[CRÍTICA] Um Namorado para a Minha Mulher – Não ousa, mas é engraçadinho

Produção nacional, Um Namorado para a Minha Mulher estreia dia 1º de setembro Ingrid Guimarães e Caco Ciocler protagonizam uma comédia romântica interessante, mas pouco ousada. Dirigida por Julia Rezende,...

Produção nacional, Um Namorado para a Minha Mulher
estreia dia 1º de setembro

um-namorado-para-a-minha-mulher-nacional-3Ingrid Guimarães e Caco Ciocler protagonizam uma comédia romântica interessante, mas pouco ousada. Dirigida por Julia Rezende, o longa conta a história de um casal estagnado. De um lado, Ciocler dá vida ao antiquarista Chico. Do outro, Guimarães é Nena, uma jornalista desempregada, amargurada e que passa o dia todo em… Casa. Após anos de relação, os interesses, amigos e dia a dia se tornaram sem graça, deixando Chico cada vez mais apagado e Nena cada vez mais ranzinza. Na tentativa de reacender o casamento, Chico contrata Corvo (Domingos Montagner) para “conquistar” sua mulher sem que ela peça o divórcio.

Este longa é uma versão brasileira do argentino Um Namorado para a Minha Esposa (2008), que é mais dramático do que cômico. Um Namorado Para a Minha Mulher está mais para uma adaptação do americano Amigos, Amigos, Mulheres à Parte, também de 2008, que pincela com mais leveza os problemas de relacionamento de um casal onde o homem contrata ajuda profissional para reconquistar sua mulher. Inclusive o desenrolar da trama entre Nena e Corvo se assemelha ao filme americano. Quem não assistiu, fica a dica.

Corvo é um artista circense esquisitão. Misterioso, de poucas palavras, com um visual rock star e dono de frases charmosas para engambelar qualquer mulher. Ainda assim, sua profissão não é muito relevante para a trama, exceto para sustentar uma cena plagiada do Guera é Guerra (2012): mocinho romântico, leva mocinha ainda não conquistada para uma tenta circense para brincar de trapézio. Eles caem na rede de proteção e  se beijam.

Chico é bobão! Bobão mesmo! Passivo, regradinho, acata tudo o que a mulher fala. Só lhe falta uma coleira. Um estereótipo bastante incomodo, mas que no domínio de interpretação de Ciocler, se torna um personagem bem carismático. E Gastão é um jovem empresário das internets da vida. Para quebrar um galho para Chico, ele aceita empregar Nena contanto que o marido da ranzinza quarentona cubra o salário. É num acordo de cavalheiros que toda a opinião sincera e entalada da jornalista vira hit no Youtube.

É no meio desses tipões, que o roteiro se desenrola em um filme bem dirigido, que explora São Paulo na medida certa, tem boas piadas – quase todas asseguradas pela Ingrid Guimarães – e que se estabelece como uma boa comédia nacional sem ser pastelão, caricata, pejorativa, preconceituosa ou escrachada, como certos filmes já lançados.

A comédia consegue ser mais interessante pela personalidade de Nena do que pelo relacionamento a três que é apresentado. Ela é uma mulher difícil. Aliás, difícil não, ela é chata mesmo! O famoso jargão “sem papas na língua” define nossa protagonista. Ácida, apática, mal humorada e resmungona, Nena fala o que pensa sem pensar. Sacou? Ela simplesmente reclama de tudo! Da vida, do carro, do cachorro, da vizinhança, das notícias nos jornais, das redes sociais, do comportamento e da existência humana. Esse temperamento tem algum motivo ou lhe falta a motivação correta para melhorar. Ah! E a sinceridade extremamente sincera de Nena garante boas risadas do público.

Um Namorado Para a Minha Mulher é despretensioso, sem dúvida será um sucesso de bilheteria no Brasil e diverte por ser moderno e não precisar apelar para atrair o público. Não é um dos melhores trabalhos da diretora, ainda gostamos mais do resultado de Ponte Aérea e Meu Passado Me Condena 2, mas vale a pipoca e a ida no cinema.

Küsses,

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também