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

10
O bom
  • Camille é uma heroína!
  • Que tensão
  • Mórbida, mas Sharp Objects é uma das melhores séries da HBO
O ruim
  • Faltou sabermos mais de Alan e entender o que ele é de fato
  • Cadê a explicação da mordida na orelha na namorada de John?
  • Faltou entendermos melhor a o relacionamento do delegado com a Adora, mas é legal imaginar que existia apenas uma tensão sexual.
  • Direção
    10
  • Elenco
    10
  • Roteiro
    10
  • Produção/ Fotografia
    10
Categorias
CríticasSéries

Ver também