CRÍTICA | Talvez Uma História de Amor é um romance imperdível

Talvez Uma História de Amor é um romance nacional perfeito para os apaixonados de plantão

Talvez Uma História de Amor é um longa envolvente e apaixonante

Você já imaginou como seria acordar pela manhã e ser abandonado por alguém que te ama e que você não lembra? Confuso né? Talvez Uma História de Amor é exatamente sobre isso: um homem acorda numa manhã qualquer e ouve um estranho recado deixado em sua secretária eletrônica por uma pessoa que ele nem sequer conhece.

Virgílio foi abandonado

Virgílio (Mateus Solano) é um homem diferente. Dono de uma inteligência extraordinária, ele é metódico e controlador. Segue uma rotina, exerce seu trabalho todos os dias sem grandes sonhos e quase consegue viver em uma bolha segura que lhe garante pouco contato social.

Um belo dia, após acordar no mesmo horário de sempre, ele ouve em sua secretária eletrônica um recado deixado por Clara (Thaila Ayala), uma jovem que o ama mas que acaba de abandoná-lo por “não dar mais” para ficar na relação.

Em choque, Virgílio começa uma longa jornada atrás de informações sobre a Clara, já que ele não lembra absolutamente nada.

Vizinhos, amigos de trabalho e antigos colegas afirmam que deve ser difícil pra Virgílio ficar sem a moça, já que, pelo jeito, o amor dos dois era algo super intenso. Ele descobre o quanto a Clara mudou pra ficar com ele e vice-versa, e assim resolve encontrá-la de qualquer jeito, procurando em uma figura desconhecida o verdadeiro amor.

Talvez uma história não…É uma história de amor

O longa é uma graça! Daqueles que inspiram os corações com suspiros leves e uma sensação mágica de que o amor à primeira vista realmente existe.

Ao longo dessa corrida contra o tempo, Virgílio descobre que foi em uma festa que ele conheceu a Clara e, por ser super certinho, ficou bêbado ao confundir um drink de abacaxi com um suco. Foi nessas ficar “soltinho”, que o jovem se encantou por Clara. Eles ficaram um bom tempo juntos, mas quando Clara propôs uma mudança radical na vida dos dois, Virgílio entrou em pânico e a apagou de sua memória.

Esse resgate de um amor não resolvido por uma pessoa que ele nem ser quer se lembra, resulta em uma trama com diversos elementos interessantes. Ele precisa sair da sua “bolha de segurança máxima” e ir atrás das pessoas que possam ter alguma informação sobre a Clara. Isso faz com que ele quebre totalmente a sua rotina.

Em seguida, ele descobre diversos comportamentos dele mesmo, no passado, que ele não julga correto. Parece que quanto mais ele procura pela Clara, mais ele se auto-descobre. Fazendo com que o personagem tenha uma catarse sobree si mesmo. Algo realmente apaixonante em tela, principalmente com um Virgílio interpretado pelo talentosíssimo Mateus Solano.

Vale a pena?

SIM! Viaje pelos pensamentos e atitudes de um personagem carismático e apaixonado pelo “nada”. O longa é um reflexo delicioso sobre o que as pessoas são capazes de fazer quando apaixonadas e, apesar do clima bobinho de filminho da Sessão da Tarde, Talvez Uma História de Amor conta com uma direção competente de Rodrigo Bernardo e um elenco fantástico.

Divirta-se com Virgílio em sessões de terapia achando que está louco, abandonando o seu emprego pra procurar Clara e perdendo o sono até encontrar a sua alma gêmea.

O longa foi filmado em São Paulo e Nova York e ainda conta com uma participação especial e empolgante de Cynthia Nixon (Sex and The City).

Completam o elenco: Totia Meirelles como Dra. Marcia Bruner, a terapeuta de Virgílio; Marco Luque como Otavio, colega de trabalho; Paulo Vilhena como João, irmão de Clara; Bianca Comparato como Katy, uma vizinha de Virgílio que o ajuda na busca pela jovem e Dani Calabresa como Lisa, uma peça chave para que ele encontre Clara.

O longa está em exibição nos cinemas.

Küsses,

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

8.8
O bom
  • Mateus Solano é puro charme e carisma.
  • Bianca Comparato em uma atuação bem diferente de 3%
  • Romântico e leve, Talvez Uma História de Amor é encantador mesmo.
  • Direção
    10
  • Roteiro
    7
  • Produção/ Fotografia
    8
  • Elenco
    10
Categorias
CriticasFilmes

Ver também