crítica de Temporada 1 de Titans na Netflix

CRÍTICA | Titans – Temporada 1 – Uma série ousada da DC

Confira nossa crítica de Titans - Temporada 1, nova série da DC com o Robin no papel principal e com personagens como os Jovens Titãs e Patrulha do Destino!...

Titans – Temporada 1 estreia na Netflix e é uma boa aposta para séries de super-heróis

Cacete… vocês se lembram da época que a gente tinha que se contentar com séries como a Aves de Rapina ou aquela adaptação medonha da Witchblade? Ou um pouco antes disso que o mais próximo que tínhamos de uma série de super-heróis era Xena: Princesa Guerreira? Hoje em dia é praticamente impossível acompanhar todas que vem estreando. A meta da DC em séries é criar conteúdo suficiente para você jamais precisar depender de qualquer outro universo narrativo para suas necessidades dramáticas. E com Titans, temos mais um tijolo nessa gigantesca muralha.

Titans – Temporada 1

Originalmente lançada na plataforma de streaming, DC Universe, Titans é uma nova adaptação live action dos heróis da DC e não é vinculada nem aos filmes nem ao Arrowverso. Acompanhamos Dick Grayson (Brenton Thwaites) que deixou para trás seus dias de Robin e sua parceria com o Batman para se tornar um detetive na polícia de Detroit. O treinamento e o condicionamento psicológico imposto pelo seu mentor deixou muitas marcas. Apesar de querer largar sua identidade secreta, ocasionalmente ele ainda usa o manto do Menino Prodígio e brutalmente espanca criminosos em becos escuros.

Um dia, surge uma garota na delegacia, seu nome é Rachel (Teagan Croft) e ela possui poderes demoníacos, capazes de matar pessoas, ler seus pensamentos e até mesmo milagrosamente curar ferimentos. Ela está sendo perseguida por homens misteriosos. Surge também uma mulher misteriosa chamada Kory (Anna Diop), que tem poderes de fogo. Apesar de sofrer de amnésia, se sente compelida a proteger Rachel. Eventualmente, o grupo também ganha um novo entrante quando Gar Logan (Ryan Potter), um garoto que se transforma em tigre entra para o grupo.

O grupo enfrenta um culto misterioso que envia agentes para capturar Rachel, formando tênues alianças com outros super-heróis e acima de tudo, aprendendo a atuar juntos como verdadeiros Titãs.

Ideia interessante, mas…

Titans tem ideias boas. É difícil criar uma série mais sombria sem cair no brega ou no cansativo. Ao colocar Robin como protagonista e adapta-lo como alguém traumatizado pelo seu tempo como vigilante, temos uma abordagem nova de herói que foge um pouco das incontáveis adaptações por aí. Esse Robin ainda tem o coração de um herói, mas seu tempo como soldado do Batman o tornou completamente incapaz de viver no mundo normal. Como diz a velha expressão, “ele voltou para casa, mas trouxe a guerra consigo”.

Acompanhamos também uma nova versão dos heróis Columba (Minka Kelly) e Rapina (Alan Ritchson), vigilantes que estão no limite e prestes a se aposentar porque não aguentam mais, assim vemos o peso que a vida dos heróis traz para o dia a dia. Em contraste, Donna Troy (Conor Leslie), que um dia foi a Moça-Maravilha, mas aprendeu que como Donna pode fazer mais bem ao mundo do que o ocasional espancamento de bandidos.

Tudo isso cria um plano de fundo fascinante em Titans, mas o tom sombrio e dark começa a cansar depois de um tempo. Os heróis vivem tão afundados na sua própria amargura e tragédia que o roteiro mal se preocupa em criar antagonistas marcantes para a primeira temporada. Leitores dos quadrinhos vão sacar rapidamente quem é o antagonista principal que move os pauzinhos nos bastidores, mas a presença dos vilões é rara.

Falta um pouco de sutileza no roteiro de Titans, Akiva Goldsman é um dos produtores e criadores da série, e sua obra é marcada por falta de subjetividade e uma necessidade quase compulsiva de fazer os personagens gritarem suas motivações e sentimentos como um anime shonen de segunda categoria.

Porém…

Mesmo assim, quando Titans – Temporada 1 acerta, ela acerta em cheio. O episódio que nos introduz à Patrulha do Destino, outro super grupo da DC é recheado de momentos brilhantes. As cenas de ação são viscerais e belamente coreografadas. As caracterizações são bem pensadas, e apesar de as vezes cansarem, são intrigantes suficiente para te manter investido na série.

Por ser uma série feita completamente sob a égide da DC, não existe aquele pisar em cascas de ovos das séries do Arrowverso. Batman, Superman, Mulher-Maravilha quando não aparecem na série, são mencionados e entendemos que aqui é um universo inteiro que já existe e não precisamos aguardar passinhos de formiga para construir novos personagens.

Além do episódio da Patrulha do Destino que nos deixou bastante empolgados com a estreia do spinoff, o episódio final que coloca Grayson de volta em Gotham City para confrontar seu antigo mentor traz uma inventividade e uma ousadia ao personagem que realmente impressionou.

Titans tem seus problemas, o ritmo é um pouco inconsistente, o tom precisa ser ajustado, mas é uma bela aposta para quem busca uma produção mais ousada e violenta do universo DC.

Titans – Temporada 1 já está disponível no Brasil na Netflix.

Até a próxima!

Comente via Facebook!
Nota
7.6
Nota
O bom
  • Nível de produção absurdo.
  • Traz adaptações de personagens obscuros, o que sempre é legal, especialmente na DC.
O ruim
  • Falta um pouco de ação.
  • Alguns episódios são escuros demais! Mas isso pode ser a idade avançada daquele que vos escreve.
  • Direção
    9
  • Roteiro
    7
  • Elenco
    8
  • Enredo
    6.5
Categorias
CríticasSéries

Ver também