Mark Gatiss – Um aperitivo da coletiva em São Paulo – Parte II

A Freakpop Studios teve a oportunidade de ficar no mesmo metro quadrado que Mark Gatiss. Respiramos o mesmo ar. Rimos com ele. Sabem qual é este sentimento? É fantástico!...

A Freakpop Studios teve a oportunidade de ficar no mesmo metro quadrado que Mark Gatiss. Respiramos o mesmo ar. Rimos com ele. Sabem qual é este sentimento? É fantástico! E queremos que vocês, leitores freaks, sintam como é essa sensação. Selecionamos as melhores perguntas da noite e transcrevemos para vocês!

 

Freakpop:Você fará uma participação em Game of Thrones no papel de Tycho Nestoris. Entre Sherlock e Doctor Who e mais essa, você planeja domínio total da cultura pop? Já devemos começar a criar nossas camisetas de Gattis For Emperor?

Mark Gatiss: Eu gosto de pensar nisso como um diagrama Venn da minha aposentadoria, assim posso ir para as convenções e ser famoso por Sherlock, Doctor Who, Game of Thrones e Being Human, tudo. Um do lado do outro. Eu fiz Game of Thrones, só um episódio até agora, meu personagem foi introduzido um pouco antes do que nos livros. Eu faço Tycho Nestoris, como você falou (Freakpop), o líder do Banco de Ferro. Foi rápido, só participei por três dias, mas espero que gostem da minha participação. Eu gostaria muito de ser imperador, eu já fui rei, então, sim gostaria muito de ser imperador… do universo.

Freakpop: Existe uma certa semelhança no comportamento de Sherlock e o Doutor (apesar de um ser sociopata e o outro altruísta). Ambos são excêntricos, obcecados em resolver o problema e sempre arrastam alguém junto. Esta semelhança foi intencional ou é o reflexo de um tipo de personagem que já virou arquétipo?

Mark Gatiss: Isso é fato, você consegue ver a influência enorme de Sherlock Holmes na criação de Doctor Who. Nas primeiras séries, eles voltavam bastante nessa ideia. Especialmente no primeiro Doutor, que era um personagem que era bem difícil de aproximar e não era fácil de gostar. Existem similaridades entre os shows porque eu e Steven (Moffat) trabalhamos em ambos (risadas), mas obviamente não são iguais. Existem fortes razões para ambos serem personagens atraentes, não é só o casaco também. São personagens distintos e excêntricos. Steven fala bastante que “O Doutor é basicamente um anjo que quer se tornar humano e Sherlock é um humano que quer se tornar um anjo” e o Doutor, por mais que seja amigável, ele sempre mantém sua distância. E Sherlock também, mas eu diria que ele é o menos atrativo entre os dois.

Estas foram as perguntas que nossa equipe fez para o roteirista e ator. E sim, Mark Gatiss está louco para dominar o mundo! Preparem as camisetas!

mark_gattis_freakpop_studios_evento_sao_paulo

Pergunta: Gostaria de saber sobre as personagens femininas de Sherlock: a Mary tem muito destaque na série, gostaria de saber se ela terá mais destaque nos próximos episódios. Não só ela, como a Molly e a Mrs. Hudson. A Mary manterá status de personagem secundário, ou podemos esperar mais dela?

Mark Gatiss: Ah sim. Podemos dizer que muitos personagens de Sherlock Holmes nas histórias originais tiveram muito pouco destaque, a própria Mrs. Hudson mal pode ser considerada uma personagem. Muitos deles ganharam maior participação por meio dos filmes. Na nossa série a transformamos em um personagem muito maior com sua própria história e personalidade. A personagem da Mary nos contos originais era só a esposa de Watson e essencialmente é só uma pessoa que só vê durante o café da manhã ou diz algo como “Ok, vai passear”, obviamente fizemos muito mais com ela e continuaremos a fazer isso. Não posso contar ainda, mas foi uma tentativa muito ousada de me fazer revelar mais (risos). É interessante ter um grande elenco de personagem onde podemos trabalhar melhor seu papel na história e dar mais destaque quando necessário, dando uma riqueza maior para a história e indo além de histórias de detetive.

Pergunta: Na última temporada de Sherlock, tivemos a oportunidade de ver o Sherlock mais “família”. Seu relacionamento com seu irmão (SherlockMycroft), nesta nova temporada vamos ver mais disso? E queremos saber se você também poderia revelar algum spoiler sobre o Moriarty (risadas).

Mark Gatiss: Vocês querem dizer se a relação entre o Sherlock e o Mycroft vai ser mais próxima? Não. Se você lembrar no final, ele estava drogado quando se declarou para o irmão. No fundo, Mycroft se importa bastante com Sherlock, mas ele se condicionou para não demonstrar isso. A forma que Mycroft descobriu para lidar com a realidade é não se aproximar de ninguém, eu acho, que é porque ele tem medo de se machucar. Acho que existem muitas pessoas que não formam relacionamentos ou arranjam animais de estimação por causa disso. Nós introduzimos a ideia de eles serem bem competitivos e não se darem bem, nossa inspiração foi o filme A Vida Íntima de Sherlock Holmes, de Billy Wilder, porque achamos que era um lugar mais interessante para ir com os personagens do que os deixar amigáveis. Mas acredito que haverá tréguas momentâneas e é definitivamente um mundo onde um dia Mycroft poderá se tornar o vilão. Afinal, ele representa o braço pragmático do governo e seu pragmatismo é aterrorizante e eu não posso te falar nada sobre Moriarty. (risadas) Did you miss him? (risadas).

Pergunta: Qual é o seu processo para escrever? Você segue uma linha clara de narrativa ou você tem ideias e começa a estruturar até surgir algo? E qual o seu episódio de Sherlock?

Mark Gatiss: Meu processo de escrever é como de qualquer outro, ou seja, um inferno. Alguém uma vez falou que escrever é fácil, basta sentar e pensar até sua cabeça sangrar. Depende, com Sherlock em particular tiramos inspirações das histórias originais, às vezes um pouco, às vezes muito, mas com certeza é mais fácil quando você já tem algo para se basear. Mas com Doctor Who, por exemplo, é mais complicado, já que temos que criar o enredo do zero. Eu sou muito cuidadoso com o enredo. Eu estou escrevendo um episódio de Doctor Who no momento que a ideia central que eu tinha, e gostava muito, sumiu totalmente, talvez eu use mais para frente, mas é engraçado como nas revisões as coisas mudam. Meu episódio preferido é o Scandal in Belgravia, o que eu acho que, pensando em termos de cada episódio ser um filme, se mostrar somente este episódio, seria o definitivo. Eu tenho muito orgulho deste episódio, eu tenho orgulho de todos, mas até aí, só fizemos nove (risadas).

Pergunta: Qual episódio de Doctor Who que você escreveu que é seu favorito?

Mark Gatiss: Eu diria que é o Crimson Horror, que escrevi ano passado, foi totalmente diferente da história que eu havia planejado escrever. Foi do Norte da Inglaterra para o Norte (Scandinavia), pode parecer pouco, mas mudou totalmente. E seria interessante fazer o Doctor Who visitar mais países, inclusive aqui (risadas). Tinha um episódio antigo muito bom chamado The Mask of Mandrago que se passa na Itália renascentista, mesmo sendo filmado em Gales, e tem uma abordagem totalmente diferente dos demais episódios. É incrível.

Pergunta: O aniversário de 50 anos de Doctor Who foi um grande evento com apresentações em salas de cinema pelo mundo todo. Como você lidou com esta pressão?

Mark Gatiss: Eu lidei com isso porque não tive responsabilidade nisso (risadas), minha contribuição foi o Adventures of Space and Time, e é incrível ser parte desta história e o momento que Peter Crepaldi surge e mexe suas sobrancelhas foi completamente fora deste mundo! Foi loucura! O “50 anos” ficou em segundo lugar de bilheteria nos EUA no lançamento e ainda mais por ser Doctor Who! O sucesso pelo mundo foi impressionante e começaram a surgir pedidos para criarmos longa-metragens de Doctor Who e Sherlock. O que é engraçado, porque Sherlock já tem duração de filme  e qualidade de filme, mas aparentemente faz falta não passar numa tela de cinema. Hoje televisão tem um papel muito forte no entretenimento e estou curioso para ver o resultado destas mudanças. É bem interessante.

Sempre educado, com uma pose tipicamente britânica, Mark dominou a sala e respondeu todas as perguntas de maneira fantástica. Na saída da coletiva de imprensa Mark Gatiss foi recebido por muitos fãs, gritos e tietes. Internamente, estamos gritando até agora! Confira aqui o vídeo de nossas perguntas!

Gostaram? Se tivessem a oportunidade de fazer uma pergunta cara a cara para Mark Gatiss, seja sobre Sherlock, sobre Doctor Who ou qualquer outro projeto do roteirista, o que perguntariam?

Comente via Facebook!
Categorias
Notícias

Ver também