[CRÍTICA] ‘Vai Que Cola – O Filme’ – A série do Multishow que virou filme

Vai Que Cola – O Filme estreia dia 1º de Outubro nos cinemas Vai Que Cola é um sitcom do canal de TV por assinatura Multishow que já está...

Vai Que Cola – O Filme estreia dia 1º de Outubro nos cinemas

Vai Que Cola - o FIlmeVai Que Cola é um sitcom do canal de TV por assinatura Multishow que já está em sua terceira temporada. Dirigida por César Rodrigues e João Fonseca, a série conta a história de Valdomiro Lacerda (Paulo Gustavo) que vai morar em uma pensão no bairro do Méier, na cidade do Rio de Janeiro, após um falcatrua em uma empresa de engenharia que ele era sócio. Tendo que deixar todo luxo e conforto do Leblon, bairro nobre da cidade, ele é acolhido por Dona Jô (Catarina Abdala) dona da pensão. Chegando lá, Lacerda tem que lidar com o fato de não ser mais rico entre as confusões dos demais moradores. Terezinha (Cacau Protásio) é uma viúva de bicheiro que fala alto e adora uma cerveja gelada. Wilson Carlos (Fernando Caruso) é um “faz-tudo” da pensão que também tem uma paixão fogosa por Dona Jô. Ferdinando (Marcus Majella) é o zelador do local que nas horas vagas ensaia para ser um cantor famoso de cabaré. Jéssica (Samantha Schmütz), Máicol (Emiliano D’Ávilla) e Velna (Fiorella Mattheis) formam um triângulo amoroso pra lá de confuso. Essa turma toda vai morar junto no Leblon após Lacerda, estranhamente, recuperar seu apartamento e coincidentemente a pensão estar fechada em função da queda de um muro.

O longa retrata essa experiência dos moradores do Méier de mudança para um bairro nobre, enquanto o ex-sócio de Lacerda, Valdo (Márcio Kieling) o convence de usar Dona Jô de “laranja” para vender a cobertura para pagarem as dívidas da empresa junto à Receita Federal. O que eles não esperavam era que Ferdinando, Velna, Terezinha, Wilson, Jéssica e Máicol fossem se envolver em outras confusões no prédio de Lacerda. Ao longo da história, acompanhamos uma tentativa de relacionamento de  Jéssica com um pagodeiro famoso (Jonathan Haagensen), Máicol arrumando um emprego de porteiro e Wilson investigando os motivos da mudança dos moradores da pensão para lá.

Vai Que Cola – O Filme é uma adaptação cinematográfica que não requer conhecimento da trama sitcom para compreensão da história do filme, porém, personagens como o Ferdinando e Terezinha, podem causar um certo incômodo e vergonha alheia por serem extremamente caricatos, histéricos e estereotipados. Durante a coletiva de imprensa realizada hoje, 28 de setembro de 2015, em São Paulo, o diretor César Rodrigues afirmou que ele tomou muito cuidado em manter a estrutura dos personagens já conhecida pela audiência para que o filme atraia os fãs. Na série, o dinamismo entre o elenco ocorre em diversos quadros, o palco do Multishow é rotativo e explora as temáticas separadamente, dando abertura aos atores de interpretarem de forma leve, irreverente e muitas vezes improvisada. Já no filme esse dinamismo ficou confuso e cansativo, visto que em diversas cenas temos todos os personagens juntos e quase sempre Lacerda aparece para quebrar o ritmo e fazer comentários preconceituosos na tentativa de ser engraçado.

O apelo cômico de Vai Que Cola – O Filme é banhado em um humor deselegante com profunda crítica social de forma pejorativa. Com o sucesso da série, que já tem sua quarta temporada confirmada, e que inclusive já rendeu um spin-off do Ferdinando – também transmitido pelo Multishow, o projeto ganhou força e apoio para virar um filme, que sinceramente não resulta em um longa relevante.

Vale a pena conferir Vai Que Cola – O Filme nos cinemas? Não. Dessa vez o cinema nacional deu chute na água, mas talvez, bem talvez, os fãs da série gostem. Não sabemos porque, mas tudo bem.

Küsses,

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também