TWD | SE07 EP. 06 (Swear) e EP. 07 (Sing Me a Song)

TWD caminha para a pausa de mid season… Aliás, BEM devagar quase parando EPISÓDIO 06 – Swear QUEM SE IMPORTA COM A TARA??? EPISÓDIO 07 – Sing Me a Song...

TWD caminha para a pausa de mid season
Aliás, BEM devagar quase parando

EPISÓDIO 06 – Swear

QUEM SE IMPORTA COM A TARA???

EPISÓDIO 07 – Sing Me a Song

Agora sim. Ufa! Um dos melhores episódios da sétima temporada foi apresentado. Primeiramente AMC, senta aqui no colo da tia e vamos conversar: viu como é fácil fazer um episódio que se passa em vários ambientes? Temos a base do Negan, temos Alexandria e temos a galerê que tá no mato caçando coisas para pagar as contas com o vilão. Viu só que fofo? Deu certo. Enfim…Carl chegou na área dos Salvadores descendo bala na tchurma sem dó. Negan, ao invés de ficar emputecido, curte a atitude corajosa do rapaz. O jovem caolho mostra que tem mais culhões que seu pai e peita o Negan sem baixar o olhar do seu único olho.

Aqui, temos um desenrolar interessante do vilão que, finalmente, conquista por sua personalidade. Sim, é bem possível que você também tenha simpatizado com ele, e não se sinta mal por isso. Está tudo bem. Jeffrey Dean Morgan dá um show de atuação. Temos até a impressão que seu jeitão caricato foi amenizado neste episódio. O ‘Circo TWD‘ sai de cena para entrar traição, casamento poligâmico, dúvidas e medo.

Vamos ao resumão? Daryl segue sem banho. Rick está caçando. Michonne tem um plano para chegar até Negan. E Carl…bem, vamos focar nele, né?

O meninão conhece a base dos Salvadores. É apresentado para a opressão e controle de Negan (talvez este seja o único momento repetitivo para o espectador, porém para o personagem não já que seu único contato foi no início da temporada. Perdoamos a AMC, ok?). E tem que encarar o harém de esposas do antagonista. Visivelmente controladas por ele, fica no ar se ele coleciona esposas por tesão ou vingança, já que uma delas é a ex-mulher de Dwight. Carl está disposto a morrer, mas suas atitudes acabam instigando Negan a antecipar sua visita em Alexandria.

Chegando lá, em um tom cômico bem interessante, o dono da Lucille se diverte com torneiras, aposentos luxuosos e um tapete macio, até entrar em um dos quartos e conhecer Judith. Agoniado, porém no “controle”, Carl deixa Negan pegar a irmã no colo. Eles se acomodam na varanda da casa e assistimos o impiedoso assassino ninar a neném. Um momento tão agonizante quanto a falta de desenrolar da trama.

Falando em trama, sério gente: cadê o Reino? Cadê a Carol? Cadê as mulheres do episódio anterior com a Tara? Cadê a porra toda controlada por Negan? Apesar do bom episódio, é impossível compreender como o mid season vai pausar a série sem que os fãs desistam, ou se desiludam, com a temporada até o seu retorno em 12 de fevereiro de 2017.

Apesar de tudo, e mesmo ainda tendo um episódio antes do final do ano, TWD mostra fôlego para chocar (mais uma vez) com algum cliffhanger inesperado, mas falta audácia em expor uma problemática que vá além da maldita – e cansativa – opressão desesperada de Negan. Agora é esperar pelo próximo episódio que vai ao dia 11 de dezembro.

Küsses,

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Críticas

Ver também