Jessabelle

Terror/suspense faz mais do mesmo e inova bem pouco. E não, não tem nenhuma boneca e nem relação com a Annabelle Mais um terror na área! E com um...

Terror/suspense faz mais do mesmo e inova bem pouco. E não, não tem nenhuma boneca e nem relação com a Annabelle

Mais um terror na área! E com um nome bem incomum, diga-se de passagem. E arriscado. Ao procurar na internet coisas sobre Jessabelle, muitos confundiam com Annabelle, achavam que tinha algo com o filme da boneca demoníaca e afins. Mas não. Jessabelle apenas tem um nome ‘peculiar’, pois o enredo é bem diferente. Jessie/Jessabelle, após sofrer um acidente de carro, precisa morar com o pai ausente enquanto recupera o movimento das pernas. A moça foi criada pela tia, após a mãe morrer de câncer quando ela ainda era um bebê e o relacionamento com o pai é bem conturbado.

a079c540-c96d-11e3-8fad-81e8db1153bd_jessabelle_photo_gs

Na casa Jessie sente a presença de outra pessoa – que não pertence a este mundo – e, enquanto assiste fitas gravadas pela mãe ainda grávida, começa a perceber que a história da família é mais complicada do que parecia no início. A premissa é boa, porém o andamento do filme é lento e demora para esclarecer ou dar pistas sólidas que ajudem o espectador a se envolver com os personagens. Sarah Snook (Beleza Adormecida) interpreta uma Jessie/Jessabelle apática e sem as expressões típicas de alguém que está sendo assombrado. Joelle Carter (O Encantador de Cavalos) faz a mãe doente, um pouco demente no final da vida, gravando VHS para que a filha possa conhecê-la no futuro e segura bem esta atuação: até chegar aos minutos finais do filme e mostrar uma faceta bem diferente.

O filme aborda o misticismo, com leituras de tarô para o bebê (que não fazem sentido – apenas no final percebemos o link de fato), vudu e possessão, Jessabelle pegou a receita de A Chave Mestra (2005), e deu uma nova roupagem. Apesar de a história ser bem arramada e explicar sutilmente os fatos que acontecem durante os 90 minutos de terror, a direção peca um pouco com o ritmo, com momentos mais parados do que estamos acostumados em uma produção que deveria ter mais sustos e gritos.

Até mais!

Comente via Facebook!
Categorias
Criticas

Ver também