Oblivion

Ok, antes de começar a review, Tom Cruise bateu o recorde, ele corre nos primeiros 5 minutos. Agora vamos lá: 60 anos atrás, o planeta Terra foi invadido por...

Ok, antes de começar a review, Tom Cruise bateu o recorde, ele corre nos primeiros 5 minutos. Agora vamos lá:

60 anos atrás, o planeta Terra foi invadido por alienígenas, apesar dos humanos vencerem a guerra, a troca de tiros foi tão devastadora que o planeta mal sobreviveu. Agora, Tom Cruise junto com sua parceira “Não-Julianne Moore“, estão entre os últimos habitantes do planeta. O resto da população vive em uma gigantesca estação espacial ou em Titã, a lua de Júpiter. Tudo vai bem, até um dia quando Tom Cruise encontra nos destroços de uma nave pré-guerra, uma misteriosa astronauta, “Não-Catherine Zeta-Jones” que está ligada ao seu passado. Quando o filme começa a ficar muito confuso, Morgan Freeman aparece para explicar direitinho o que está acontecendo e Jamie Lannister atira em Tom Cruise, causando o momento mais mágico na história do cinema.

Existem alguns filmes que sofrem do efeito “Hancock“, batizado em homenagem ao filme de Will Smith. Estes possuem uma premissa interessante, atores competentes e uma trama envolvente, mas alguma coisa na produção escorrega feio e o filme termina com uma qualidade abaixo do esperado, infelizmente, Oblivion é um desses casos:

Visualmente, o filme é impressionante, as cenas pós-apocalípticas são imensas e realmente realçam a solidão do personagem principal, a reviravolta final, apesar de previsível e um tanto quanto batida não comprometem a qualidade geral do filme. É difícil apontar qual é o fator problema neste filme. Tom Cruise está longe de ser o ator ideal para o papel principal mas não necessariamente é o problema… hmm…

SPOILER ALERT! SE CONTINUAR LENDO, AQUI TEM SPOILER!

Ok. Tem uma coisa. Existem clones de Tom Cruises espalhados pelo mundo e o Tom Cruise Principal é meramente um clone de um Tom Cruise Astronauta perdido no espaço. A Não-Catherine Zeta-Jones era a esposa do Tom Cruise Original. Morgan Freeman e seu fã clube do Mad Max recrutam o herói para ajudar a combater os alienígenas, ele foi escolhido por ser a exceção (como todo filme de ficção científica), apesar de um clone, apresenta traços comportamentais suficientes do original… uma espécie de “O Escolhido” que estes filmes costumam ter…

Só que no final do filme, Tom Cruise Principal se sacrifica e Não-Catherine Zeta-Jones fica sozinha… até Jamie Lannister aparecer com mais um clone de Tom Cruise que também possui traços do Tom Cruise astronauta… então… que diferença fez? Não poderia ser qualquer clone? Bastasse arranjar uma foto de Não-Catherine Zeta- Jones, já que todos possuem o mesmo padrão de comportamento e basta olhar para ela para reativas as memórias do passado…

FIM DE SPOILERS

Em geral, Oblivion poderia ser um filme fantástico, mas peca pela falta de ousadia e o excesso de clichês de filmes de ficção científica, criando uma experiência que apesar de visualmente impressionante, não traz nada de novo.

Até a próxima!

Ah, e o filme é baseado na HQ não publicada do diretor… sério… espero que depois de gastar 100 milhões de dólares, o cara consiga publicar né? Tadinho…

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Criticas

Ver também