Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola

Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola é divertido e tem ótimas piadas! Atenção fãs de Family Guy, American Dad e do Seth MacFarlane em geral, Um Milhão...

Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola é divertido e tem ótimas piadas!

Atenção fãs de Family Guy, American Dad e do Seth MacFarlane em geral, Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola garante boas risadas com um roteiro farofa de faroeste. O roteirista de TED não faria diferente, a história é bem simples e o final previsível, mas até o momento do “Felizes para Sempre”, MacFarlane oferece uma caralhada de piada, boas e ruins. Está incomodado que usamos a palavra “caralhada”? Então você não deve assistir este filme.

Albert (Seth MacFarlane) é um jovem e atrapalhado pastor de ovelhas que reside na fronteira do Arizona em 1882 em uma cidade chamada Old Stomp. De poucos amigos e uma rotina nada interessante, ele toma um pé na bunda de sua namorada Louise (Amanda Seyfried) que começa a namorar Foy (Neil Patrick Harris), um dos homens mais ricos da cidade e dono de uma loja de produtos para bigode.

A pacata cidade recebe a visita de uma jovem bela e misteriosa, Anna (Charlize Theron), que se afeiçoa por Albert. Enquanto o tempo passa e a amizade dos dois aumenta, o violento e temido bandido Clinch (Liam Neeson) se aproxima da cidade. Para a surpresa de Albert, o homem mais rápido no gatilho é marido de Anna, e assim as coisas ficarão confusas por lá. (Ahhh, novidade! E quando as coisas não ficam ruins quando o Neeson se aproxima né?).

A premissa do filme chega a ser boba, porém Seth MacFarlane entrega um aventura romântica do velho oeste bem divertida e com um diálogo super atual, o que faz com o que espectador se familiarize mais com a trama somado a um grande toque de sarcasmo em relação à época. Com referências aos índios, aos hábitos dos duelos, à economia e à cultura, Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola reflete a visão ácida do diretor e roteirista que já conhecemos, além de uma coleção infinita de “foda-se”, “merda” e piadas com cu. Incomodado porque usamos a palavra ‘cu’? Mude de texto….é melhor.

O visual do filme ficou bem legal! Com belos takes de fotografia e uma direção bem segura, o longa ainda possui uma trilha sonora animada e típica de um bom velho oeste. Os atores Giovanni Ribisi e Sarah Silverman interpretam um esquisito casal. Edward (Ribisi) é um sapateiro virgem e Ruth (Silverman) é uma animada e conhecida prostituta. Um virgem e uma puta? Sim! Já Foy (Neil Patrick Harris) é metido e cheio de hábitos estranhos, além da obsessão por bigodes. Prepare-se para cantarolar a música abaixo durante horas:

Dicas do que observar no longa:

– Giovanni Ribisi faz uma dancinha (não é qualquer dancinha).
– Ryan Reynolds faz a melhor participação especial já vista em um longa.
– Seth MacFarlane terá que pagar direitos autorais à Quentin Tarantino.
– Doc  Brown passou pelo velho oeste, certo?
– Tivemos a impressão que MacFarlane chamou a Charlize Theron só pra botar a mão naquela belezura.
– Não se canse de ouvir as mesmas piadas por duas horas. Infelizmente isso irrita um pouco e deixa o filme menos original que TED, massssss, vale a pena conferir mesmo assim!

O filme estreia dia 18 de Setembro no Brasil e vale a sua ida ao cinema para curtir.

Vamos decorar?

“If you’ve only got a moustache,
A moustache, a moustache,
If you’ve only got a moustache.”

Até a próxima!

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Criticas

Ver também