Defendendo os Simpsons

“Simpsons parou de ser bom na XXX temporada.” Já ouvi algo parecido muitas vezes de diversas pessoas. Parece que todo mundo registrou uma temporada que Simpsons deixou de ser...

“Simpsons parou de ser bom na XXX temporada.”

Já ouvi algo parecido muitas vezes de diversas pessoas. Parece que todo mundo registrou uma temporada que Simpsons deixou de ser Simpsons. Será que é verdade? Sempre defendi a qualidade da série e os méritos das temporadas mais recentes e isto só parece deixar as pessoas mais irritadas.

SUA OPINIÃO É DIFERENTE DA MINHA!? COMO OUSA!?

Antes de você, meu caro leitor, fechar a página e começar a me xingar por e-mail ou no twitter, gostaria de explicar porque Os Simpsons é tão criticado ultimamente e onde pode haver falha nesse criticismo.

Tudo Começou…

Como muitas pessoas que criticam Simpsons (não que eu não seja uma delas), conheci a série quando ainda era criança, apesar da premissa ser um pouco confusa, tinha muito apelo para crianças. Tratava-se de um desenho animado, o tipo de entretenimento que sempre foi associado à crianças, porém com palavrões e violência. Ao mesmo tempo, a estrutura de Simpsons era estranhamente familiar, como se já tivéssemos visto algo parecido antes, mas não sabíamos exatamente de onde, isto é porque…

Era Uma Paródia de Tudo Que Você Havia Visto Antes…

Os Simpsons nasceu em um período interessante da TV norte-americana. Em 1989, todo entretenimento caseiro americano era providenciado por 3 grandes emissoras: CBS, NBC e ABC. Os sitcoms apresentados nesta emissora seguiam sempre um formato semelhante de uma tradicional família em situações vagamente cômicas. É difícil de entender nos dias de hoje, com a ampla variedade de canais e meios de entretenimento facilmente acessíveis, mas existia uma época onde todo entretenimento norte-americano e consequentemente todo o rosto da cultura pop era moldado por estas três emissoras.

Caras & Caretas, transmitida originalmente na Rede Globo Anos Incríveis, que passava na TV Cultura

Em 1986, uma nova emissora surge nos televisores, a Fox Broadcasting Company. Tentar brigar de frente com o trio de gigantes seria suicídio, portanto a jovem emissora mostrava-se mais disposta a arriscar em sua programação. Um ano depois, em um programa de variedades da emissora, o Tracey Ullman Show, surge uma série de curtas animados chamada de OS SIMPSONS. O sucesso dos curtas foi tão grande, que três anos depois, eles ganhariam vida própria em uma série de meia hora no horário nobre de domingo.

A série, que não vou descrever em detalhes aqui, afinal, quem nunca ouviu falar, era uma paródia de todos os seriados apresentados pela NBC, CBS e ABC até então. A série apresentava todos os clichês de Sitcoms, o pai atrapalhado, a mãe protetora, o filho malandro, a filha CDF, o bebê e diversos momentos icônicos de seriados, filmes e convenções da cultura pop, porém de forma absurda e surreal. A Fox junto aos Simpsons basicamente formaram a contra-cultura televisiva no momento, outros programas com conteúdo mais crasso logo viriam em seguida como a série Married… With Children (Um Amor de Família).

Ok, mas se eramos crianças, como que vamos entender isso?

Porque Crescemos…

Então, eramos crianças assistindo uma série para ver o humor pastelão e palavreado chulo. Conforme fomos crescendo e aprendendo, conseguimos observar que a série tinha diversos níveis de humor, e mesmo os episódios antigos eram muito mais geniais do que havíamos imaginado! Ao longo dos anos os Simpsons desconstruiu e satirizou todos os aspectos da cultura pop norte americana e o público norte americano em si.

O fato que anteriormente toda a cultura pop era fabricada por um grupo relativamente pequeno de empresas tornava o entendimento da sátira que era Os Simpsons muito mais fácil. Você não necessariamente precisava assistir os programas que Simpsons tirava sarro, mas você conseguia entender o que estava sendo parodiado.

E de repente, no meio dos anos 90…

Surge Uma Tal de Internet…

A internet, além de ser um fantástico repositório de pornografia, também ajudou a consolidar grupos de gostos alternativos (nerds, geeks, furries, trekkies), se você tinha um gosto por algum livro ou série de TV obscura ou filme desconhecido, de repente você podia se relacionar com milhares de pessoas com o mesmo gosto e consequentemente qualquer elemento obscuro da cultura pop tinha uma voz ativa e uma demanda notável. Séries como Game of Thrones, Lost e Fringe nunca teriam sobrevivido algumas décadas atrás por serem muito peculiares e fugirem demais do escopo tradicional de séries, assim como filmes como Senhor dos Anéis e Vingadores jamais teriam visto a luz do dia se a internet não tivesse providenciado um canal para entusiastas destas propriedades intelectuais. Consequentemente, isto…

Fragmentou a Cultura Pop…

Com a TV a cabo e a Internet, o domínio intelectual da NBC, CBS e ABC foi completamente destruído. Enquanto nos anos 90, poucas séries como Arquivo X e Twin Peaks atraíam públicos únicos, a década de 2000 apresentou milhares de séries para atender todos os tipos de gostos. Não existia mais um consenso de o que era “popular” pois todo tipo de propriedade tinha um público rentável. Para uma série que sempre satirizou elementos conhecidos pelo público em geral, os Simpsons acabou perdendo um pouco o fôlego. E neste momento da história é onde surgem as críticas. Críticos da série alegam que Os Simpsons não fazem piadas como antigamente ou que as sátiras não têm mais a mesma acidez.

Aqui eu mostro este erro. Os Simpsons nunca deixou de parodiar a cultura pop, mas nos dias de hoje, é impossível criar uma série que seja acessível para todos os públicos e nichos. A cada episódio novo, a série se limita a explorar um tema único da cultura pop contemporânea, como Facebook, Lady Gaga, Crepúsculo, Glee, video games violentos ou as peripécias partido republicano americano. A série hoje apresenta uma diversidade de conteúdo muito maior, mas ao mesmo tempo, cada episódio, obrigatoriamente vai alienar um segmento de telespectadores. É impossível hoje alguém ser familiar com todos os elementos da cultura pop (ao menos que você dedique horas excessivas pra isso porque você tem um blog pra escrever) e assim Simpsons aparenta “perder qualidade”.

Ou Seja…

Isto torna Os Simpsons ruim? Sob esta ótica, para chamar Os Simpsons de ruim ou irrelevante nos dias de hoje deveríamos alienar e criticar as demais séries que seguem a mesma premissa como South Park, Família da Pesada, American Dad e The Cleveland Show, entre outros. Inclusive, as séries que acabei de mencionar extraem boa parte de seu humor de referências dos anos 80 e 90, onde a cultura pop era muito mais uniforme e constante. Simpsons, sob este ponto, ainda tenta ser inovador e explorar o potencial humorístico de tudo que vem sido produzido em termos de entretenimento, ciências e cultura em geral.

Os Simpsons, desde sua gênese, sempre foi uma série razoavelmente inconsistente em termos de qualidade, porém sempre entregou boas risadas e acredito que sempre terá uma presença especial e de destaque na cultura pop mundial.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
OpiniãoSéries

Ver também