O Destino de Jupiter – Channing Tatum quer salvar a terra!

Os irmãos Wachowski estão de volta em uma ficção científica confusa porém com visual impecável. Depois da trilogia Matrix, do esquecível, porém divertido Speed Racer e do polêmico A...

Os irmãos Wachowski estão de volta em uma ficção científica confusa porém com visual impecável.

Depois da trilogia Matrix, do esquecível, porém divertido Speed Racer e do polêmico A Viagem, Andy e Lana Wachowski estão de volta em mais um filme de ficção científica que promete fazer a audiência enxergar tudo colorido ao sair do cinema. O Destino de Jupiter conta a história da diarista Jupiter Jones (Mila Kunis) que tem sua monótona vida virada de cabeça para baixo pela presença de um ex-militar geneticamente modificado e alienígena chamado Caine (Channing Six Pack Tatum), que tem como missão a manter viva.  Ao descobrir que suas raízes estão vinculadas à algo muito mais importante do que sua descendência russa, Jupiter embarca em uma alucinante, e confusa, viagem interplanetária com um único objetivo: combater três loucos irmãos e reivindicar seu título como dona da Terra.

Dona da Terra? Sim, do planeta Terra. Balem (Eddie Redmayne), Titus (Douglas Booth) e Kalique (Tuppence Middleton) são três ambiciosos irmãos que comandam, cada um, seus respectivos planetas e partilham a Terra entre si, já que o nosso planeta é a fonte da imortalidade dos irmãos. Com a descoberta das raízes de Jones, a jovem passa a ser o alvo de ganância, vingança e uma grande desculpa para os irmãos Wachowski gastarem um orçamento sem limites em produção visual.

O Destino de Jupiter tem uma premissa interessante, porém absurdamente mal executada. Os exageros dos irmãos que são os produtores, roteiristas e diretores do longa tornam o filme uma experiência cansativa e detalhista demais. O excesso de elementos visuais para a criação dos planetas tornam o desenvolvimento dos personagens muito superficial. O foco dos irmãos com certeza era o de impressionar, e de certa forma, mostrar pra Hollywood como se faz um CGI impecável. Apesar do enredo se perder e diversos personagens simplesmente sumirem ao longo da história, O Destino de Jupiter é um dos filmes mais ricos e bem feitos que já vistos nos últimos anos. É quase visível uma provocação meio #ChupaPeterJackson na tela.

Apesar de tudo, O Destino de Jupiter abre a temporada de blockbusters de 2015 muito bem. Mesmo com as falhas citadas acima e a quantidade obscena de diálogos previsíveis e engraçadinhos, o filme é muito divertido. Dentro da proposta de ser uma aventura com tons cômicos e românticos clichês, a experiência de curtir este filme numa sala IMAX em 3D é infinitamente melhor do que Transformers 4, Jogos Vorazes ou Divergente.

O Destino de Jupiter, visualmente falando, compete com Guardiões da Galáxia e homenageia série icônicas espaciais como Star Wars e Star Trek, que farão o telespectador curtir ainda mais o filme e praticamente esquecer suas falhas de continuísmo, personagens não finalizados e a caricata e irritante atuação de Eddie Redmayne. Sério, alguém manda esse cara estudar teatro de novo, pelo amor de Deus!

No fim, O Destino de Jupiter é tipo a Sofia Vergara, linda por fora, mas quando abre a boca…

O filme estreia dia 5 de fevereiro no cinema. Abaixo você confere uma galeria incrível com artes feitas para o filme que a Warner disponibilizou.











Até a próxima.

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também