[CRÍTICA] The Flash – T02E15 – King Shark

The Flash enfrenta o Tubarão Rei! Nem tudo está em paz em The Flash. Apesar do resgate bem sucedido de Jessie, o time testemunha a morte de Jay, Barry...

The Flash enfrenta o Tubarão Rei!

Nem tudo está em paz em The Flash. Apesar do resgate bem sucedido de Jessie, o time testemunha a morte de Jay, Barry fica chocado ao ver suas ações resultarem na morte do Joe West da Terra-2 e ver seu sósia casado e feliz com Iris não deve ser fácil. E é claro, quando nosso herói está em seu estado mais melancólico, soturno e contemplativo, precisamos de alguns personagens de Arrow para manter o clima chuvoso.

John Diggle e Lyla Michaels vão para Central City em busca de um fugitivo da ARGUS: O Tubarão-Rei. Ter o homem mais rápido do mundo como auxiliar com certeza ajuda, especialmente quando o vilão da semana é um tubarão humanoide de algumas toneladas. Era de se esperar que Diggle oferecesse um dos seus já cansados discursos motivacionais semanais para Barry, mas felizmente, sua presença só serve para divertir o ex-soldado sisudo impressionado com as habilidades do Flash.

Naturalmente, com um personagem que precisa de recursos visuais avançados, o Tubarão não aparece muito no episódio, mas sua batalha com o Velocista Escarlate é um ponto alto da temporada. E é claro, Cisco, o nerd de plantão, não perde a oportunidade de fazer uma quantidade enorme de piadinhas sobre o filme Tubarão.

Em paralelo, o relacionamento de Barry com Wally ainda é complicado. Apesar da oportunidade perfeita para ambos “irmãos” se conhecerem melhor, o tom depressivo do herói e sua propensão a ser apressado causa mais atrito do que o bem. Naturalmente, aqui é The Flash, e em uma conversa com Joe e Iris, Barry conta o que ele testemunhou na Terra-2 e se mostra ainda profundamente afetado por não ter conseguido evitar a morte do sósia de Joe West. Uma cena que seria completamente absurda se não fosse pela sinceridade que Grant Gustin consegue transparecer em sua atuação.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Críticas

Ver também