RESUMÃO | Relembre o que rolou em Grey's Anatomy temporada 14

Hora de pegar o lencinho....

A 14ª temporada de Grey’s Anatomy chega dia 1º de setembro na Netflix

Bora colocar o choro livre em dia! A 14ª temporada de Grey’s Anatomy chega na Netflix com uma fase sólida, emocionante e bastante madura da séria criada por Shonda Rhimes. E o melhor: com bem menos protagonismo de Dr. Meredith Grey (Ellen Pompeo).

Relembrando Grey’s Anatomy temporada 14

Triângulo amoroso: Nathan, Megan e Meredith

A temporada começa com um drama pesado na família de Owen. Sua irmã Megan, desaparecida há mais de dez anos, está viva e precisa de ajuda. Além de ter um filho fora dos EUA, a major também precisa de cuidados médicos que – obviamente – somente o Grey Sloan Memorial Hospital pode ajudar. Além disso, Meredith se vê num triângulo amoroso com Megan e Nathan – o médico gostosão que conseguiu abalar o coração da nossa protagonista.

No final das contas, Megan se recuperou, Owen tem sua irmã de volta, Nathan reata com a ex – e acaba acertando seus “ponteiros” com Owen e Meredith fica solteira e resolve enfiar a cara nos estudos.

“MAMMA MIA!”

Um divertido novo núcleo arma algumas confusões no hospital. DeLuca tem uma irmã lésbica chamada Carina. Fogosa, ela faz um estudo que envolve mulheres tendo orgasmo/masturbação e garante que, após gozar, a mulher libera um hormônio quase anestésico, que pode auxiliar no parto normal.

Além de atuar numa área, um tanto quanto delicada, nos divertimos com Carina brigando com o DeLuca em italiano e tentando conquistar o gélido coração de Arizona Robbins que está sem a filha que se mudou para Nova Iorque com a ex-mulher.

Carina é responsável por um ótimo alivio cômico meio a tanto drama que está por vir na temporada.

Tumor, drogas e sexo casual

A chata da Amelia – desculpe se você gosta dela, mas pqp como ela é chata – ainda segue com seus traumas pós retirada do tumor cerebral. Pra piorar, ela traz o Dr. Tom Koracik para ajudar a neuro num delicado caso. O cara, metidão e arrogante, foi professor dela e eles já tiveram um caso. Os dois matam a saudade, mas Amelia acaba focando em uma jovem viciada que tem um filho.

Owen e Amelia acabam construindo uma família fora do padrão, quando o médico e ex-militar adota o filho desta jovem. Enquanto ele se adapta à rotina de ser pai, Amelia vira mentora da menina tentando fazê-la largar os vícios.

Esta trupe é um tanto quanto interessante, já que, finalmente, temos um semblante mais humano em Amelia sendo despertado e a atriz dá um show de atuação. Owen como pai é uma das coisas mais fofas desta 14ª temporada.

Amor proibido

Se tem uma coisa que Grey’s Anatomy AMA por em seu roteiro é um amor proibido delicia pra transar na salinha de descanso dos médicos. O casal da vez é formato por Maggie (filha biológica de Richard) com Jackson (filho biológico de Catherine Avary). Apesar de não terem nenhum vínculo biológico, os filhos do casal veteranos tentam não entrar nessa relação, principalmente porque Richard é casado com a dona da fundação que mantém o hospital que é herança de Jackson. Confuso, né? Mas quem é fã entendeu.

Os dois tentam não se entregar para esta paixão, principalmente por que Jackson foi casado com April – com quem tem uma filha – e ele é chefe no hospital, apesar da Bailey mandar na porra toda. Enfim, aquele drama. Mas o amor do casal aquece a presença de Maggie na série e a chefe da cardiologia nos leva a rir e a chorar com seu jeitão atrapalho e tímido.

Harper Avery Award

A grande e desejada premiação Harper Avery premia Meredith por seus estudos. Acompanhamos todo o drama da nossa protagonista ganhando seu primeiro prêmio e a aparição de uma antiga colega de trabalho de sua mãe que alega que o prêmio ganhado por Ellis a pertence.

Essa parte é bem chata e só serve para que Pompeo apareça mais na série. No final das contas, essa trama tem uma reviravolta esperada, pouco dramática e bem típica “Meredith Grey”.

Ainda sobre a fundação Avery

Com a morte de um líder da fundação, Jackson ganha alguns bons milhões e financia uma corrida interna entre os médicos que se dedicarem a criar uma nova ferramenta/estudo médico. Essa oportunidade enche os olhos de todos os médicos, inclusive dos internos, que têm a oportunidade de encabeçar uma nova vitrine médica que pode mudar suas vidas.

A corrida pela descoberta revolucionária agita o hospital, mas deixa Jackson em uma situação delicada de anonimato. April assume como a médica organizadora e avaliadora dos projetos sem poder entrar com uma pesquisa. Ao longo do processo ela dá umas surtadas, mas no final uma grande equipe é vencedora.

Esta parte da trama também não é muito interessante, mas enche linguiça em meio aos dramas dos personagens.

Despedidas

Como toda temporada, alguns personagens se despedem a série. Arizona é uma delas. Após receber a visita da Dra. Nicole Herman (Geena Davis), ela recebe a oportunidade de trabalhar em uma clínica pediátrica especializada em Nova Iorque. Apesar da filha ser enviada para morar com ela, o relacionamento das duas está incompleto com a ausência de Callie. Após uma cirurgia de sucesso em Herman, ela aceita o convite e vai embora.

Outra personagem que saiu fora foi April. A mandona e religiosa médica passa por um acidente de carro, quase morre – e a audiência tem o pico de desidratação com as cenas – reconquista um antigo amor, se casa e vai embora.

Pra falar a verdade – e sabemos que o parágrafo acima é um resumo do resumo do que acontece – a personagem estava saturada e desalocada. Sua personalidade controladora já tinha dado. Isso também abre espaço para que Jackson viva seu novo romance. Falando a real: vai tarde.

E mais algumas coisas em Grey’s Anatomy

No meio disso tudo, ainda tivemos alguns bons momentos. Bailey teve um problema de coração e acabou ficando em casa. Isso deu espaço para ela estudar e inventar seu projeto que foi apresentado no concurso interno. Além disso, ela meio que abençoa a saída de seu marido da área de cirurgia e o bonitão vai trabalhar como socorrista. Uma nova carreira extremamente arriscada e que resulta em bons momentos de tensão entre eles.

Alex e Joe finalmente se acertam. O passado de Joe vem à tona, Alex quase fica maluco, mas as coisas se ajeitam. Também rola um fantástico reencontro de Alex com sua mãe e Joe se entrega para a relação de corpo e alma. No dia do casamento, uma atrapalhada dos convidados atrasa tudo e, no final, April se casa no lugar.

FIM

E mais uma temporada foi entregue. Certamente uma fase madura do seriado que, apesar de seus casos impossíveis e médicos super-heróis, finalizou muitas pontas abertas com personagens fixos. Tirar Pompeo do protagonismo, deu abertura de outros rostos ganharem mais destaques. Certamente os núcleos de Jackson e Owen garantiram boa parte da atenção da audiência.

Gostamos muito também da forma como Bailey cresceu nessa fase. Não só como mãe, esposa e chefe, mas também como médica, tendo que encarar desafios interpessoais e profissionais, tirando um pouco da sua casca de chefona.

Agora na NETFLIX, vocês poderão rever essa temporada e desafiar os ninjas cortadores de cebola quando April quase morrer.

Küsses,

PS.: Uma médica que saiu pra um spinoff retorna e ela está grávida!

Comente via Facebook!

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

7.5
O bom
  • Meredith apagada!
  • Owen seu lindo, vem cá amar a gente!
  • Tchau April!
O ruim
  • O médico convidado é chato. O neuro!
  • Alex tem momentos sem graça
  • O ex da Joe é um cara do Glee. Sei lá, só queríamos falar disso aleatóriamente
  • Direção
    8
  • Roteiro
    6.5
  • Elenco
    7.5
  • Produção/ Fotografia
    8
Categorias
CríticasSéries

Ver também