The Leftovers – 1° Temporada – Ep.02 – Penguin One, Us Zero

O segundo episódio de The Leftovers começa a dar mais sentido para a história. The Leftovers é uma série típica do Damon Lindelof, existem inúmeros mistérios a serem revelados...

O segundo episódio de The Leftovers começa a dar mais sentido para a história.

The Leftovers é uma série típica do Damon Lindelof, existem inúmeros mistérios a serem revelados e o enredo caminha devagar em direção às revelações. Após um primeiro episódio introdutório que deixou mais perguntas do que respostas, o segundo episódio foca mais em alguns personagens e dá mais foco em suas vidas.

O complexo de Wayne vira alvo do FBI quando estes descobrem mais sobre o passado do suposto profeta, seus fetiches envolvendo orientais menores de idade e mais preocupante, sua influência no congresso americano. Em contraste com o que já vimos da série, Penguins One, Us Zero começa violento e caótico, com o complexo invadido pela SWAT e inúmeras mortes. Tom Garvey consegue fugir com a moça do episódio passado que ganha os doces (sério gente, tem mil personagens e eu não vou ficar voltando no IMDB todo santo parágrafo) e encontra Wayne em um local de fuga marcado. Aparentemente, o “poder” do dito cujo é abraçar para tirar os problemas e sofrimento das pessoas, que nem John Coffey em Espera de um Milagre mas com mais beijos na boca…. certo…

The Leftovers

Já Kevin Garvey está completamente pirado. Seu novo colega de matança de cachorros de rua permanece uma incógnita, impossível de ser rastreado e sem testemunhas, todos os personagens questionam a sanidade do chefe da polícia. Em uma cena sutil, porém muito bem construída, Garvey coloca um Bagel em uma torradeira e ele não sai pelo outro lado, em meio a tudo que ele tem passado com a perda de esposa, os cachorros e todo o resto, ficar sem seu pão torrado parece ser o cúmulo do azar.

O terceiro foco do episódio, e talvez, o menos interessante por falta de conectividade com o resto da trama, é o tempo que Meg passa com o Guilty Remnant (os culpados remanescentes), o misterioso culto silencioso que a esposa de Garvey faz parte. A mensagem do culto é interessante, afinal, ficaram para trás quer dizer que nada importa, eles não são os escolhidos, não são nada e por tanto, não devem se importar. Fumam compulsivamente e não falam pois nada importa mais. A jornada pessoal de Meg em se desapegar de sua vida em busca de uma razão para existir é interessante de acompanhar, mas ao mesmo tempo, por não ter muita ligação com o resto da narrativa, fica difícil dar a devida atenção.

The Leftovers

As meninas seguem Nora, a mulher que perdeu sua família inteira. Aparentemente, ela coordena um fundo pensionário para reembolsar pessoas que perderam membros da família no Evento. Se isso é realmente o que ela faz é ambíguo, tudo indica que na verdade ela faz isso como uma forma de se apegar ao passado, como se nada mudou. Em seu carro, ainda existem doces e CDs para seus filhos que não estão mais lá.

Finalmente, conhecemos o pai de Kevin. Internado em um hospício e aparentemente namorando a prefeita da cidade. Apesar de constantemente ouvir vozes, não se considera louco e possui uma visão mordaz e cínica incrível. Sua interação com o filho é a que mais beira o aspecto sobrenatural da série e promete revelações interessantes no futuro (por favor não seja viagem no tempo ou alienígenas). Voltando ao momento do bagel, Kevin corre para a estação da polícia, desmonta a torradeira e encontra seu pão torrado. Uma breve e curta vitória que se ergue como um monumento à normalidade.

The Leftovers ainda apresenta algumas dificuldades de ritmo mas a premissa promete grandes momentos a ainda vale a pena insistir mais um pouco.

Até a próxima!

 

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Críticas

Ver também