O Hobbit: A Desolação de Smaug

Ufa! Site terminando de ficar pronto, por isso que as postagens andam meio… aqui e ali. Vamos falar de Hobbits (ou Hobbitses segundo o Gollum)! Primeira coisa sobre este...

Ufa! Site terminando de ficar pronto, por isso que as postagens andam meio… aqui e ali. Vamos falar de Hobbits (ou Hobbitses segundo o Gollum)!

The-Hobbit-Desolation-of-Smaug-Poster

Primeira coisa sobre este filme que é importante tirar do caminho é que sim, o filme é longo, longo tipo “história da sua vó sobre a fila do banco” longo. O Hobbit é um conto direto e simples que sofreu algumas revisões após o Senhor dos Anéis para deixar ambas sagas mais relacionadas, para transforma-lo em mais uma trilogia épica, Peter Jackson teve que colocar bastante água no feijão, pegando emprestado partes do Silmarillion, Contos Inacabados e até criando alguns personagens exclusivos para o filme.

Continuando do último filme, Gandalf, Bilbo e os 13 anões continuam fugindo de um grupo de Orcs em direção à Montanha Solitária para encontrar seus tesouros e derrotar o dragão Smaug. Na jornada se deparar com reinos élficos e cidades humanas, o que deixa a história mais variada. O grande problema do primeiro filme (apesar de ser um ótimo filme) é a ausência de material para quebrar a história, ou seja, o filme alternava entre cenas de caminhada e cenas de ação infindáveis.

Em Desolação, o universo dos Elfos é explorado em maior profundidade do que em Senhor dos Anéis, aqui, os elfos não são criaturas graciosas perpetuamente acompanhadas de músicas da Enya, mas são beberrões, arrogantes, violentos e racistas. Thranduil, Rei dos Elfos de Mirkwood e pai de futuro genocida de Orcs e amigo de anões, Legolas, é um verdadeiro escroto, e naturalmente, um dos personagens mais divertidos do filme. Mirkwood também traz de volta Legolas, que apesar de não aparecer no livro, aqui aparece em uma das mais divertidas cenas de ação do filme e já apresenta que sua tendência de homicídio em massa de Orcs já vem de muito antes da Sociedade do Anel. Se Tolkien tivesse continuado a história depois da derrota de Sauron, muito provavelmente a Terramédia inteira juntaria forças para impedir que Legolas continuasse armado…

The-Hobbit-The-Desolation-of-Smaug

Entre os elfos, surge o primeiro personagem exclusivo dos filmes, Tauriel, interpretada por Evangeline Lilly, além de adicionar um pouco de presença feminina nesse rancho de salsicha, mostra que desde seus tempos de Lost, Lilly tem muito potencial como atriz e faz em meia hora o que Katniss Everdeen não faria em 15 Jogos Vorazes.

tauriel-kicks-ass-in-new-tv-spot-for-the-hobbit-the-desolation-of-smaug-watch-now-149430-a-1385366847

Os humanos são introduzidos com a chegada em Laketown. Bard, um contrabandista e substituto de Aragorn tenta ajudar os anões a continuar sua jornada. Aqui novamente, o mundo dos humanos é explorado em mais detalhes, algo que não havia tempo em SdA. E assim como Thranduil, o Mestre de Laketown (interpretado pelo sempre incrível Stephen Fry), também mostra que nem todo mundo em Terramédia é um grande rei ou um sábio guerreiro. Naturalmente, para quem leu o livro, sabe o que acontecerá no terceiro filme e estas caracterizações ajudam bastante.

THE HOBBIT: THE DESOLATION OF SMAUG

Finalmente, a tão esperada aparição de Smaug. Sim galera Tumblr, não se preocupem, Martin Freeman e Benedict Cumberbatch aparecem juntos e conversam, é o suficiente para gerar mais 8 mil páginas no Pinterest. Cumberbatch faz mais de um papel no filme, além de Smaug o dragão, ele também faz o papel do Necromante. O Necromante é o Sauron, e Gandalf é usado para mostrar como o Senhor de Mordor volta a vida, junta um exército de Orcs e a Guerra do Anel começa. No livro, quando Tolkien precisava que Bilbo e os anões enfrentassem alguma dificuldade, Gandalf misteriosamente sumia, afinal, é difícil a situação ficar dramática com um mago todo poderoso do seu lado. No filme, Peter Jackson aproveitou para explorar o que o mago fazia em sua ausência.

Em suma, o filme pode durar alguns dias e em alguns momentos chega a ser cansativo, mas para fãs de Tolkien e sua obra, ainda é um prato cheio.

Até a próxima!

Categorias
Criticas

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Relacionados