[CRÍTICA] The Flash – T02E03 – “Family of Rogues”

The Flash ajuda com terapia familiar! Ao contrário do Batman que lida com seus vilões doentes mentais com doses diárias de Soconacarazol®, The Flash sempre teve um relacionamento um...

The Flash ajuda com terapia familiar!

Ao contrário do Batman que lida com seus vilões doentes mentais com doses diárias de Soconacarazol®, The Flash sempre teve um relacionamento um pouco mais amigável com sua galeria de vilões. Na adaptação para TV, sua relação com Leonard Snart, Capitão Frio (Wentworth Miller), é um dos pontos altos da série. No terceiro episódio desta temporada, todo o drama da invasão da Terra-2 é deixado de lado para explorar um pouco o lado heroico do vilão. No meio da temporada o personagem vai se mudar para uma casa nova em Legends of Tomorrow, então é importante mostrar que ele não é tão mal assim.

O pai de Leonard Snart e sua irmã Lisa, Lewis (Michael Ironside – General Katana de Highlander 2, sim, é a única referência que importa) não pretende ganhar nenhum prêmio de pai do ano. Para convencer seu filho de participar em uma série de assaltos, paizão coloca uma bomba na cabeça de Lisa. Legal né? Puta pai exemplo. O Team Flash se divide em dois para resolver o problema. Cisco e Caitlin no STAR Labs tentam remover a bomba de Lisa, enquanto Barry se infiltra na gangue de Lewis para salvar Leonard. O suspente e o entrosamento entre as duas cenas é brilhantemente dirigido e continua a mostrar porque The Flash está entre as melhores séries de super herói da atualidade.

Talvez a premissa seja um pouco forçada considerando o quanto Barry estava desconfiado de Jay Garrick no episódio passado. Aqui ele chega confiando demais em Snart, que convenhamos, nunca foi flor que se cheire. Por outro lado, o romance de Barry com Patty Spivot continua a todo vapor e o casal flerta do Jitters pela décima quinta vez. Não vejo a hora de ver o episódio onde o Jitters é revelado como o epicentro do multi-verso.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Críticas

Ver também