O Juiz – Robert Downey Jr. e Robert Duvall como você nunca viu!

Em O Juiz, Duvall e Downey são pai e filho em novo drama de tribunal. A muitos anos que não tínhamos um filme no segmento de advogados. Após A Firma (1993), Sleepers:...

Em O Juiz, Duvall e Downey são pai e filho em novo drama de tribunal.

A muitos anos que não tínhamos um filme no segmento de advogados. Após A Firma (1993), Sleepers: A Vingança Adormecida (1996), Tempo de Matar (1996) e Uma Questão de Honra(1992) fazia tempo que não rolava um bom filme de drama que envolve um tribunal. Em O JuizRobert Downey Jr. e Robert Duvall revivem esse segmento muito explorado na década de 90 e entrega um longa satisfatório.

A trama em si é bem batida. Downey interpreta Hank Palmer, um advogado rico de Chicago que tem uma filha pequena e uma esposa adultera. Já Duvall é seu pai e juiz a mais de 42 anos em uma pequena cidade no interior dos EUA. Quando sua mãe morre, Hank viaja até o local e chegando lá precisa não só lidar com a frieza do pai mas também com uma investigação que levará o Juiz Joseph para a prisão. Entre o instável relacionamento com sua família e o pai sendo acusado de homicídio, Hank investiga o caso e tem algumas revelações que não ajudam a livrar seu pai da condenação.

Não há grandes reviravoltas e de longe a problemática te cativa ou marca. O filme fica em cima do muro o tempo todo e não sabe se cai para o lado do drama familiar ou se vira, de fato, um filme de tribunal. Essa incerteza de direcionamento faz com que O Juiz seja um filme pouco ousado. O que carrega o enredo são as atuações dos protagonistas e um roteiro que trabalha a construção e desconstrução dos dois personagens com fatos paralelos à trama central que envolve o Juiz.

No longa dirigido por David Dobkin (Penetras Bom de Bico, R.I.P.D – Agentes do Além e Jack, O Caçador de Gigantes), você chega a enxergar quatro personagens, Hank como advogado e filho, e Joseph como Juiz e pai. Esta sacada de roteiro é que prende a atenção do telespectador. As cenas de confronto no tribunal e as discussões familiares entre Hank e Joseph são de tirar o fôlego, não pela trama, mas sim pelas impecáveis atuações de Robert Downey Jr. e Robert Duvall. Talvez se o filme não contasse com dois grandes atores, O Juiz seria mais um longa dramático esquecível.

Outros três destaques do filme são Billy Bob Thornton como o advogado Dwight Dickman que vai desafiar Hank como homem e  advogado, Jeremy Strong como Dale Palmer, o filho mais novo de Joseph que é especial e Vincent D’Onofrio como Glen Palmer, o irmão mais velho de Hank e Dale que leva uma vida miserável após um trágico acidente em sua adolescência.

O longa ainda conta com Vera Farmiga (Invocação do Mal) e Dax Shepard (Uma Mãe para o Meu Bebê) e já está em cartaz em todos os cinemas. Vale a pena conferir? Sim, mas para vocês conferirem que Robert Downey Jr. não é só o Tony Stark e que Duvall é um cara que você nunca vai querer enfrenta na vida. Os dois atores estão sensacionais.

Até a próxima.

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também