Verdade ou Desafio - terror da Blumhouse

CRÍTICA | Verdade ou Desafio - mais um filme de terror da Blumhouse

Verdade ou Desafio. Todo mundo já brincou esse jogo quando era mais novo

Verdade ou Desafio é o novo filme da Blumhouse

Verdade ou Desafio. Todo mundo já brincou esse jogo quando era mais novo, ou quem sabe ainda jogue, mas nunca desse jeito e com essas consequências.

Típica rotina de quase adultos americanos: amigos, férias de primavera, festas e bebidas. Uma fotografia quente que aparece no comecinho do filme traz um verdadeiro déjà vu de muitos e muitos filmes de terror que assistimos durante nossa vida. Um mistério que começa a se apresentar e (insira mentalmente uma onomatopeia de decepção) uma cara que fica desfigurada da maneira mais cômica possível.

Pronto: o que deveria ser assutador, vira alvo de risadas de todos.

Corta o filme para uma cidade, a fotografia muda completamente, se tornando mais real, sem efeitos, apenas a vida como ela é. Olívia (Lucy Hale, eterna Pretty Little Liar) é uma quase mulher que planeja uma viagem totalmente altruísta, cuida de suas redes sociais e seu sucesso no Youtube, quando é intimada pelos amigos a acompanha-los para uma viagem para o México. Acompanhamos de diálogo bem fracos, os amigos entregam a trama na primeira cena: menina apaixonada pelo namorado da melhor amiga, melhor amiga com problemas em casa e estrago tá feito. Você sabe que isso tem tudo para acabar mal.

Viagem programada, malas feitas, estrada viajada, chegada nas festas. Essa moçada do filme sabe expor sua vida na internet… fotos, filmes, vídeos, snaps e tweets. Olívia sozinha, conhece um rapaz e passa a noite conversando com ele, para não ter que ficar aturando a amiga e o seu amor juntos.

Convite feito: todos vão para uma outra festa com esse estranho (e sem julgamentos, a maioria das pessoas já conheceu alguém e foi atrás sem saber exatamente no que estava se metendo). Eis que aparece o jogo: Verdade ou Desafio.

Jump scares

O “Premonição” da nova geração abusa da técnica dos jump scares e mostra um grupo de amigos bem imaturos, que resultam em falta de originalidade, comprometimento, e novamente, caras assustadoras e muitas, mas muitas risadas nos momentos em que deveríamos sentir medo e gritar.

Vale lembrar que o filme teve um custo muito alto para o que apresenta: efeitos bem precários.

É divertido? Vale assistir? Sem dúvida. É um filme que você não lembrará por mais que 5 minutos, a não ser que crie um tipo de piada pós longa com seus amigos e use a cara bizarra do demônio (ah sim, tem um demônio) como meme.

Compre sua pipoca, garanta seu lugar e boa diversão.

bisous bisous

Comente via Facebook!
Nota
2.1
Nota
The Good
  • O elenco tem atores bons, conhecidos. Porém, percebemos uma falta de envolvimento com os personagens
  • o melhor momento do filme está justamente no final, quando Olivia ...bom, Olivia mostra inteligência.
The Bad
  • Toda vez que alguém se desentende, antes de conversar, a pessoa que está mais brava, dá as costas e vai embora, mostrando que a falta de maturidade dos personagens condiz bem com a idade de cada um deles (ponto para o diretor, apesar de contribuir para a fraqueza do roteiro)
  • Não cansamos de falar mal da cara "assustadora"que eles desenvolveram para esse jogo. É muito engraçada e faz com que a gente pare de levar o filme a sério.
  • Direção
    2
  • Roteiro
    2
  • Elenco
    2.5
  • Produção / Fotografia
    2
Categories
CriticasFilmes

RELATED BY