EXCLUSIVO | Connie Nielsen conta tudo sobre Hipólita, a mãe de Mulher-Maravilha!

Entrevista exclusiva com Connie Nielsen, a Rainha Hipólita e mãe de Mulher-Maravilha Um dos melhores filmes da DC chegou aos cinemas no Brasil. Mulher-Maravilha, encantadoramente interpretada por Gal Gadot,...

Entrevista exclusiva com Connie Nielsen,
a Rainha Hipólita e mãe de Mulher-Maravilha

Um dos melhores filmes da DC chegou aos cinemas no Brasil. Mulher-Maravilha, encantadoramente interpretada por Gal Gadot, já está em exibição e esteja preparado para se emocionar muito! Dirigido por Patty Jenkins, o longa também conta com Chris Pine e Robin Wright no elenco. Nesta aventura, acompanhamos a Mulher-Maravilha deixando o conforto da Ilha Paraíso para embarcar em uma jornada letal no Mundo dos Homens.

A crítica completa e sem spoilers de Mulher-Maravilha você lê aqui ó! Abaixo, um bate-papo exclusivo com Connie Nielsen, responsável por dar vida a Rainha Hipólita, mãe de Mulher-Maravilha.

O que te atraiu em Mulher-Maravilha?

Eu tive um encontro incrível com a diretora Patty Jenkins, entre o Natal e o Ano Novo em Londres. Tínhamos agendado um almoço por talvez uma hora, que foi prolongado para quatro horas e, honestamente, nós poderíamos ter continuado a conversa por dias. Eu me senti absolutamente conectada com Patty logo de cara e eu realmente me apaixonei pela visão dela por este filme. Ela tem uma energia e sabedoria incrível, e perspicácia como uma contadora de histórias; e uma forma maravilhosa de adentrar em uma imagem até os detalhes e depois voltar para a imagem geral. Ela é uma diretora brilhante.

Depois, nós conversamos sobre o que gostaríamos de fazer com essas super-heroínas e como seria a natureza do poder de Hipólita como líder e mãe.

Enquanto eu lia o livro da Adrienne Mayor, Amazons, eu compartilhei alguns insights do livro com a Patty sobre algumas mudanças interessantes na perspectiva entre antropólogas e historiadoras mulheres que, baseadas em novas evidências genéticas, estão mudando a noção predominante de que mulheres estão só recentemente chegando ao poder – e que as Amazonas, ao invés de serem míticas são, na verdade, caracterizações mitológicas de verdadeiras guerreiras que floresceram nas planícies da Ásia durante séculos, se não milênios.

Quando a produção começou, qual foi a sua experiência colaborativa com a Patty?

No passado, as vezes eu tive um pouco de dificuldade ao compartilhar ideias com o diretor sobre a personagem quando, por exemplo, o diretor não estava interessado na experiência ou perspectiva feminina, ou, por outro lado, via a personagem com uma ideia já definida de feminilidade. E com a Patty, em Mulher-Maravilha, sempre foi divertido e maravilhoso por que eu sentia essa intensa confiança e eu podia me abrir e compartilhar ideias com ela.

Patty tem esta habilidade incrível de extrair o melhor de você enquanto você trabalha. Você não quer desapontar a Patty. Você quer ser o seu melhor porque você quer vê-la crescer. Você quer ser parte do “kit de ferramentas” que a Patty vai usar para dar vida à essa história incrível.

Existe uma incrível dinâmica entre a Hipólita e sua filha Diana. Como foi trabalhar com a Gal Gadot que interpreta Diana?

O nosso relacionamento de trabalho começou antes mesmo de eu conhecer a Gal. A Patty me disse: “Eu não vejo a hora de você conhecer a Gal. Ela tem uma energia incrível. É tão positiva (a energia) que isso irá te tocar.”. E foi o que aconteceu. Eu genuinamente gostei da Gal, tanto como artista quanto pessoa.

Gal traz vários elementos maravilhosos para Mulher-Maravilha. Ela tem essa graciosidade natural que faz com que todas as acrobacias e ação realmente ganhem vida e, claro, sejam condizentes com a personagem.

Como a Hipólita encarou a decisão de Diana de deixar o “ninho” de Themyscira para se aventurar neste estranho mundo que a Diana não conhece?

Como mãe, Hipólita dá para Diana seu amor completo, inalterado e incondicional. Isso vem com qualquer mãe, desde o momento em que ela está gravida. Em algum momento, as crianças estão preparadas para sair do ninho, os filhos brigam para serem eles mesmos. A mãe apoia este processo, mesmo quando isso tira a maior história de amor de sua vida. É assim que Hipólita se sente em relação a decisão de Diana de ir embora de Themyscira.

Hipólita também está sofrendo com esta bela profecia que ela não pode revelar a Diana. Todos os grandes mitos tem uma profecia secreta que um dos personagens está tentando escapar. Hipólita guarda este conhecimento para si e não pode dividir com a filha. Ela conhece o mundo, Diana não. Ela não está preparada para o que ela está prestes a enfrentar e isso irá machuca-la.

Para exibir o poder físico de uma Amazona, você passou por um treinamento rigoroso e usou armaduras pesadas. Como foi isso?

É interessante como as personagens Amazonas, incluindo Hipólita, usam essas armaduras espetaculares. Então eu estava lutando com praticamente um corset duplo (risos). Enquanto a armadura me mantinha protegida de certa maneira, também foi um problema para realizar alguns movimentos físicos que eu pratiquei, o que significa que eu tive que treinar duas vezes mais para sustentar o esforço enquanto eu estava bem apertada, e a equipe de acrobacias foi incrível, garantindo nossa segurança e fazendo nossos movimentos parecerem naturais.

Eu sempre fui de correr, mas para Hipólita eu tive que ganhar alguns músculos e uma força real para as acrobacias. Todo um regimento massivo foi desenvolvido para nós, incluindo uma dieta de muitas calorias e muita proteína. As mudanças eram radicais e eu tive que treinar muito, tipo 6 horas por dia. Eu consigo ser disciplinada quando eu preciso, e isso se tornou uma importante parte no preparo da personagem. Eu tive que forçar o meu corpo a fazer mais repetições, com pesos crescentes, para de fato começar a ver a diferença no meu corpo porque eu estava em uma forma física bem diferente.

Fazer tudo isso depois dos “5.0” é uma coisa complicada. Foi um pouco surreal alcançar a melhor boa forma da minha vida, enquanto eu me tornava uma Amazona e uma espadachim. E tem sido incrível.

Vocês filmaram na Costa Amalfitana, o que foi espetacular. Como foi trabalhar lá?

Eu morei na Itália por muitos anos, então foi tudo bem. Eu amei filmar lá.

O que você espera que a audiência leve do filme ao assistir no cinema?

Bem, primeiro a audiência está prestes a ver uma história e show incríveis. Mulher-Maravilha é realmente divertido. Tem acrobacias fantásticas e eles verão coisas jamais vistas em um filme antes. São absolutamente espetaculares e de tirar o fôlego. A história é pessoal e foi escrita, dirigida e atuada com muito coração.

Eles verão 50 Amazonas guerreiras em cavalos em batalhas gigantes e um plano de fundo de Primeira Guerra Mundial em efeitos visuais fantásticos. Mulher-Maravilha é uma viagem completa.


Depois dessa entrevista, fica impossível não se apaixonar, ainda mais, por Mulher-Maravilha! Tratem de ver nos cinemas! Ok?

Küsses,

Comente via Facebook!
Categorias
Criticas

"Crítica" de cinema - prefiro 'analista de entretenimento', fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah...#TeamCap

Relacionados